Não é preciso de muita explicação para entender o motivo pelo qual Christian Louboutin é conhecido com rei do salto alto. Dessa forma, apenas pegando uma exposição recente feita em Paris como exemplo, temos mais de 400 modelos de sapatos criados pelo designer. Chamada de "L'Exhibition[nist]", a exposição revela que há muito mais por trás de suas criações, revelando seu estilo único de criação.

Em 1991, Louboutin abriu sua primeira loja na Rue Jean-Jacques Rousseau. Dito isso, uma de suas primeiras clientes foi ninguém mais, ninguém menos que a princesa Caroline de Mônaco. Depois disso, o designer vendeu para artistas como Jennifer Lopez, Tina Turner, Beyoncé, Sarah Jessica Parker e Blake Lively. Além disso, uma linha masculina, lançada em 2010, e que foi vendida para artistas como Leonardo DiCaprio.

Existem 150 lojas Christian Louboutin ao redor do mundo

Publicidade
continue a leitura

Em 2006, o estilista também lançou uma coleção de bolsas. Depois disso, em 2014, foi a vez de uma linha de produtos de beleza. Ao todo, entre sapatos, bolsas e produtos de beleza, existem 150 lojas Christian Louboutin em todo o mundo. Sendo assim, para Louboutin, um dos maiores incentivos que ele recebeu foi a liberdade dos pais. "Meus pais proletários eram da Bretanha. Eu tive uma ótima infância, mas gostava de fugir da rotina. Muitas vezes eu matava aula na escola e fui expulso", afirma Louboutin.

Com apenas 10 ano, Louboutin começou a desenhar sapatos. Dito isso, seu interesse pela área surgiu quando viu um museu proibindo o uso de salto alto no local. Na placa, havia um típico salto alto dos anos 1950 e um risco vermelho, proibindo o seu uso. Todas aquelas cores e o risco do proibido atraíram Louboutin. Mas, na verdade, o que o atraiu de verdade era o sapato. "Mais do que me sentir atraído por coisas proibidas, fui atraído pelo cartaz por motivos estéticos", afirma. "Me ocorreu que a maioria dos objetos começa a vida como um desenho", completa.

Publicidade
continue a leitura

Quais são as influências do rei do salto alto?

Publicidade
continue a leitura

Na infância, Louboutin frequentou muitos cinemas e os filmes foram uma grande inspiração.  "Fiquei fascinado pelos filmes egípcios e de Bollywood que passavam", afirma. Enquanto isso acontecia, o designer descobriu que era filho de um homem egípcio com o qual sua mãe mantinha um caso. "É engraçado porque eu fantasiava na infância que tinha sido adotado, já que minha pele era mais escura do que a das minhas três irmãs loiras. Então foi uma surpresa agradável", completa.

Ainda no cinema, Louboutin se lembra com carinho de filmes como Duas Garotas Românticas (1967), de Jacques Demy e The Pink Narcissus (1970), de James Bidgood. Em outras obras, temos referências mais diretas, como é o caso do sapato Marie-Antoinette, de 2008, uma cocriação com a bordadeira francesa Jean-Francois Lesage. "Eu estava com o filme da Sofia Coppola, Maria Antonieta (2006), na cabeça, com suas cores fortes e vibrantes. Essa criação envolveu várias técnicas e materiais, incluindo um tipo de bordado chamado cannetille, que usa um fio metálico fino, tecido de musseline e pérolas", afirma. "Meus primeiros desenhos eram mais arrumados, enfeitados. Agora, tendo a optar pela simplicidade, por designs mais descobertos, que enfatizem o formato das pernas. Passei do bem-vestido ao despido", completa.
Publicado em: 25/09/20 13h24