10 ditadores insanos que ainda estão governando e você nunca ouviu falar

POR Fatos Desconhecidos (Acervo)    EM Mundo Afora      18/01/15 às 18h49

A ditadura é um regime de poder em que não existe participação popular, portanto em que não há democracia. O controle sobre o país geralmente se restringe a um pequeno número de pessoas, chefiadas por um ditador.

O grande problema de ter todo o poder político controlado por uma pessoa só, que impõe a sua vontade quer a população queria, quer não, é que ele se sente livre para tomar qualquer medida extrema, e, na maior parte das vezes, com consequências assustadoras.

Por mais difícil que seja imaginar, muitos países espalhados pelo mundo ainda vivem sob regimes de ditadura, alguns deles inclusive são pouquíssimos conhecidos, por isso separamos para vocês uma pequena lista com os ditadores que quase ninguém conhece.

1.Yahya Jammeh, o paranóico

gambia

Gâmbia é um país da África ocidental que tem um formato geográfico no mínimo curioso. O país é chefiado por Yahya Jammeh desde o golpe de 1994, ou seja, o ditador está há 20 anos no poder. O ditador é um sujeito extremista de ideias bastante conservadoras, ele já chegou a comparar a homossexualidade com o satanismo e disse que gays são a causa da queda da civilização.

Jammeh disse que qualquer homossexual que entrasse em seu país seria decaptado, quando questionado respondeu: "eu tenho búfalos na África do Sul e no Brasil, e eles nunca namoraram". Pelo jeito, além de extremista, o ditador não conhece muito o mundo animal, em que a homossexualidade existe em 450 espécies, de acordo com cientistas.

Os delírios de grandeza do ditador também são lendários. Em 2010, um jornal do governo afirmou que Obama tinha dado pessoalmente três prêmios a Jammeh, incluindo um título de honra, que realmente foi entregue a algumas pessoas, mas não ao ditador. Infelizmente, seu ego é maior do que a sua paranóia. Súditos de Jammeh vivem em um estado de medo constante. As pessoas são presas e torturadas por simples caprichos dele. Espiões estão por toda parte e o governo ainda arma grupos de protesto falsos no exterior, na esperança de "desmascarar" exilados "traidores". Recentemente houve uma tentativa de derrubar Jammeh, mas o golpe de estado falhou.

2.José Eduardo dos Santos, o tímido

angola

Angola se prepara para ser a próxima grande potência da África. O país tem uma economia em expansão, lagos de petróleo, e um presidente que é praticamente invisível. Conheça Jose Eduardo dos Santos, mais tímido autocrata da África. No poder desde 1979, Santos não faz discursos, dá entrevistas ou aparece na TV. Ele não vai para conferências, raramente sai da capital e se recusa a interagir com outras pessoas.

Nas poucas ocasiões em que ele ia a um comício, não dizia nada que não tenha sido roteirizado e ensaiado de antemão. Sua timidez é tão extrema, que alguns o conhecem como "o presidente em silêncio". O presidente não é conhecido por atrocidades, mas pela corrupção. A oposição o acusa de aprovar de leis para enriquecer a sua própria família e reprimir os direitos humanos sempre que o seu poder é desafiado. Recentemente, um "boom" do petróleo está enviando bilhões aos bolsos de Santos, enquanto a grande maioria dos angolanos vivem na pobreza esmagadora.

3. Hassanal Bolkiah, o pervertido

brunei

Uma pequena nação à margem de Bornéu, Brunei é famoso principalmente por seu petróleo e por ter um cafetão como seu regente. O palácio de Brunei é o maior palácio residencial do mundo, e a sua coleção de carros é maior que a da maioria dos colecionadores. Extrema riqueza não é a única coisa que chama a atenção sobre ele. Em 2014, ele causou um polêmica por, literalmente, proibir o Natal. Mas nada disso se compara a sua obsessão por sexo.

