• MAIS LIDAS
  • QUIZ
  • VÍDEOS
  • ANUNCIE


Entenda porque um homem na Alemanha tinha o sangue branco

POR Toni Nascimento    EM Curiosidades      27/02/19 às 19h49

Até que ponto pode ser o sangue de um ser humano? Normalmente, nós diferenciamos um do outro pela cor (do vermelho mais claro ao vermelho quase roxo) e também pela espessura (mais ralo até mais grosso). Apesar de diferentes, quase sempre as variedades não impressionam por seguir um padrão bem delineado.

Mas no caso desse homem em específico, o seu sangue era diferente do habitual. Um homem de 39 anos chegou ao Hospital Universitário de Colônia, na Alemanha, com o sangue quase completamente branco, muito semelhante a leite.

O sangue do homem estava muito espesso, tudo isso devido à quantidade de gordura que ele tinha na veia. O relatório, publicado no Annals of Internal Medicine, afirmou que o paciente teve hipertrigliceridemia, doença marcada pelos altos níveis de moléculas de triglicerídeos gordurosos no sangue.

Os médicos afirmaram nunca terem visto nada igual durante todo o seu tempo de carreira. Além disso, não é só um aspecto feio do sangue branco: o homem poderia ter morrido por causa daquele estado.

Sangue branco

A primeira reação dos médicos, ao descobrir qual era o problema, era realizar uma plasmaferese, técnica que filtra os triglicérides e outras substâncias do plasma. Contudo, esse método não funcionou para o homem.

Em média, o nível normal de triglicérides no sangue é inferior a 150 miligramas por decilitro (mg / dL). Uma leitura alta seria de 200 a 499 mg / dL, enquanto 500 mg / dL seria considerada uma taxa "muito alta". O homem estava completamente congestionado, com uma contagem que chegava a 36 vezes mais alta: cerca de 18.000 mg / dL.

Os sintomas do homem eram náuseas, dor forte na cabeça, enjoo e agonia. Isso levou à conclusão que ele estava com Síndrome da Hiperviscosidade. Acontece que os médicos têm quase certeza que isso foi fruto da obesidade do homem, junto à diabetes que ele tinha.

Para fazer a desobstrução das veias, os médicos escolheram um procedimento do século 18, não mais usado habitualmente. Trata-se da sangria terapêutica, que retira sangue do corpo como se fosse para doação, mas descarta o líquido.

A sangria

A sangria era usada, inicialmente, há três mil anos atrás, no Egito Antigo. Acontece que ela é considerada uma pseudociência, e ao longo do tempo, trouxe mais danos do que benefícios aos pacientes. No caso do alemão, acabaram retirando dois litros de sangue do homem, substituindo-o por um suprimento concentrado de hemácias, plasma fresco congelado e uma solução fisiológica salina.

O resultado foi completamente benéfico ao homem, uma vez que, no quinto dia de internação, o paciente estava livre de todos os sintomas neurológicos residuais. Para a equipe médica, esse caso mostra como a retirada de sangue ainda pode preencher um nicho na medicina do século 21, quando não há outras opções disponíveis.

"Se a plasmaferese não pode ser feita devido à extrema hiperviscosidade, nossa experiência demonstra que a sangria com a substituição convencional pode ser uma alternativa eficaz. Até onde sabemos, este é o primeiro relatório a descrever este procedimento",  explicaram os pesquisadores em nota e no texto citado no início da matéria.

E aí, o que você achou dessa matéria? Comenta aqui com a gente e compartilha nas suas redes sociais. Para você que está chocado, aquele abraço.

Próxima Matéria
Via   Science Alert  
Imagens Todo Estudo
Toni Nascimento
Nerd, mas principalmente amante do cinema. Mais em @nascimento_toni
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.


Matérias selecionadas especialmente para você

Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+