• MAIS LIDAS
  • QUIZ
  • VÍDEOS
  • ANUNCIE


A história emocionante de William Kamkwamba, que serviu de inspiração para o filme da Netflix

POR Cristyele Oliveira    EM Compartilhando coisa boa      12/03/19 às 15h08

Se você está procurando um filme com uma bela lição de vida, força de vontade, determinação, e que te faça pensar sobre o que é realmente importante, a Netflix tem uma nova produção que se encaixa em todos esses requisitos. "O Menino que Descobriu o Vento" é um filme que tem emocionando muitas pessoas pela sensibilidade, que fica ainda mais marcante por se tratar de uma trama real.

O filme conta a história real de William Kamkwamba, que aos 14 anos, em meio à pobreza e fome no Malaui, na África, com a ajuda de um livro de ciências, criou um moinho de vento para fornecer energia à casa da sua família e assim ajudar a sua cidade com o plantio durante a seca.

O filme

O filme marca a estreia do ator britânico Chiwetel Ejiofor como diretor. Além de dirigir, Ejiofor, que protagonizou o filme ganhador do Oscar, 12 Anos de Escravidão, também interpreta o pai do protagonista, que é representado pelo jovem ator Maxwell Simba.

O personagem real usou materiais encontrados no lixo e alguns livros de ciência para desenvolver uma turbina eólica para fornecer energia para sua casa. Depois, em meio à crise de seca e fome que se abateu sobre o pequeno vilarejo em que ele morava, ele construiu uma bomba de água movida a energia solar, o que possibilitou o abastecimento de água para toda a vila.

A história é baseada na autobiografia de William, que foi lançada em 2014. No livro, ele conta que sempre gostou de inventar coisas a partir do que encontrava no lixo, já que era a sua única fonte de material. Com a seca, sua família enfrentou muitas dificuldades financeiras e ele foi obrigado a deixar a escola. Foi exatamente nesse período em que ele se apegou à biblioteca precária da escola, que ele frequentava escondido por não ter condições de pagar. Ele tinha muito interesse pelos livros de ciências, e em particular os de física, em um desses livros explicava como um moinho de vento poderia bombear água e até mesmo gerar eletricidade. Foi esse livro que mudou para sempre o destino de William. "Bombear água significava irrigação. Uma defesa contra a fome, pela qual nós estávamos passando naquela época", conta ele em uma de suas palestras.

O personagem real

William Kamkwamba, hoje com 31 anos, nasceu em uma família de camponeses na vila de Kasungu, no Malaui. O menino viveu sempre em uma situação de pobreza, mas em 2001, quando tinha 14 anos, a situação se complicou. Foi uma época em que muitas pessoas morreram de fome no seu vilarejo e sua família passou a se alimentar apenas uma vez por dia. Foi quando, ele foi capaz de mudar a vida daquelas pessoas com uma simples invenção à base de sucata.

A história de William foi parar nos jornais locais em 2006, e no ano seguinte, e se apresentou em uma conferência TED na Tanzânia. Depois da sua palestra sobre como ele construiu um moinho de vento que salvou a sua vila da fome, sua história chamou a atenção de empresários que se propuseram a financiar os estudos do rapaz. Após terminar o ensino médio, William ingressou em uma universidade ainda na África, e posteriormente, conseguiu uma bolsa de estudo nos Estados Unidos, onde ele se graduou em Estudos Ambientais, na prestigiada Universidade de Darthmouth.

O Menino que Descobriu o Vento é uma é uma história real com várias lições preciosas, a principal delas talvez seja a importância da educação e o poder da união em tempos de crise. Não se trata de um filme feliz, e fica difícil não se emocionar em alguns momentos cruciais da história.

E você, já assistiu ao filme? Conta para a gente o que você achou da história de William.

Próxima Matéria
Via   Metro     Geledes  
Cristyele Oliveira
EQUIPE FATOS DESCONHECIDOS, BRASIL
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.


Matérias selecionadas especialmente para você

Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+