CuriosidadesHistória

Esses são os dioramas mais macabros do século 17

0

Você já ouviu falar sobre os dioramas do século 17? Aliás, sabe o que é um diorama? Ele pode ser:” 1. pint. quadro de grandes dimensões que, submetido a luzes especiais, muda de aspecto, forma e cor, criando-se efeitos tridimensionais e de movimento; 2. p. ext. panorama, paisagem; 3. lud câmara escura com um orifício, através do qual são vistas figuras numa tela translúcida e iluminada; 4. museo/ representação de uma cena, onde objetos, esculturas, animais empalhados, etc. inserem-se em um fundo pintado realisticamente.”

Com certeza você já deve ter visto algum e nem sabia de que esse era o nome, e se sabia, melhor ainda. Pois bem, no século 17 alguns cientistas queriam fazer o intercâmbio entre a medicina e a ciência com a arte. Para isso, utilizaram cadáveres humanos, inclusive de bebês. Mas eles tinham um objetivo, o de mostrar a beleza da vida, e da morte.

O alemão Frederik Ruysch foi a figura mais representativa desse movimento, que tinha como justificativa de seu trabalho a seguinte premissa: “faço isso para preservar a dignidade do que uma vez foi a casa da alma”. Em suas obras podemos observar esqueletos adultos e fetos, juntamente com tecidos animais e outros elementos da natureza, além de jóias e ornamentos.

V0005157 Frederik Ruysch. Mezzotint by P. Schenck after J. Pool. Credit: Wellcome Library, London. Wellcome Images images@wellcome.ac.uk https://wellcomeimages.org Frederik Ruysch. Mezzotint by P. Schenck after J. Pool. Published: - Copyrighted work available under Creative Commons Attribution only licence CC BY 4.0 https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/

Por mais que nos possa parecer algo mórbido, essas peças eram expostas em museus, cujo influxo nada era negligenciável. E, ao contrário do que muita gente possa pensar, essa arte atraía um público culto e refinado. Estando nada longe da realidade. Também visitavam essas “mostras” líderes políticos, advogados…

O anatomista alemão sempre foi um amante da natureza e, por conta desse amor, ele não entendia como funcionava a separação entre a grandeza da vida e da morte. Afinal de contas, se fazem parte de um único ciclo, por que devem estar separadas? Para conseguir apreciar a obra de Ruysch é preciso ter em mente que esses dioramas aparecem no período Barroco (entre o final do século 16 e meados do século 18), quando havia um grande fascínio pela morte, momento em que o homem se encontrava com Deus e a verdadeira vida.

Resultando num sentimento de paz e alívio, e não de medo. É o momento em que se encontra a eternidade, finalmente se chega à própria origem, ao seu lugar. Pode até parecer uma das mais estranhas manifestações artísticas da humanidade, mas pode ser sábio olhar para o passado com uma mente aberta, para que se possa compreender.

Veja alguns dos trabalhos de Ruysch:

02

03

04

05

V0007843 The ear and the temple after Duverney, Valsalva and Ruysch. Credit: Wellcome Library, London. Wellcome Images images@wellcome.ac.uk https://wellcomeimages.org The ear and the temple after Duverney, Valsalva and Ruysch. Engraving by Benard, late 18th century. after: Jean Le Rond d' Alembert and Denis Diderot and Robert Bénard and Frederik Ruysch and Guichard Joseph Duverney and Antonio Maria ValsalvaPublished: - Copyrighted work available under Creative Commons Attribution only licence CC BY 4.0 https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/

07

08  11

Então pessoal, o que acharam da matéria? Encontraram algum erro? Ficaram com dúvidas? Possuem sugestões? Não se esqueçam de comentar com a gente!

Coloque um prendedor de roupa na ponta da sua orelha e veja o que acontece

Matéria anterior

12 fatos terríveis que podem arruinar o seu dia ou a sua semana

Próxima matéria

Comentários

Comentários não são permitidos

Fatos Desconhecidos Nós gostaríamos de enviar notificações dos últimos conteúdos e atualizações que fazemos.
Dismiss
Allow Notifications