Esse homem tem paralisia do sono e recriou seus sonhos em imagens, o resultado é aterrorizante

POR Júlia Marreto    EM Ciência e Tecnologia      16/02/17 às 09h51

O fotógrafo Nicolas Bruno passa os dias como qualquer um de nós, mas suas noites são completamente diferentes. São terríveis. Nicolas tem 22 anos e sofre com paralisia do sono há 7, o que significa que ele experimenta seus pesadelos de maneira mais vívida do que as outras pessoas.

Precisamos lembrar que não temos o intuito de criticar, julgar, muito menos impor verdades absolutas. Nosso objetivo é único e exclusivo de informar e entreter. Por isso, o conteúdo dessa matéria se destina a aqueles que se interessarem e/ou identificarem.

A paralisia do sono é um transtorno que acontece logo ao acordar ou quando se está adormecendo. Esse transtorno impede que a pessoa consiga mexer o corpo, mesmo quando a mente está acordada. Dessa maneira, a pessoa está acordada, mas não consegue se mexer, o que causa medo, angústia e terror.

"Isto acontece porque durante o sono o cérebro relaxa todos os músculos do corpo e mantém-nos imóveis para que se possa conservar energia e evitar movimentos bruscos durante os sonhos."

Quando há uma falha de comunicação entre o cérebro e o corpo durante o sono, o cérebro pode demorar a devolver os movimentos para o corpo, originando um episódio de paralisia do sono.

É comum que nesse momento a pessoa tenha alucinações, mas elas acontecem por causa do medo e ansiedade causados pela falta de controle do próprio corpo. Algumas pessoas escutam barulhos estranhos, que são justificados com o movimento dos músculos do ouvido. Apesar de poder acontecer em qualquer idade, a paralisia do sono é mais comum em adolescentes e jovens entre 20 e 30 anos. Está relacionada aos hábitos constantes de pouco sono e excesso de estresse.

A paralisia dura questão de segundos ou minutos. Para sair mais rapidamente desse "transe" a pessoa precisa pensar de maneira lógica e focar sua energia para movimentar os músculos; ou quando alguém toca nela.

Como esse transtorno está ligado aos maus hábitos, para ser evitado a pessoa pode tentar algumas estratégias, como dormir entre 6h a 8h por noite; ir para a cama sempre no mesmo horário; acordar todos os dias no mesmo horário; evitar bebidas energéticas antes de dormir.

Na maioria dos casos a paralisia surge uma ou duas vezes ao longo de toda a vida, mas quando acontece mais de uma vez por mês o indicado é procurar um especialista.

Alguns sintomas são: não conseguir mover o corpo, apesar de supostamente estar acordado; sensação de falta de ar; sensação de angústia e medo; sensação de estar caindo ou flutuando sobre o corpo; alucinações auditivas como ouvir vozes; sensação de afogamento.

Para que seja possível ter uma ideia de como são essas sensações, nós aqui da redação da Fatos Desconhecidos selecionamos essas imagens do fotógrafo Nicolas Bruno, nas quais ele recria seus próprios pesadelos durante a paralisia do sono. Confira:

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

Então pessoal, o que acharam das imagens? Já pensaram em acordar e ver alguma dessas coisas acontecendo, sentindo como se elas fosse reais? Conhecem alguém que tem paralisia do sono? Como é para essas pessoas? Encontraram algum erro na matéria? Ficaram com dúvidas? Possuem sugestões? Não se esqueçam de comentar com a gente!

Júlia Marreto
É a dona de um coração esculpido pela literatura e preenchido pelos bons vinhos de Baco. Guiada nas artes da vida por Ares, possui a discreta delicadeza de um elefante pulando carnaval numa loja de cristais! Movida diariamente pelo combustível da vida: o café, essa garota possui raízes profundas na poesia da vida. É muito séria, mas sabe brincar na hora certa. Ama os animais e detesta filme de terror. Apesar de cantar mal, canta com sentimento. E adora musicais! Sua principal tentativa desportiva é o baralho. Ela gosta mesmo é de coisas antigas, apaixonada pela vida e sonha com o universo. Instagram: juliamarreto

Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.
Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+