Muita gente se sente atraída quando o assunto remete ao espaço. É realmente um lugar cheio de mistérios e que desperta a curiosidade de muitos cientistas e astrônomos espalhados pelo mundo todo. A ideia de que entre luas, asteroides, estrelas e sistemas possa existir vida em outros planetas remonta há muitos anos atrás, e sempre é tema de estudo e pesquisa.

O universo sempre foi um tema de grande interesse para nós. Sua imensidão e todo o desconhecido que o circunda atiçam a curiosidade de todos os cientistas e até mesmo de pessoas que são intrigadas para saber o que tem nesse universo, além de nós. Mas além dessas questões de vida inteligente em outro planeta, o resto do espaço sideral é algo à parte.

A totalidade do espaço ainda não foi entendida, mas existem coisas que os cientistas já conseguiram descobrir, entender, em algum nível, e descrever. Além dos planetas que conhecemos e dos astros que vemos constantemente nos céus, nosso sistema solar está repleto de outros corpos, como asteroides. Um exemplo disso são os asteroides. Eles são corpos rochosos e metálicos que têm uma órbita definida ao redor do sol. Eles fazem parte dos corpos menores do sistema solar e, normalmente, têm algumas centenas de quilômetros.

Publicidade
continue a leitura

Asteroides sempre passaram perto do nosso planeta e algumas previsões até falaram que alguns deles poderiam destruí-lo. Alguns deles, de pequeno porte, chegam a entrar em nossa atmosfera e cair em nosso planeta, como um famoso asteroide que caiu na Rússia, em 2013, mesmo sem ter sido detectado por nenhuma agência espacial ao redor do mundo. E outros que já passaram perto de nós tinham formatos estranhos, como um que passou no halloween e que tinha o formato de caveira. Pelo menos a parte de destruição não aconteceu. Mas realmente vários já passaram perto de nós.

Asteroide

Publicidade
continue a leitura

Um desses casos aconteceu no sábado. O asteroide é chamado de 1999 KW4 e os astrônomos previram sua passagem pela Terra por volta das 19h05. E o que é interessante a respeito desse asteroide em particular é que ele tem a sua própria lua.

"É um dos flybys binários mais próximos provavelmente na história recente. Isso é o que torna um alvo muito interessante", disse o cientista planetário, Vishnu Reddy.

Esse asteroide tem 1,5 quilômetros de largura. Esse é aproximadamente três vezes o tamanho da sua lua. Ela está em uma largura de cerca de 0,5 quilômetros. E segundo o Observatório Las Cumbres, o asteroide é ligeiramente achatado nos polos e tem uma crista bastante peculiar.

Publicidade
continue a leitura

A colisão com o nosso planeta não foi uma preocupação dos astrônomos. Porque mesmo que ele tenha passado perto de nós, a distância foi mais de quatro milhões de quilômetros de distância. E com essa distância, a colisão não era nem uma das preocupações. Ele nem mesmo chegou a ser possivelmente visto a olho nu.

Ele ficou perto de nós até o dia 27 de maio. Depois disso, ele começou a se afastar da órbita do nosso planeta. Mas seu tamanho e formato geram grandes expectativas para os cientistas. Depois da passagem, que aconteceu no sábado, o par desse asteroide não vai estar tão perto da Terra até 2036.

Publicado em: 28/05/19 19h06