coronavírus é o assunto mais falado e noticiado nos últimos tempos. E também não é para menos, a doença se espalhou para diversos países do mundo e instaurou um alerta global de pandemia. Além do mais, o vírus não escolhe quem infectar.

Os esforços para achar formas de conter o coronavírus estão sendo feitos de todos os lados. E explorando todas as possibilidades possíveis. Um desses esforços são os cães farejadores especializados.

As pessoas que desembarcam no aeroporto de Helsinque, na Finlândia, a partir do começo dessa semana, passarão por um teste de COVID-19 muito mais rápido e um tanto diferente. Uma equipe de cães foi escalada para farejar os passageiros que chegam para ver quais pessoas estão infectadas com o vírus que causa o novo coronavírus.

Se essa tentativa for bem sucedida, isso pode ajudar a se conseguir um método mais eficiente na detecção de pessoas infectadas. E pode ser usado em vários cenários possíveis.

Farejando o vírus

Publicidade
continue a leitura

"Estamos entre os pioneiros. Até onde sabemos, nenhum outro aeroporto tentou usar a detecção de odor canino em tão grande escala contra o COVID-19. Estamos satisfeitos com a iniciativa da cidade de Vantaa. Isso pode ser um passo a mais no caminho para derrotar o COVID-19", disse o diretor do aeroporto Ulla Lettijeff, da empresa de aviação Finavia.

As pessoas que são alérgicas ou tem medo de cachorros não precisam se preocupar. Até porque os passageiros e os animais não terão contato direto. O teste é feito com um lenço que é passado na pele do passageiro e colocado em um copo. Depois disso, o animal, que está em uma cabine separada, cheira a amostra. E então se o cachorro detectar o COVID-19 eles farão um sinal físico.

Ainda não é totalmente claro o motivo de os cães poderem detectar o vírus. Entretanto, um estudo francês descobriu que cachorros treinados para cheirar a diferença entre o suor das axilas de uma pessoa saudável e uma infectada com o novo coronavírus tinham um resultado de 95% de certeza.

Publicidade
continue a leitura

Um estudo alemão descobriu que os cachorros treinados para fazer a mesma coisa, só que com amostras de saliva, tinham uma precisão de 94%. Além desses estudos, os pesquisadores da Faculdade de Veterinária da Universidade de Helsinque disseram que os seus animais podem detectar o COVID-19 em um nível de precisão parecido e de quase 100%.

"Esta pesquisa superou nossas expectativas. Os cães identificaram câncer e outras doenças no passado, mas ficamos surpresos com o quão mais fácil é para os cães localizar o coronavírus",  disse a veterinária Anna Hielm-Björkman, da Universidade de Helsinque.

Animais

Publicidade
continue a leitura

Mas além da precisão tem também o fator da velocidade do teste. Um teste de laboratório leva algum tempo até que o resultado fique pronto. Já os cães podem detectar o vírus antes mesmo dos testes de laboratórios, dias antes de qualquer sintoma aparecer. Isso porque eles exigem uma amostra muito menor, de 10 a 100 moléculas, comparadas aos 18 milhões necessários para os testes de laboratório.

Os passageiros que forem indicados como positivos vão ser encaminhados para uma posto  de informação sanitária no próprio aeroporto. Ao todo, 10 cães estão sendo treinados para essa tarefa. Todos eles tem experiências prévias com detecção de odores. E cada turno será feito por quatro animais.

"Os cães precisam descansar de vez em quando. Enquanto dois cães trabalham, os outros dois estão de folga. O serviço é voltado principalmente para passageiros que chegam de fora do país”, explicou Susanna Paavilainen, da WiseNose , uma empresa especializada no treinamento de cães para detecção de cheiros.

Publicado em: 29/09/20 19h40