Graças à sua riqueza, Bolkiah pode obter tudo o que quer, inclusive mulheres. O sultão tem seu próprio harém 24 horas. Em 1997, ele foi até acusado de sequestrar um ex-Miss Estados Unidos e mantê-la como escrava sexual . Quando ela escapou e tentou processa-lo, ele simplesmente alegou imunidade diplomática. Seu irmão, o príncipe Jefferi, é possivelmente ainda mais pervertido. Em 2010, foi revelado que ele havia gasto US $ 1 milhão em estátuas de  tamanho natural de si mesmo fazendo sexo com sua noiva e amante.

4. Teodoro Obiang Nguema Mbasogo, o tirano

guine

Pequena, mas rica em recursos, a Guiné Equatorial fica localizada na costa ocidental de África e vive sob o poder do ditador mais antigo do continente: Teodoro Obiang Nguema Mbasogo. No país a infra-estrutura é insuficiente e a maioria dos cidadãos extremamente pobres do país não têm acesso a água ou hospitais.

Nas eleições de 2002 Mbasogo alegou ter vencido com 103 dos cem votos computados. Em um artigo de 2006, Der Spiegel disse que seu reinado foi comparável à de Pol Pot.Talvez o pior de tudo são os relatos de campos de tortura onde os prisioneiros são rotineiramente amarrados e espancados. A página da Human Rights Watch, uma instituição internacional de direitos humanos,é cheia de relatos de empresários estrangeiros sequestrados no interior do país e violentamente abusados por anos. Todos os sinais apontam em direção à fome e repressão dos cidadãos. A opressão é comparável ao da Coreia do Norte, mas ninguém fala da Guiné Equatorial.

5. Isaias Afewerki, o hediondo

isaias

Um país africano de tamanho médio, a Eritreia é famosa por suas crianças-soldados, a tortura sancionada pelo Estado, e assassinato de quaisquer cidadãos que tentem fugir de suas fronteiras. Não há nenhuma constituição, nem poder judiciário independente. Muitos de seus cidadãos passam a vida na escravidão total.

Descrito pelo embaixador norte-americano como um "esquisitão autocrático ", o presidente Isaias Afewerki está obcecado com a auto-suficiência, a ponto de matar de fome o seu povo. Quando a fome paralisante atingiu o país em 2009, ele recusou a oferta de ajuda alimentar, na época Afeweki declarou a BBC: "ajuda alimentar estrangeira demoniza a população local e os torna preguiçosos".

Ele ordenou aos seus capangas que dessem vigiassem e confiscassem grão de agricultores, aumentando um desastre já significativo.Desde então, as coisas ficaram tão ruins que até mesmo os generais não têm dinheiro para se alimentar. Temendo rebelião, Afewerki respondeu com 20.000 mercenários etíopes, que agora têm total controle sobre a população local. Com o país à beira do colapso, muitos observadores estão se perguntando quanto tempo o presidente pode se manter.

6. Emomali Rahmon, o dançarino

Tudo o que você precisa saber sobre o Tajiquistão está contida na história de Savriddin Dzhurayev. Em 2013, Dzhurayev foi condenado à prisão por tentar derrubar o governo em 1992. Em 1992, ele tinha sete anos de idade. Em 2012, o presidente Emomali Rahmon respondeu a uma escassez de alimentos devastadora dizendo aos seus cidadãos para armazenar mais e comer menos, e culpou os camponeses pela crise, já que  eles não tinham seguido suas instruções.

Ele também bloqueou o acesso ao YouTube em todo o país depois que o vídeo acima com ele dançando bêbado em um casamento foi publicado. Além de péssimo dançarino, a corrupção de Rahmon deixou um país em uma situação ainda pior. A vida para as pessoas comuns é uma mistura deprimente de terror e repressão, com as autoridades felizes de usar tortura e ameaças de estupro para subjugar a população.

7. Islam Karimov, o escravizador

islan

Imagine se acada outono, você e sua família toda fossem forçados a deixar a sua casa e viajar para um remoto trecho do deserto de Nevada para trabalharem como escravos por três meses. Agora imagine que você não tem nenhuma recompensa financeira, e todos os lucros fossem entregues diretamente para a Dilma. Parabéns: Agora você tem alguma ideia do que o Uzbequistão sofre.

