Notícias

Nasa deve enviar mais dois helicópteros para Marte

0

A Nasa, agência espacial norte-americana, deve lançar outros dois mini-helicópteros para Marte em uma missão que deseja retornar amostras científicas do solo marciano à Terra.

No ano de 2021, o mini-helicóptero Ingenuity fez o primeiro voo motorizado e controlado no planeta vermelho. A ação fez parte de uma estratégia da agência para avaliar as condições de voo no planeta.

Após isso, o Ingenuity fez cerca de 30 voos experimentais. Atualmente, a Nasa e a ESA, a agência espacial europeia, planejam construir e lançar no final desta década dois equipamentos parecidos que trarão para o nosso planeta amostras de rochas e solo de Marte.

Caso tudo ocorra como o planejado, até 30 amostras seriam coletadas em 2031 e chegariam à Terra em 2033.

O programa Mars Sample Return (Programa de Retorno de Amostras de Marte, em tradução livre) está na fase final do seu projeto de design, após ser feita revisão da estratégia inicial de lançamento.

Antes, a Nasa desejava levar um novo robô para Marte que seria construído pela ESA. Ele transportaria os materiais científicos coletados pelo Perseverance (robô lançado junto com o Ingenuity) até um foguete ser fabricado pelos americanos.

No entanto, agora, a missão pretende fazer com que o Perseverancese desloque por conta própria até o módulo de pouso onde o foguete estará estacionado.

Helicópteros em ação

Foto: Nasa

Já em relação aos novos helicópteros, eles entram em cena se o robô falhar nessa tarefa. Esses dois equipamentos, que estão em fase de construção, carregariam as amostras do Perseverance.

De acordo com o diretor do programa da Nasa, Jeff Gramling, em entrevista à Associated Press, cada helicóptero está sendo projetado para transportar um tubo de amostra do robô por vez. Por causa disso, ele fará diversas viagens de ida e volta.

“Temos confiança de que podemos contar com o Perseverance para trazer as amostras de volta e adicionamos os helicópteros como uma espécie de plano B”, afirma Gramling.

As agências esperam que essa estratégia diminua a complexidade de futuras missões a Marte. Além disso, a expectativa é que a ação aumente a probabilidade de sucesso do programa espacial.

“Existem algumas mudanças significativas e vantajosas no plano, que podem ser atribuídas diretamente aos sucessos recentes do Perseverance em Jezero [uma cratera do planeta que já foi um lago há bilhões de anos] e ao incrível desempenho do nosso helicóptero em Marte”, afirmou Thomas Zurbuchen, diretor de missões científicas da Nasa.

NASA descobre origem do “espaguete” em Marte

Foto: Nasa/ JPL-Caltech

Recentemente, a Nasa informou que descobriu a origem de um curioso objeto fotografado no solo de Marte, que parece um punhado de espaguete. De acordo com Justin Maki, cientista de imagens e investigador principal adjunto do Mastcam-Z no Laboratório de Propulsão a Jato da NASA, trata-se de destroços do equipamento utilizado no processo de “Entrada, Descida e Pouso” (EDL) no planeta.

Logo após o pouso, o equipamento de EDL, incluindo a plataforma SkyCrane, que baixou o rover até a superfície, foi descartado. Além disso, parte dele quebrou em pedaços menores quando atingiu a superfície.

“Esses pedaços de detritos do EDL foram vistos em imagens da região de Hogwallow Flats, um local a cerca de 2 km a noroeste da zona onde o EDL caiu.”

Alguns dos detritos são bem grandes, como parte da carenagem e paraquedas que foram achados pelo Perseverance em abril. Já outros pedaços são pequenos e leves, podendo ser arrastados pelo vento por vários quilômetros.

“Até agora, vimos pedaços brilhantes de material de manta térmica, material de rede de Dacron que também é usado em mantas térmicas e um material semelhante a cordas que concluímos ser um provável pedaço de rede de Dacron triturada”. 

Este “material semelhante a cordas” ficou conhecido como o “espaguete marciano”.

Fonte: G1, Canaltech

Austrália usa reconhecimento facial para registrar os rostos de seus cidadãos

Previous article

Marca de roupas com mensagens nacionalistas dos EUA recebe multa em R$ 1 milhão por trocar etiquetas de ‘feito na China’

Next article

Comments

Comments are closed.