Ciência e Tecnologia

Quem precisa dormir mais os homens ou as mulheres?

0

Vez ou outra, a internet fica empolgada com novas revelações científicas que podem acabar num jogo de telefone sem fio que altera mensagens, ao invés de realmente propagar a ciência. Por fim, podemos ficar com informações comprovadas “segundo a ciência” que não são bem reais como parecem.

Em 11 de março de 2016, o site Metro publicou um artigo que dizia que as mulheres precisam de mais tempo de sono que os homens. Rapidamente a notícia se espalhou por vários sites da internet e nas redes sociais como uma nova descoberta científica.

Por meio da viralização, as supostas palavras do especialista Jim Horne foram apresentadas como um novo estudo completo sobre o sono, que garantia a necessidade de sono prolongado pelas mulheres.

Apesar disso, o artigo original não faz nenhuma referência a pesquisas específicas – novas, antigas ou em andamento – para sustentar a manchete. Ao invés disso, as citações científicas do texto são atribuídas a Jim Horne, um respeito médico especializado na área do sono e diretor do Centro de Pesquisa do Sono da Universidade Loughborough.

Segundo o texto, “o cérebro das mulheres é conectado de maneira diferente e é mais complexo, então a necessidade de sono nelas é um pouco maior.”

Na verdade, no entanto, Horne nunca falou nenhuma dessas palavras. “Eu nunca disse que as mulheres precisam de mais sono, apenas que elas possuem uma tendência a dormir mais”, explicou o cientista.

O que o artigo também não diz, é que a maioria das citações atribuídas a Horne, na verdade são retiradas de uma postagem de um outro site, o Daily Mail, e ao menos uma delas foi dita por outra pessoa. Nesse caso, seriam falas do pesquisador Edward Suarez, da Universidade Duke.

De fato, existem pesquisas que apontam diferenças entre os hábitos de sono de homens e mulheres e indicam fatores biológicos, comportamentais e culturais por trás dessas diferenças. Em 2014, um estudo específico sobre o sono foi publicado no Journal of Women’s Health e listou algumas dessas mudanças.

As mulheres demoram mais para pegar no sono, relatam mais sensação de sono ao longo do dia e apresentam certa de 40% de chance a mais de sofrer com insônia. Além disso, estudos sobre as distinções entre os sonos de homens e mulheres geralmente atribuem os efeitos a transtornos hormonais e ansiedade.

Observando os estudos realizados nos últimos anos, é possível estabelecer conexões entre os papéis dos hormônios sexuais no desenvolvimento dos circuitos cerebrais que regulam os momentos de dormir e acordar.

Aqui está a explicação do verdadeiro estudo de Jim Horne, em suas próprias palavras:

“As mulheres tendem a dormir cerca de 15 minutos a mais do que os homens, o que fica mais aparente naquelas com menos de 45 anos de idade, e já foi relatado em vários estudos, incluindo o nosso. Isso não acontece por conta dos mitos de uma ‘constituição mais delicada’, mas sim por conta da presença de mais fases de sono profundo e indícios de maior recuperação cerebral durante o sono. (…) As mulheres agem como multitarefa com mais frequência que os homens, o que requer o trabalho com novas informações de diferentes sentidos e fontes e a seleção de cada pedaço que deve ser valorizado ou ignorado, incluindo decisões rápidas de ações e prioridades.”

Ou seja, por mais que algumas manchetes possam insistir que as mulheres precisam de mais sono que os homens, a verdade é muito mais complicada que isso, segundo Aric Prather, PhD em psiquiatria. “Eu não acho que exista evidência de que as mulheres realmente precisem de mais sono. Os dados atuais apontam mais para sustentar o fato de que as mulheres estão mais suscetíveis aos efeitos negativos da falta de sono.

Gostou do esclarecimento? Comente com a gente a pesquisa e não deixe de compartilhar a verdade com seus contatos.

Por que estão dizendo que 23 de setembro é a data do ‘arrebatamento’?

Matéria anterior

Arte incrível mostra como Leonardo DiCaprio ficaria como Coringa

Próxima matéria

Você pode gostar

Comentários

Comentários não permitidos.