O ditador do país, Islam Karimov, declarou no ano passado com orgulho que iria reduzir o trabalho infantil, mas não eliminá-lo. Em 2014, o estado do Uzbequistão se auto-parabenizou por escravizar ligeiramente menos crianças do que de costume.  Mas isso não é a pior coisa que Karimov tem feito. Massacres, tortura, perseguição religiosa, assim como a eliminação da liberdade de expressão são bastante comuns. Mesmo sua própria família não está a salvo de seus caprichos. Na sequência de um desentendimento público, no ano passado, sua filha desapareceu, possivelmente ela está apodrecendo em uma das celas fétidas do Uzbequistão.

8. Paul Biya, o viajante

paul

Para um homem que quer ser lembrado por levar a democracia para Camarões, Biya não está se saindo muito bem. No poder desde 1982, ele foi acusado de fraudar eleições, silenciando a oposição, e prender jornalistas que se atreveram a especular sobre a sua saúde. Ele gosta de ficar tanto tempo fora do país quanto possível, retornando apenas para lembrar as pessoas que ele ainda está vivo e encher os bolsos de dinheiro público. De acordo com a BBC, muitos membros de seu governo são frequentemente contratados sem que ele os veja.

Para o camaronês médio, a vida sob a ditadura de Biya está longe de ser moleza. Em 2009, suas forças massacraram 100 manifestantes desarmados, e quem não seguir a linha do partido é susceptível de ter um violento confronto com os seus serviços de segurança.

9. Rei Hamad Al-Khalifa, o adorador de Fórmula 1

brahin

Bahrain é o menor estado do Golfo. A ilha já foi pensado pelos antigos sumérios para ser o paraíso na Terra. Sob o governo do rei Hamad Al-Khalifa, o país está mais para o Inferno. O rei Hamad Al-Khalifa passou muito tempo fazendo a vida miserável para seus cidadãos xiitas pobres. Em 2011, ele teve o exército saudita violentamente esmagado por protestos contra seu governo, um movimento desencadeado principalmente por seu desejo de sediar a Formula One Grand Prix livre de problemas.

Para garantir que ele conseguisse o que queria, os serviços de segurança detiveram e torturaram  os opositores do governo, várias mortes foram registradas. Desde então, as coisas só pioraram para o cidadão médio. Em 2014, ele tornou-se ilegal ofender o emblema nacional, várias pessoas, incluindo uma mulher grávida, foram para a prisão por rasgar fotos ou fazer piadas em mídia social. Estranhamente, o rei já havia ratificado um acordo da ONU rejeitando especificamente tais punições.

10. Rei Mswati III, o insano

1

Frequentemente descrito como "uma ilha de ditadura em um mar de democracia", Suazilândia é quase inteiramente cercada pela vizinha África do Sul. Sob governante absoluto do rei Mswati, é menos um país em funcionamento e mais fantasia de um menino de 14 anos de idade. Se lembra do pervertido Sultan Hassanal Bolkiah de Brunei? Ele não se compara ao Rei Mswati.

O governante de uma das nações mais pobres da África, Mswati  tem 13 esposas, além de inúmeras amantes. Todos os anos, ele promove uma dança em que mais de 10.000 virgens de seios nus competem para se tornar a esposa número 14. Além de ser um bígamo, o rei é também um megalomaníaco com um olho para projetos caros.

Em 2014, ele criou um novo aeroporto no meio do nada antes de ter sido concedida uma licença de aviação. O custo do aeroporto foi calculado em cerca de 10 por cento do PIB do país. Enquanto isso, quase todos no país estão vivendo abaixo da linha da pobreza, muitos morrendo de infecção pelo HIV. O Estado combate violentamente qualquer um que discorde do rei.

Fatos Desconhecidos (Acervo)
Acervo, matérias feitas antes do ano de 2015.

Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.
Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+