• MAIS LIDAS
  • QUIZ
  • VÍDEOS
  • ANUNCIE

Entenda como essa bolha pode destruir o universo

POR Natália Pereira    EM Ciência e Tecnologia      10/04/18 às 18h53

Várias teorias já foram desenvolvidas com o objetivo de descobrirem como e quando o Universo irá deixará de existir e mais uma delas acaba de ganhar destaque. Aparentemente, o causador de todo o fim será uma bolha cósmica que, em determinado momento, irá sugar tudo aquilo que estiver em seu caminho. O estudo que fez essa nova abordagem foi publicado no dia 12 de março deste ano (2018), na revista 'Physical Review D', e tem ganhado grande repercussão desde então.

De acordo com eles, essa bolha será criada como uma consequência dos instantons - um fator da física subatômica. Aparentemente, esse processo é inevitável e é apenas uma questão de tempo até que ela se forme. E, no momento em que isso acontecer, ela se expandirá tão rapidamente quanto a velocidade da luz, dizimando tudo aquilo que entrar em contato com ela. Esse será o fim de toda a vida e até mesmo da química como a conhecemos hoje.

Os instantons

Pelo que se sabe, os instantons são a solução para as equações que governam o movimento de minúsculas partículas subatômicas. Mas, na verdade, a maior parte dele permanece um mistério. O físico chefe do estudo, Anders Andreassen, que foi promovido pela Universidade de Harvard, fez uma comparação com o fenômeno dos tunelamentos quânticos. Esse fator consiste em uma partícula que desafia a física a passar por uma barreira impenetrável. E, por outro lado, os instantons formam uma bolha no centro do campo de Higgs - aquele que dá massa a tudo e possibilitou a origem do bóson de Higgs.

Apesar desse fenômeno não estar nem próximo de acontecer, já que eles estimam que o Universo ainda sobreviva por cerca de 10 e quinze quinquadraguintilhões de anos (um número com 139 zeros) ou 10 octodecilhões de anos (um com 58 zeros), a bolha provavelmente não se formaria se não fosse pela massa do bóson de Higgs juntamente com a de outra partícula chamada quark top. Se ambas as partículas fossem mais leves o Universo estaria livre desta bolha mortal. Mas, outra afirmação diz que está é apenas uma das possibilidades e que outra delas diz que a bolha já pode ter se formado e está vindo em nossa direção neste momento.

Outras observações

Mesmo com todas essas colocações abordadas pelos pesquisadores de Harvard, há quem descorde da teoria. Um professor de física e pesquisador da Universidade de Catania, na Itália, chamado Vincenzo Branchina, afirmou que os cientistas responsáveis pelo estudo estavam sendo imprudentes. De acordo com ele, a equipe teria se comprometido apenas com o modelo padrão da física e ignorado alguns fatores importantes. Tais como a gravidade quântica e a matéria escura. Ele também coloca que, como esses dois fatores permanecem um mistério até o momento, não seria possível prever o fim do Universo desta forma.

Aparentemente, os cientistas ainda tem muito o que descobrir a respeito do assunto e nem todos concordam com a abordagem feita no estudo. Mas e aí, o que você achou? Acredita que esse pode ser o causador do fim do Universo assim como o conhecemos?

Próxima Matéria
Via   HypeScience     LiveScience  
Imagens Aif Aif Meteovesti
Natália Pereira
EQUIPE FATOS DESCONHECIDOS, BRASIL
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.


Matérias selecionadas especialmente para você

Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+