CuriosidadesMundo Animal

Considerada extinta desde 2000, filhotes de arara-azul nasceram no Brasil

0

O reino animal é mesmo fascinante. Uma explosão de cores, de diversidade, de características próprias e únicas. Assim como os seres humanos, eles também têm “personalidade”, se comportam de maneira distinta, são capazes de se adaptar às situações mais adversas. Sem eles, a vida do ser humano não seria possível.

O reino dos animais é extremamente vasto. Estima-se que existam mais de 7 milhões de espécies em todo o planeta. Embora se tenha catalogado apenas cerca de 950 mil até o momento. Por ser tão diverso, é claro que nem tudo foi descoberto a respeito dele. E conforme o tempo passa, coisas novas vão surgindo.

Em suma, existe muito o que descobrir e é isso que move diversos estudiosos. O mundo natural tem um enorme valor. Algo inestimável. Assim, toda ação da humanidade causa um grande impacto na possibilidade de preservá-lo ou destruí-lo.

Principalmente devido às atividades de caça ilegal, ou às graves alterações em seu habitat natural, algumas espécies acabam não resistindo e sucumbem ao seu cruel destino: extinção. A lista de animais ameaçados cresce a cada ano. Contudo, alguns animais acabam surpreendendo pesquisadores e conseguem sair dessa triste lista.

Arara-azul

Um exemplo disso foi o nascimento dos primeiros filhotes de ararinha-azul. Nasceram em abril desse ano, no Brasil. Foram reproduzidos por um casal que veio entre 52 exemplares repatriados de um criatório na Alemanha, no ano passado.

Se comemorou o nascimento desse novo filhote justamente porque ele marcou um capítulo importante na tentativa de reintrodução da espécie na natureza. Afinal, a ararinha-azul foi declarada extinta em solo nacional desde 2000. Esse foi o ano em que se avistou a última ave no ambiente natural.

Ameaçada de extinção

O desaparecimento dos animais pode ter vários fatores. No caso da ararinha-azul, a sua extinção estava relacionada ao tráfico de animais e à perda do seu habitar.

“Essa alteração pode chegar ao ponto que o ambiente já não é mais educado para a existência da espécie. Infelizmente, grande parte da perda de habitat é causada pela ação humana”, explicou Cristina Yumi, professora do Instituto de Biociências da USP.

Então, para proteger a espécie, as ararinhas-azuis foram mantidas na “Association for the Conservation of Threatened Parrots (ACTP)”. É um cativeiro alemão que fez uma parceira com o governo brasileiro.

Agora, a repatriação desses pássaros faz parte do Plano de Ação Nacional para a Conservação da Ararinha-Azul, coordenado  pelo Instituto Chico Mendes de Conservação e Biodiversidade (ICMBio).

Nascimento

O nascimento desse filhote, em 2021, na Caatinga da Bahia, pode ser considerado um verdadeiro sucesso do plano. “Esse sucesso reprodutivo depende de condições nutricionais e de saúde de cada indivíduo e, no caso de algumas espécies, é necessário também que os indivíduos tenham compatibilidade”, disse Cristina.

Segundo ela, essas aves precisam ter alguma ligação afetiva. “Às vezes, a reprodução não tem sucesso porque o par não se gosta”, ressaltou. Agora, essas ararinhas-azuis devem passar por um processo de reintrodução na natureza. Isso inclui o período de quarentena para que elas façam uma adaptação e treinamento.

Como acontece um divórcio na Família Real Britânica?

Matéria anterior

Esses são os 25 destinos mais promissores para quem tem planos de viajar

Próxima matéria

Comentários

Comentários não são permitidos

Você também pode gostar