Entretenimento

Se publicada, essa saga escrita por Alan Moore revolucionaria as histórias em quadrinhos

0
Acclaimed English comic book writer Alan Moore, pictured at the Edinburgh International Book Festival where he talked about his latest work. The three-week event is the world's biggest literary festival and is held during the annual Edinburgh Festival. The 2010 event featured talks and presentations by more than 500 authors from around the world. (Photo by Colin McPherson/Corbis via Getty Images)

Podemos afirmar que Alan Moore é um dos maiores quadrinistas da história. Isso porque, além de escrever histórias excepcionais, ele também desconstruiu o conceito de super-heróis nos quadrinhos ‘Miracleman’ e ‘Watchmen’. No entanto, uma grande ideia do autor nunca chegou a ser colocada no papel, mas caso publicada, revolucionaria as histórias em quadrinhos que conhecemos hoje.

Ao longo de sua carreira, Alan Moore também escreveu clássicos como ‘V de Vingança’, ‘Batman: A Piada Mortal’, ‘Do Inferno’, ‘A Liga Extraordinária’ e ‘Monstro do Pântano’. Assim, nos anos 1980, ele traria uma saga que prometia revolucionar o Universo DC. Contudo, essa saga nunca chegou a ser escrita e muitos fatores contribuíram para isso.

Uma solução alternativa para a ‘Crise nas Infinitas Terras’

Estamos em 1986 e, nessa época, a DC Comics vivia um momento conturbado em suas histórias. Isso porque, ao longo das décadas, a empresa manteve versões diferentes de seus heróis, como Batman e Superman. Além disso, a DC também havia adquirido a propriedade da Fawcett Comics e da Charlton Comics, trazendo heróis como o Shazam e o Besouro Azul para seu universo.

Para solucionar o problema de tantos heróis e sagas acontecendo ao mesmo tempo, a DC introduziu a ‘Crise nas Infinitas Terras’. Dessa forma, a saga serviria para solucionar problemas de cronologia e deixar tudo mais compreensível para novos leitores. E claro, essa não era uma tarefa fácil, ainda mais quando lembramos que reboots não eram ideias bem-vindas, pelo menos, antes disso.

Nessa mesma época, os quadrinhos que traziam uma visão mais adulta e sombria dos heróis começaram a ganhar força. Nesse sentido, podemos citar “Batman – O Cavaleiro das Trevas”, de Frank Miller. Mas também, tínhamos Alan Moore, como o “Monstro do Pântano” e “Watchmen”. Sendo que, Moore estava ganhando cada vez mais prestígio na DC Comics. Por isso, ele decidiu criar uma história que concluiria a trajetória dos heróis naquele universo. Essa saga seria chamada de Twilight of the Superheroes (“Crepúsculo dos Super-Heróis”, em tradução livre).

Segundo Alan Moore, a ideia era criar um conceito de conclusão para a infinita trajetória dos heróis da DC. Dessa forma, eles se tornariam lendas como, por exemplo, é o Rei Artur. No entanto, a história que teria 12 edições e afetaria toda a continuada da DC Comics nunca foi para frente. Assim, somente ficamos sabendo de sua existência nos anos 1990.

O que teria acontecido em “Crepúsculo dos Super-Heróis”?

Em “Crepúsculo dos Super-Heróis”, John Constantine é abordado por Rip Hunter, que vem do futuro e o alerta sobre a queda dos super-heróis. Dessa forma, décadas no futuro, a sociedade teria entrado em colapso e diversas dinastias de seres superpoderosos dominam o mundo. Além disso, Batman estaria desaparecido e dado como morto, mas, na verdade, ele estaria trabalhando com um grupo secreto. Enquanto isso, Constantine do futuro leva as Casas, que são as dinastias, a entrarem em conflito.

Em meio ao conflito, um casamento arranjado entre o filho de Superman e Mulher-Maravilha (Superboy) e Mary Marvel Jr, filha do Capitão Marvel e Mary Marvel, criaria a maior Casa de todas. Essa dinastia seria resultado da Casa de Aço e Casa do Trovão, respectivamente. Entretanto, o conflito é levado para o local do casamento uma batalha brutal extermina boa parte dos heróis.

Após o conflito, apenas Superman, Capitão Marvel, Mary Marvel, Capitão Marvel Jr e Supergirl sobrevivem. Porém, após uma invasão alienígena orquestrada por Adam Strange alcançar os heróis, descobrimos que o verdadeiro Capitão Marvel está morto. Assim, quem está em seu lugar, na verdade, é o Caçador de Marte, que o teria matado. Por fim, ainda na invasão alienígena, Superman recebe a ajuda de Batman e outros aliados, incluindo Constantine, que conseguem deter os alienígenas. De volta ao Constantine do passado, ele recebe a missão de manter o futuro, mas de uma forma que a humanidade não seja aniquilada. Assim, após o conflito, eles viverão em um mundo heróis, que se tornariam deuses do mundo do futuro.

Ao receber a ideia, a DC Comics não lidou muito bem com o projeto pelo fato dele ser “confuso demais”. Isso porque, estavam envolvidas diferentes linhas temporais e realidades paralelas. E, pelo menos nessa época, a DC estava buscando deixar todos os heróis em uma única Terra. De toda forma, mesmo sendo esquecida e nunca produzida, a saga ainda é considerada um marco importantíssimo na história dos quadrinhos.

Esse homem organizou uma partida de futebol entre quem não estava infectado e quem estava com Covid-19

Matéria anterior

Entenda como a ciência provou que não existem diferenças entre as raças humanas

Próxima matéria

Você pode gostar

Comentários

Comentários não permitidos.