Notícias

Grávida falsa tenta entrar no Brasil com sementes de maconha na barriga

0

Uma mulher do Paraguai tentou enganar policiais federais ao entrar no Brasil com sementes de maconha na barriga, simulando estar grávida. Como resultado, ela foi presa em Foz do Iguaçu, no oeste do Paraná.

A suspeita de tráfico estava em um ônibus e a prisão ocorrer na última quinta-feira (19), conforme relata o G1. Assim, em um vídeo gravado pela Polícia Federal, é possível ver o momento em que a falsa grávida retira a barriga.

A Polícia Federal informou que estava fazendo vistorias de veículos passando na BR-277, quando abordou um ônibus que viajava de Foz do Iguaçu com destino Porto Alegre, no Rio Grande do Sul.

Dessa forma, durante a vistoria dos agentes, que ocorreu no início da tarde, um cão farejador identificou o transporte de entorpecentes e apontou para uma das passageiras. A mulher estava sentada nas últimas poltronas, que é onde o cão percebeu a irregularidade. Logo, foi necessária verificação mais apurada.

Sendo assim, a Polícia Federal retirou a mulher do ônibus e pediu que ela levantasse a blusa. Nesse momento, viram que ela usava uma cinta abdominal, que escondia uma sacola com cerca de 6 quilos em sementes de maconha.

“Ao levantar a blusa de frio, constatou-se que a passageira usava uma cinta abdominal e que ao retirar havia uma sacola plástica contendo sete pacotes com 6.170 gramas de semente de maconha”, informou a assessoria da PF.

Após o ocorrido, prenderam a mulher e a levaram para a Delegacia de Polícia Federal de Foz do Iguaçu, onde a encaminharam para os próximos passos, como a lavratura do flagrante da estrangeira.

Homem transporta mais de 50 kg de maconha no Paraná

Ainda no tráfico que ocorre no estado do Paraná, um homem foi preso em flagrante pela Polícia Rodoviária Federal, na Ponte Ayrton Senna, em Guaíra. Assim, ele estava transportando, em um veículo GM/Meriva, 68 tabletes de maconha, que contabiliza cerca de 51 quilos.

Por tal crime, ele recebeu condenação de pena de 4 anos, 10 meses e 10 dias de reclusão. A pena deve ser cumprida inicialmente em regime fechado. Ele também foi condenado ao pagamento de 475 dias-multa pela prática do crime tráfico interestadual de entorpecentes.

No recurso da apelação, o réu pediu a redução da pena por causa da confissão espontânea, bem como a incidência da causa especial de diminuição prevista no art. 33, § 4.º, da Lei 11.343/06. Pleiteou também a alteração do regime prisional e a substituição da pena privativa de liberdade por restritivas de direitos, de acordo com o Tribunal de Justiça do Paraná.

Mansão do tráfico

Reprodução

Já em Pinheiros, São Paulo, a Polícia Civil encontrou uma casa de luxo usada para vender drogas a um público seleto. De acordo com os policiais, os traficantes vendiam uma “maconha gourmet” que custava cerca de R$ 30 mil o quilo.

Sendo assim, alguns vizinhos estavam suspeitando de práticas ilegais na casa, visto que viam diversos carros de luxo entrando no local. Além disso, quase todos os dias havia festas na mansão.

Maconha no Brasil

Brasileira fala sobre trabalho em fazenda ilegal de maconha nos EUA

Unsplash

Por mais que muitos países já tenham legalizado o consumo de maconha, o Brasil ainda criminaliza o entorpecente. No entanto, em junho de 2021, a comissão especial da Câmara dos Deputados que analisou o Projeto de Lei 399/15 aprovou parecer favorável à legalização do cultivo no Brasil.

Porém, os fins seriam medicinais, veterinários, científicos e industriais. Dessa forma, a proposta foi aprovada na forma do substitutivo apresentado pelo relator, deputado Luciano Ducci (PSB-PR), ao texto original do deputado Fábio Mitidieri (PSD-SE). Por causa do caráter conclusivo, o texto pode seguir direto para o Senado, mas ainda haverá recurso para análise em Plenário.

O texto base recebeu 17 votos favoráveis e 17 contrários. O desempate em favor da aprovação foi do relator, conforme determina o Regimento Interno da Câmara.

Fontes: Estadão, Yahoo

Família encontra a cobra da vizinha dentro de gaveta em Goiânia

Matéria anterior

Indígena e pesquisador brasileiro ficam entre 100 mais influentes da Time

Próxima matéria

Comentários

Comentários não são permitidos