Ciência e Tecnologia

A bateria que pode fornecer energia por 28 mil anos

0

Você se sente frustrado quando a bateria do celular dura poucas horas? Então você vai ficar surpreso com o ousado projeto de uma empresa norte-americana. A Nano Diamond Battery (NBD), localizada na Califórnia, desenvolveu um projeto de baterias de nanodiamante que podem durar até 28 mil anos sem nenhuma recarga! Incrível, não é?

Para que isso seja possível, a bateria de nanodiamante, que é movida por energia nuclear, deve agir como minúsculos geradores de alta potência. A duração da bateria varia de acordo com o tamanho que ela possui, podendo variar de 10 anos até os incríveis 28 mil anos.

É possível que ela seja usada até mesmo em carros elétricos, o que determina a adaptação do tamanho da bateria. Além disso, sempre que a vida útil desse item chega ao fim, seus componentes podem ser totalmente reciclados.

bateria

Green Business Post

Como é feita a bateria?

A bateria é feita a partir de um pedaço de lixo nuclear reciclado. A NDB usa peças de grafite obtidas através de reatores nucleares. Esse grafite residual absorve radiação e se caso não fosse tratado, apresentaria um alto grau de perigo.

No entanto, para extinguir qualquer risco, a empresa purifica o grafite e cria pequenos diamantes de carbono-14, que são implementados nos equipamentos. A pedra serve como um semicondutor e um dissipador de calor, que coleta a carga e a transporta para fora.

Para proteger esse núcleo, deve haver um diamante carbono-12, que é criado em laboratório. Essa camada de proteção evita vazamentos de radiação e atua como um item de segurança adicional que é à prova de violação.

Criar uma célula de bateria demanda várias camadas deste material de nanodiamante (que apresenta altíssima resistência ao calor). Assim, elas são empilhadas e armazenadas com uma pequena placa de circuito integrado e um pequeno supercapacitor para coletar, armazenar e distribuir instantaneamente a carga.

Sendo assim, as placas de grafite, carregadas de energia nuclear, são acompanhadas dos diamantes, que transformam toda essa energia em eletricidade. No entanto, cada célula da bateria produz uma pequena quantidade de energia. Para que a bateria alimente sistemas que precisam de muita energia, como no caso de veículos elétricos, é necessário que ela tenha grandes dimensões e, consequentemente, muitas células.

Particularidades da bateria

Além de oferecer potências maiores do que as existentes nas baterias de íons de lítio atuais, essas baterias serão quase indestrutíveis. Isso porque o diamante é extremamente resistente, cerca de 12 vezes mais forte do que o aço.

Além disso, esse material também pode conter a radiação da energia nuclear dentro do dispositivo. Dessa forma, a bateria não oferece nenhum tipo de risco ao ser humano e não precisa de interferências, já que ela atua como sua própria fonte de energia, transformando o lixo nuclear em energia útil.

Futuramente, com o avanço do projeto, é possível que essas baterias alimentem até mesmo naves espaciais e satélites. Dessa forma, eles poderão ficar em órbita por longos anos sem a preocupação de ficar sem combustível, o que soluciona uma grande preocupação dos cientistas que projetam espaçonaves.

Nesses casos, a bateria de nanodiamante também se sobressai porque levar combustível em viagens espaciais ocupa muito espaço nas naves. Isso porque, como a quantidade de combustível deve ser muito grande, o peso da espaçonave aumenta significativamente. Com o uso das novas baterias, essa situação poderá ser evitada.

Cavalos de guerra medievais eram pôneis

Matéria anterior

Fóssil gigante de dragão do mar foi descoberto

Próxima matéria

Comentários

Comentários não são permitidos