Curiosidades

Os 7 casos mais famosos de histeria coletiva

0

Sabia que podemos ser facilmente manipulados? Sim, porque, em grupos, é fácil, fácil perder a consciência e individualidade, algo conhecido pela psicologia como “histeria coletiva”.  É um fenômeno sociopsicológico definido pela manifestação dos mesmos ou semelhantes sintomas histéricos por mais de uma pessoa.

A histeria coletiva começa tipicamente quando alguém adoece ou torna-se histérico durante um período de stress. Após a demonstração dos sintomas pelo indivíduo inicial, outras pessoas começam a manifestar sintomas semelhantes, geralmente náuseas, fraqueza muscular, convulsões ou dores de cabeça. Visões de milagres religiosos são muitas vezes atribuídas à histeria coletiva. Conheça alguns casos de histeria coletiva:

O espírito

20

Estudantes de uma escola rural no Ceará afirmaram ter visto um espírito de um estudante que teria morrido há 7 anos. O caso aconteceu em 2010. Os jovens de 12 a 19 anos desmaiavam e apresentavam comportamento violento. Em um único dia mais de 25 estudantes de diferentes turmas foram afetados pela histeria.

Guerra dos Mundos

21

Em 30 de outubro de 1938, a rede de rádio CBS interrompe sua programação para noticiar uma suposta invasão alienígena. Na verdade, nada mais era que um programa semanal, onde a história de A Guerra dos Mundos era dramatizada, pelo jovem Orson Welles, em forma de programa jornalístico.

Entretanto, houve grande pânico devido a um mal-entendido: cerca de 6 milhões de pessoas sintonizaram no programa e metade delas fez isso depois da introdução, em que se explicava que tudo não passava de uma peça de ficção, calculou a própria CBS. Pelo menos 1,2 milhão de pessoas acreditou ser um fato real, meio milhão teve a certeza de que o perigo era iminente, entrando em pânico, sobrecarregando as linhas telefônicas, com aglomerações nas ruas e congestionamentos, causados por ouvintes tentando fugir do perigo. O caos paralisou três cidades. O programa foi um sucesso de audiência, fazendo a CBS bater a emissora concorrente NBC.

Santa histeria

22

Em 2006, adolescentes de um internato católico foram acometidas por um surto de uma doença que na verdade não existiam. Sem explicação, um grupo de garotas começou a passar mal ao mesmo tempo, tendo febre, náuseas, desmaios, fraqueza e dificuldade de locomoção. Logo o “mal” se espalhou no colégio e 600 alunas foram consideradas infectadas, mas, quando examinadas, aparentemente não havia nada de errado com elas.

Sequestro nos ares?

23

Em Melbourne, na Austrália, mais de 50 pessoas entraram em estado histérico após uma funcionária desmaiar perto de uma escada rolante. Logo após o ocorrido, duas outras a acompanharam. Temendo que fosse um atentado com gás, sistemas de ventilação foram fechados, mas ainda assim muita gente passou mal – por motivo nenhum.

Ataque de risos

24

Em 1962, na Tanzânia, uma classe de aula cheia de crianças caiu na gargalhada, contagiando até os pais. De repente, os risos ocupavam quadras, bairros e milhares de pessoas. Depois de seis meses, a epidemia começou a enfraquecer, mas no meio tempo causou muita dor, dificuldades respiratórias e ataques de choro, entre outros problemas.

Et’s sanguinários?

25

Na Ilha de Colares, no Pará, supostas luzes no céu apareceram e abduziram famílias inteiras. Tudo aconteceu em 1977, quando mais de 80 pessoas afirmaram ter sido marcadas por ETs ou perseguidas. De acordo com elas, os alienígenas estariam sugando seu sangue. A Aeronáutica brasileira até foi designada para cuidar do caso, que afirmou não se passar de uma grande alucinação. Quem será que estava mentido?

Dança da morte

26

Na França, em 1518, uma mulher chamada Frau Troffea começou a dançar na rua, sem que houvesse nenhuma música ou motivo aparente. Em menos de uma semana, havia uma centena de pessoas fazendo a mesma coisa, e, depois de um mês, mais de 400. Muitas pessoas morreram por ataques cardíacos ou derrames.

 

Conheça a substância mais fedida do mundo

Previous article

5 fatos desconhecidos e muito nojentos sobre bichos, pessoas e objetos

Next article

Comments

Comments are closed.