7 milionários da lista da Forbes que foram presos
Tempo de leitura:3 Minutos, 36 Segundos

7 milionários da lista da Forbes que foram presos

Todos os anos, algumas listas, que indicam quem são as pessoas mais ricas do mundo e de alguns países, são divulgadas. A mais famosa delas é a lista feita pela revista Forbes. Embora alguns ricaços permaneçam na lista por muitos anos, a posição deles varia, e às vezes, surgem outros milionários fazendo concorrência com os anteriores. Alguns se mantêm em seus postos, outros entram, muitos saem e o mercado continua, até porque nada, nessa vida, é completamente estável.

E alguns desses multimilionários, que já figuraram nessa lista têm algo em comum, além da enorme quantidade de dinheiro. Em algum momento da história, esses milionários da nossa lista aqui já pararam atrás das grades. Alguns saíram da cadeia, mas alguns ainda permanecem lá. Mostramos quem são esses milionários que além de acumular dinheiro, já foram presos.

1 – Allen Stanford

Esse homem era presidente e diretor executivo da Stanford Financial e figurava na lista dos multimilionários até 2009. Ele foi condenado por fraude, obstrução à justiça e conspiração por lavar dinheiro nas operações comerciais por sete bilhões. Para isso, ele usou comprovantes de depósito emitidos pelo seu banco, na ilha caribenha de Antígua.

Ao todo ele foi condenado a 110 anos e já cumpriu dez anos de prisão. Quando Stanford foi condenado, o juiz disse que o homem tinha feito “uma das mais notórias fraudes já apresentadas em um julgamento em corte federal no país”.

2 – Mikhail Khodorkovsky e Platon Lebedev

Khodorkovsky saiu da lista dos milionários em 2006 e Lebedev, um ano antes, em 2005. Os dois cumpriram 10 anos de prisão. Os dois homens eram sócios e foram presos por sonegação de impostos, em 2003.

Parte da pena de Khodorkovsky foi ele sendo enviado para um campo de trabalho no sudeste da Rússia. Mas, em 2013, ele foi liberado por causa de um induto do presidente Vladimir Putin. Depois de um mês que Khodorkovsky foi liberado, seu sócio também foi liberto.

3 – Raj Rajaratnam

Ele foi o fundador do Grupo Galleon, que era uma empresa do setor financeiro, e foi preso pelo FBI, por tráfico de informações privilegiadas. Ao todo, o homem foi considerado culpado de 14 acusações de fraude e conspiração. Ele saiu da lista da Forbes em 2010.

Depois de acusado, Rajaratnam foi obrigado a pagar uma multa de 10 milhões de dólares e teve 50 milhões congelados.

4 – Thomas Kwok

De acordo com a Forbes, o homem, que foi o copresidente da Sun Hung Kai Properties, uma empresa de investimentos imobiliários, tem uma fortuna de 2,1 bilhões. Ele foi condenado por subornar o ex-diretor da administração pública de Hong Kong, com 8,5 milhões de dólares.

Kwok passou aproximadamente três anos preso. E até hoje, nega suas acusações.

5 – Michael Milken

A fortuna de Milken é estimada em cerca de 3,7 bilhões de dólares. Ele foi pioneiro em desenvolver estratégia de bônus de alto rendimento para fusões e aquisições corporativas. Ele fez isso enquanto ele trabalhava no banco de investimentos Drexel Burnham Lambert.

Em 1990, ele se declarou culpado de seis acusações de violação de leis, que regem o mercado financeiro e pagamento de impostos. Milken ficou dois anos preso.

6 – Jay Y. Lee

Lee é o vice-presidente da Samsung e foi sentenciado, na Coreia do Sul, por subornos de aproximadamente 38 milhões de dólares. Os subornos eram para que uma fusão, entre a Samsung e a Cheil Industries, acontecesse.

A Forbes avalia que a fortuna dele é estimada em sete bilhões de dólares. Lee nega as acusações, mas ficou aproximadamente 11 meses na prisão.

7 – Joaquín Guzmán Loera

Conhecido como Joaquín “El Chapo” Guzmán, ele foi considerado pela justiça dos EUA, como o “criminoso mais notório dos tempos modernos”. Ele era o líder do cartel de Sinaloa e foi preso, pela primeira vez, em 1993. Guzmán ficou preso até 2001, quando conseguiu fugir da prisão mexicana de segurança máxima em que estava detido.

Ele travou uma guerra contra as organizações criminosas para se apoderar das principais rotas do narcotráfico, entre o México e os EUA. Em 2014, ele foi pego pela segunda vez. Mas depois de um ano, ele escapou novamente. E em 2016, teve sua terceira prisão e foi extraditado para os EUA. Ele cumpre sua prisão perpétua no Colorado. E Guzmán só saiu da lista da Forbes em 2013.