• MAIS LIDAS
  • QUIZ
  • VÍDEOS
  • ANUNCIE

Você tem um processador antigo? Aprenda a extrair o ouro dele

POR Rafael Miranda    EM Ciência e Tecnologia      26/02/16 às 15h37

Muitas pessoas podem ter uma "mina de ouro" escondida dentro de um computador velho. Claro, nem todo mundo tem a habilidade de extrair os metais valiosos presentes nos componentes de uma CPU. O processo pode ser demorado e cansativo.

Existem muitos elementos utilizados sobre os pinos e sobre as almofadas de montagem dos moldes de processadores que podem valer um dinheirinho extra para os especialistas que se aventurarem em tentar remover esses metais para venda. Além disso, os pequenos fios que ligam as almofadas e os pinos são feitos de ouro.

Aqui está a parte mais difícil: a recuperação do metal precioso por meio de técnicas caseiras. Confira como é feito o processo de extração de metais preciosos de CPU's de computadores.

Por favor note que os produtos químicos utilizados nesta demonstração são extremamente perigosos, especialmente nas concentrações usadas. Portanto, não recomendamos que você tente reproduzir este experimento em casa.

Ácido nítrico

1

Em nosso primeiro passo, os processadores são descartados em um banho de ácido nítrico concentrado. Eles vão passar um tempo lá, como veremos. E a experiência não será particularmente agradável para eles.

Splish Splash!

2

Durante esta fase, o ácido reage com certos metais, particularmente cobre e prata. O ácido nítrico não tem nenhum efeito sobre o ouro, no entanto.

Tempo do banho das CPUs

3

À esquerda, os nossos CPUs são jogados em uma solução de ácido nítrico concentrado. À direita, depois de alguns minutos, a solução já assume uma cor azulada, característica da presença de nitrato de cobre. Também é importante notar que o banho resulta em um gás marrom (dióxido de azoto).

Atenção: isso é perigoso

4

A reação pode ser mais rápida (e violenta), mas é sempre perigosa.

O banho, algumas semanas mais tarde

5

Depois de algumas semanas, a solução fica muito azul, devido à forte presença de íons de cobre. O cobre e a prata (entre outras coisas) são dissolvidos, exceto o ouro.

CPUs: Sem mais funcionalidade

6

Agora vamos remover os processadores do banho.

7

Filtragem

8

O próximo passo é filtrar. A prata se transforma em uma solução de nitrato de prata, enquanto que o ouro e alguns outros metais que não foram atacadas pelo ácido nítrico, além de impurezas, permanecem no filtro.

Uma pitada de sal

9

Nós adicionamos um pouco de cloreto de sódio (sal comum) na solução.

Os precipitados de prata

10

A prata no nitrato de prata forma cloreto de prata.

Um pouco de zinco

11

Agora vamos adicionar um pouco de ácido clorídrico. Em seguida, mergulha-se um pedaço de zinco na mesma solução. Atenção: Esta é uma reação exotérmica!

Depois de algumas horas, a prata metálica torna-se perceptível. Vemos também que o precipitado de cloreto de prata começou a escurecer na luz.

Filtração e lavagem

12

A solução é filtrada e lavada. O resultado é prata metálica.

Derretendo a prata

13

Agora, tudo o que precisamos fazer é derreter a prata em um cadinho com uma tocha de oxi-butano.

Uma moeda de prata

14

Voilà: uma pequena e bonita moeda de prata! Claro, não é 100% pura, o que é impossível com este tipo de processo do-it-yourself, mas é razoavelmente perto. Nós suspeitamos que a presença de platina, paládio e ródio. Vamos continuar.

Agora vamos para o ouro

15

Nós não terminamos de utilizar o potencial da CPU ainda. Ainda é possível extrair ouro!

Após um curto período de lavagem com água destilada, é necessário colocar o CPU num banho de ácido clorídrico e 3% de peróxido de hidrogênio, numa proporção de dois para um.

Outro banho desagradável

16

Você pode ver os fios de ouro em torno do processador.

Filtragem, mais uma vez

17

Depois de algumas horas, é necessário filtrar a solução para recuperar os flocos de ouro e várias substâncias residuais.

Perigo: O cloro gasoso

18

O que é deixado para trás no filtro é uma mistura de vários metais e impurezas. Colocamos tudo numa mistura de ácido clorídrico a 35% e 5% de lixívia de cloro, numa proporção de dois para um. A reação é altamente exotérmica e produz gás cloro extremamente perigoso.

O gás cloro é o que ataca o ouro para formar o cloreto de ouro.

Filtragem

18

Nós filtramos tudo mais uma vez. O filtro retém todas as impurezas, e nada é deixado na solução de cloreto de ouro.

Precipitamos

19

Para recuperar o ouro metálico, precisamos obter o ouro que está na solução ao fazer uma precipitação. Para isso, usamos metabissulfito de sódio em pó. Na presença de água, o metabissulfito de sódio produz o bissulfito de sódio.

Ouro em pó!

21

O bissulfito de sódio é o que vai permitir que o ouro precipite.

Agora precisamos recuperar o pó, filtrando a solução, então deixe-a secar.

Deixe secar

22

Ainda não se parece com o ouro mas está quase tudo concluído.

Derretendo o ouro em pó

23

Após a secagem do pó de ouro, precisamos fundir o metal num cadinho. Nossa tocha de oxi-butano pode fazer o trabalho, uma vez que o ponto de fusão do ouro é de cerca de 1064 ° C.

Resultado

24

O resultado é uma bolinha minúscula de ouro. Tal como acontece com a prata, o nosso processo caseiro não pode extrair ouro perfeitamente puro, que é uma razão pela qual as operações industriais usam outros processos mais perigosos.

Próxima Matéria
Via   Tom's Hardware  
Rafael Miranda
Criando forças para segurar o forninho de cada dia. Instagram: @rafaelmiranda17
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.


Matérias selecionadas especialmente para você

Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+