Como o sorvete ajudou os Estados Unidos durante as guerras

POR Ana Luiza Andrade    EM História      22/08/17 às 00h56

"A comida ganhará a guerra", disse Herbert Hoover, o primeiro administrador e conselheiro de guerra da U.S. Food Administration (Administração de alimentos dos EUA) durante a Primeira Guerra Mundial. A sua frase ficou célebre e para compensar o esforço, suor e sangue dos soldados que dedicavam suas vidas em prol da nação, rapidamente o número de exportação de alimentos foi triplicado durante esse período.

Mais de 18 toneladas de comida foram enviadas para os campos de batalha apenas no primeiro ano da guerra. E isso incluía o sorvete, considerada uma das "armas secretas" da guerra e largamente utilizado pela indústria militar nas décadas seguintes.

A ideia é que os solados precisavam não somente de calorias, largamente encontradas no sorvete, mas também de conforto e prazer.

Em maio de 1918, segundo a revista The Atlantic, um editorial publicado pela "The Ice Cream Review" incentivava o alto consumo da sobremesa nos campos de batalha.

"Nesse país todo hospital utiliza o sorvete como uma comida e os médicos não saberiam o que fazer sem eles. Mas e quanto aos nossos jovens feridos e doentes na França? Eles precisam ficar na cama desejando uma velha e boa taça de sorvete? Eles estão lá até agora pelo sorvete e o sorvete é um tabu na França. Está clara a obrigação do General Cirurgião ou de outros oficiais de exigirem o próximo fornecimento", diz o editorial apelativo.

Depois disso, o sorvete foi promovido ou desencorajado pelos americanos de acordo com a situação do país.

O próprio Hebert Hoover, conselheiro de guerra no setor alimentício, chegou a declarar que o o sorvete não era tão essencial para os feitos militares quando o estoque de açúcar nos Estados Unidos começou a ficar crítico em 1918.

Mas no final da década era praticamente desenfreado o consumo desse "alimento".

Os americanos já estavam apaixonados pela sobremesa e consumiam mais de um milhão de galões de sorvete por dia.

Uma vez que fora associado ao conforto, à diversão, lado a lado do efeito proporcionado pelo álcool.

Durante a Segunda Guerra Mundial o produto foi novamente banido dos suprimentos enviados aos combatentes.

Os britânicos até tentaram convencê-los de comer cenouras no palito, mas os hábitos alimentares dos americanos já estava corrompido pelo açúcar.

O que se conta é que em 1942, durante o ataque japonês ao porta aviões da marinha dos Estados Unidos, o U. S. S. Lexington, antes que uma das aeronaves fosse à pique, os soldados trataram de comer todo o sorvete disponível no freezer.

As barras de chocolate enviadas derretiam no caminho, o que os soldados faziam? Misturavam o chocolate ao gelo, com o objetivo de improvisarem o seu próprio sorvete.

Apenas em 1945, a marinha americana gastou mais de US$ 1 milhão de dólares para distribuir sorvete pelo Pacífico.

Além disso, o exército americano tratou de construir pequenas empresas de sorvete diante dos frontes, o que resultou num gasto de mais de US$ 135 milhões de sorvete desidratado por ano.

Durante a Guerra da Coréia, um dos generais tentou convencer o Pentágono de que o sorvete era "comida de mariquinhas", e que os soldados poderiam ser mais eficientes se ingerissem produtos "másculos" como cerveja e whiskey.

A tática não funcionou. O sorvete já estava profundamente enraizado no paladar americano. E o Pentágono respondeu oficialmente que todos os soldados deveriam ser servidos no mínimo, três vezes por dia, pela iguaria.

No livro "Tudo depende do jantar: A história extraordinária e a mitologia, a sedução e as obsessões, os perigos e tabus das refeições ordinárias" de Margaret Visser, tentam esclarecer o forte apelo que o sorvete sugestiona nos seres humanos.

De acordo com a pesquisadora, a sobremesa é capaz de induzir a nostalgia.

Primeiro porque ela remete à memórias de infância, porque ele "faz as pessoas se sentirem jovens e ao menos temporariamente seguras e inocentes", ela explica à revista The Atlantic.

O segundo tipo de nostalgia refere-se ao fato de que o doce, especialmente do sorvete, é capaz de transportar as pessoas para um outro tipo de lugar e memória, como por exemplo, a casa desses militares, há milhares de quilômetros de distância.

O luxo de se comer um sorvete todos os dias, especialmente durante a guerra, com toda certeza proporcionava um prazer especial aos soldados, como se fosse sempre, a última refeição.

Essa arma doce e secreta dos Estados Unidos, com toda certeza era um fenômeno muito mais psicológico e emocional do que físico.

De qualquer maneira, os soldados acreditam na potencialidade de sua força e nenhuma guerra americana acontece desde então, sem que um pote de sorvete esteja ao alcance dos militares.

Achou interessante a matéria? Então não esqueça de deixar o seu comentário e aproveite para compartilha-la com seus amigos.

Ana Luiza Andrade
EQUIPE FATOS DESCONHECIDOS, BRASIL

Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.
Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+