Autoridades da Austrália querem sacrificar pombo que viajou sozinho dos EUA a Melbourne
Tempo de leitura:3 Minutos, 4 Segundos

Autoridades da Austrália querem sacrificar pombo que viajou sozinho dos EUA a Melbourne

No início de janeiro deste ano, a mídia internacional relatou um fato bastante incomum. E depois de tudo o que vimos em 2020, o que poderia ser tão estranho assim? Bom, de acordo com inúmeros portais de notícias, um pombo voou dos Estados Unidos até a Austrália – cerca de 13.000 quilômetros. Beleza, até aí tudo bem. No entanto, a parte chata vem agora: mesmo a ave tendo sobrevoado esses incríveis quilômetros, o pombo, agora, está na mira de autoridades sanitárias do país de destino.

O motivo? Simples… Segundo o portal R7, as autoridades australianas “pretendem matá-lo para evitar riscos com doenças ainda desconhecidas em solo australiano”. A justificativa é plausível, afinal, estamos, até hoje, vivendo uma pandemia. Agora, até o momento, não se sabe se o pombo foi realmente executado. Boa parte da mídia internacional realizou uma cobertura do caso, no entanto, não divulgou o desenrolar dos ovos.

Enquanto cabeças não rolam, publicaremos aqui o que descobrimos sobre o assunto, como, por exemplo, o fato de um pombo estadunidense conseguir pousar em terras australianas.

A chegada da pombo – Olá, Austrália

Segundo uma publicação da revista Planeta, o pombo, batizado de Joe – uma singela homenagem ao novo presidente dos EUA, Joe Biden – é um competidor de columbofilia. Em poucas palavras, a ave é um pombo-correio criado para participar de competições.

O pombo desapareceu do estado de Oregon, costa oeste estadunidense, em outubro de 2020. Após sobrevoar dois meses o Pacífico, o pombo Joe conseguiu pousar em Melbourne, cidade australiana.

Devida as atuais regras impostas no país por conta do novo coranavírus, o pombo representa um “risco de biossegurança direto” – tanto para seus companheiros locais, como para a populaçao – e, por esse motivo, deverá ser submetido à eutanásia.

Conforme noticiou a BBC News, Joe foi avistado, pela primeira vez, na Austrália no dia 26 de dezembro, no quintal de Kevin Celli-Bird. O exato trajeto exato realizado pelo pombo é desconhecido.

Ainda de acordo com a publicação da Revista Planeta, Celli-Bird, configurado como o “anfitrião” australiano de Joe, declarou em entrevista aos meios de comunicação que a ave, quando foi encontrada, “estava em uma condição emaciada”.

Para tentar ajudar Joe a recuperar as forças, Celli-Bird “esmagou um biscoito seco e o deixou lá para ele”.

Origem do pombo

Celli-Bird foi quem batizou o pombo. O anfitrião, após se deparar com a ave, decidiu investigar a origem do animal. Curiosamente, Celli-Bird descobriu que o pombo, que carregava um anel de metal em uma das patas, havia sido registrado por alguém no Alabama, Estados Unidos. O anfitrião, além disso, descobriu também que a ave havia sido vista pela última vez em uma corrida de pombos, que iniciou-se  em um município de Oregon.

Para alguns especialistas, Joe não chegou em território australiano voando. Em entrevista à agência de notícias Associated Press, os profissionais acreditam que a ave “pegou uma carona dos EUA para a Austrália a bordo de um navio de carga que cruzou o Pacífico”.

Job, agora, está sob os cuidados do Serviço de Quarentena e Inspeção australiano.O órgão acredita que o pombo pode ser hospedeiro de microrganismos contagiosos que, resumidamente, podem ser capazes de colocar em perigo a população de aves silvestres e aves domésticas do país. Infelizmente, por conta das atuais circunstâncias, o Departamento de Agricultura declarou que o pombo não é bem-vindo na Austrália.

“Independentemente de sua origem, qualquer ave domesticada que não cumpra o estado de saúde de importação e os requisitos de teste não tem permissão para permanecer na Austrália”, disse um dos representantes do comitê de Agricultura. “O único resultado possível para gerenciar o risco de biossegurança é a destruição humana da ave”.