Notícias

Bebê que ficou 11 dias na fila por UTI recebe alta de hospital após um mês internado

0

Chegou ao fim a história de sofrimento do bebê que ficou 11 dias na fila de espera por um leito de UTI. Após um mês internado, o pequeno Ravi, nascido no dia 14 de maio, enfim, conseguiu receber alta do hospital onde passou praticamente metade de sua vida, em Recife.

Primeiramente, é importante lembrar que o caso aconteceu no meio de uma crise de superlotação de leitos no estado de Pernambuco. Assim, não havia vaga para o bebezinho, que apresentava os primeiros sintomas do que veio a ser diagnosticado como bronquiolite viral aguda, manifestando tosse e coriza.

Devido a isso, o pequeno Ravi foi levado ao pronto-socorro de um hospital particular, ainda por volta da metade de maio. No entanto, a unidade de saúde acabou encaminhando a criança de volta para casa, visto que os sintomas não eram graves.

Período de carência

Vale destacar que um problema no cadastro da criança em um plano de saúde fez com que o bebê entrasse no período de carência, sem poder utilizar os benefícios do convênio.

Foi nesse período que os problemas respiratórios do recém-nascido começaram a se agravar. Assim, Ravi começou a ficar ofegante, o que trouxe uma nova preocupação para os pais.

Novamente, o bebê foi levado à uma unidade de saúde, dessa vez em Caxangá, na Zona Oeste do Recife. Dias depois, ele acabou sendo transferido para o Hospital Barão de Lucena, na mesma região da cidade, onde precisou ser intubado.

Segundo os pais, Ravi não teve acesso a leitos de UTI durante todo esse tempo, enfrentando um atendimento precário. No final de maio, a mãe da criança chegou a receber a terrível informação de que seu filho havia morrido.

No entanto, havia ocorrido uma falha de comunicação e, na realidade, fora um outro bebê, que também estava na fila de espera por um leito de UTI, quem acabou perdendo a vida.

Esperança para Ravi

O bebê Ravi e sua família

Arquivo Pessoal

Sendo assim, após 11 dias de muita angústia e espera, os responsáveis pelo recém-nascido conseguiram achar um leito no Hospital Maria Lucinda, no bairro do Parnamirim, localizado na Zona Norte do Recife.

Durante a internação, ele chegou a precisar de intubação para poder respirar e apresentou um quadro de parada cardiorrespiratória. Contudo, o quadro de saúde de Ravi foi melhorando gradativamente, até o momento em que o bebê recebeu indicação para ir a uma enfermaria. Entretanto, na ala não havia isolamento, o que preocupava os pais do garoto, já que ele poderia ficar exposto a novas infecções.

Para contornar esse problema, durante o período de espera por um leito de UTI, a família do bebezinho conseguiu uma liminar na Justiça. Assim, a liminar permitiu que o menino recebesse tratamento pelo convênio, mesmo diante do erro feito no cadastro do plano de saúde.

Com a autorização da Justiça em mãos, Ravi pôde finalizar o seu tratamento em um hospital particular, com o devido isolamento. Com isso, foi no último sábado, dia 11 de junho, que o recém-nascido finalmente recebeu a tão esperada alta. Agora, a família tenta se recuperar do trauma e dar prosseguimento aos próximos passos para garantir o bem estar do garoto.

A mãe do bebê apontou que ele vai precisar passar por um acompanhamento junto a um pneumologista. Além disso, ele terá um tratamento com uma equipe de fonoaudiologia. Ela também destacou que vai encaminhar a criança para um teste neurológico, a fim de saber se houve algum dano no cérebro do filho, após passar por tanto tempo sedado.

Prestes a completar dois meses de vida, Ravi finalmente poderá se reencontrar com seus dois outros irmãos: uma jovem de 22 anos e um irmãozinho de apenas dois anos de idade.

Fonte: G1

Mães e alunas fazem protesto para que meninas possam participar de futebol em escola de BH

Matéria anterior

Ameaçado de extinção, cachorro-vinagre é encontrado em Mato Grosso

Próxima matéria

Comentários

Comentários não são permitidos