Ciência e Tecnologia

Aquamação: a cremação feita com água

aquamação
0

A aquamação é um processo relativamente novo, que surge como uma forma mais ecológica à cremação já conhecida. Trata-se de uma combinação de fluxo de água suave, temperatura e alcalinidade usados para acelerar a degradação de materiais orgânicos, segundo a Bio-Response Solutions, empresa norte-americana especializada na atividade.

Ainda de acordo com a empresa, o processo “usa 90% menos energia do que a cremação e não emite gases de efeito estufa”. De forma simples, a aquamação é uma “cremação sem chamas”. O procedimento também é chamado de biocremação e reduz o corpo a cinzas assim como a cremação comum, mas sem a necessidade de combustão. 

No procedimento, o corpo é colocado em uma máquina de hidrólise alcalina, composta por uma câmara hermética preenchida com uma solução à base de água e produtos químicos alcalinos. Depois, a câmara é aquecida a cerca de 150 ºC por aproximadamente 90 minutos. A técnica dissolve o tecido corporal (gordura, sangue, músculos e pele) de modo que, ao final do processo, restam apenas os ossos.

Assim que os ossos estiverem secos, eles podem ser pulverizados em uma máquina chamada cremulador, depois são reduzidos a cinzas, colocados em uma urna e, por fim, entregues aos familiares. A técnica imita o processo natural de decomposição de um corpo ao longo dos anos, porém de forma bem mais rápida.

“O processo resulta em aproximadamente 32% mais de restos mortais cremados do que a cremação à base de chama”, afirmaram representantes da Cremation Association of North America (CANA), que é uma organização internacional sem fins lucrativos. Além disso, a aquamação requer muito menos energia e não emite nenhum gás poluente. O líquido deixado para trás é orgânico e pode ser usado ​​como fertilizante.

O método de aquamação ainda é permitido em poucos países. Na África do Sul não há legislação vigente sobre a prática e, dessa forma, a biocremação pode ser realizada. Nos Estados Unidos, a técnica ganha destaque na cremação de animais utilizados em experimentos de laboratório. Embora o método seja eficaz também para animais, a aquamação dos que são utilizados em testes coloca em cheque discussões anteriores, como a ética das condutas dos experimentos com esses bichos.

Desmond Tutu

A aquamação adquiriu destaque após a morte de Desmond Tutu, premiado com o Prêmio Nobel da Paz em 1984 por sua luta contra o Apartheid. Além disso, Tutu, nascido em 1931, era um defensor das causas ambientais. O arcebispo sul-africano faleceu no dia 26 de dezembro de 2021 e, antes de sua morte, pediu para que não fosse cremado da forma normal, mas sim submetido à aquamação.

AFP

O pedido de Tutu foi realizado diante da vontade que ele tinha de que seu corpo descansasse após um processo menos nocivo ao meio ambiente. Além de solicitar a alternativa ecológica à cremação tradicional, Tutu também pediu para que seu corpo fosse velado em um caixão simples e barato.

Segundo a Desmond Tutu Health Foundation, administrada por ele e seus familiares, o corpo foi velado no caixão “mais barato disponível “, assim como era de seu desejo. Não obstante, o arcebispo também pediu para que um buquê de cravos da família fossem as únicas flores na Catedral Anglicana, local em que ele serviu por 35 anos. 

Designer faz acessórios com objetos domésticos

Matéria anterior

A maior estrela do universo

Próxima matéria

Comentários

Comentários não são permitidos