Curiosidades

Para Carlo Rovelli, tido como novo Hawking, o tempo não existe

0

“O tempo não existe. E eu tenho 15 minutos para convencê-los disso”, diz Carlo Rovelli, depois de olhar seu relógio de pulso. E assim começa a palestra desse físico italiano no TEDx em 2012. Normalmente, Rovelli não aparece muito na mídia internacional. Mas uma das vezes em que isso aconteceu foi justamente por conta da sua fala sobre o tempo.

Isso aconteceu na reportagem da revista britânica “New Statesman”, feita por George Eaton, intitulada “O físico rockstar Carlo Rovelli explica porque o tempo é uma ilusão”. A reportagem destacava que “a determinação de Rovelli em tornar a física quântica acessível e suas prodigiosas vendas de livros o levaram a ser chamado de ‘o novo Stephen Hawking'”.

Em 2020, Rovelli participou do evento “The Nature of Time” organizado pela revista New Scientist. Na ocasião, o físico pegou uma corda e a esticou de uma ponta a outra do palco e pendurou uma caneta no meio da corda para marcar o presente. “É aqui que estamos”, disse ele.

Depois disso, ele ergueu seu braço direito e apontou para a direita e disse: “esse é o futuro”. Então ele apontou para esquerda e disse: “e esse é o passado”.

Tempo

BBC

“Esse é o tempo do nosso dia a dia: uma longa fila, uma sequência de momentos que podemos ordenar, que tem uma direção preferida, que podemos medir com relógios. E todos nós concordamos com os intervalos de tempo entre dois momentos diferentes ao longo do caminho, ao longo desta linha”, disse.


No entanto, logo após essa fala Rovelli disse: “Quase tudo o que eu disse está errado. Em termos factuais, isso está incorreto. É como se eu dissesse que a Terra é plana. O tempo não funciona assim, ele o faz de uma maneira diferente”.

“Essas não são ideias especulativas que aparecem em sonhos estranhos de físicos. São fatos que medimos em laboratório, com instrumentos, e que podem ser verificados”, ressaltou.

Estudo

BBC

O físico decidiu dedicar sua vida a conciliar duas teorias: a mecânica quântica, que descreve o mundo microscópico, e a relatividade geral de Albert Einstein.

“Para chegar a uma nova teoria, devemos construir um esquema mental que não tenha a ver com nossa concepção usual de espaço e tempo. Você tem que pensar em um mundo em que o tempo não é mais uma variável contínua, mas uma outra coisa”, disse Rovelli.

Nessa busca por possíveis soluções para o problema da gravidade quântica, Rovelli foi um dos fundadores da teoria da gravidade quântica em loop, que também é conhecida como teoria do loop. Ela mostra uma estrutura fina e granular do espaço.

Além disso, a carreira de Rovelli é cheia de prêmios e livros publicados. Por exemplo, seu livro “Sete Breves Lições de Física” foi traduzido para 41 idiomas e vendeu mais de um milhão de cópias. O físico também foi professor na Itália, nos Estados Unidos, no Reino Unido e atualmente é pesquisador do Centro de Física Teórica de Marselha, na França.

Percepções

BBC

Ele deu uma entrevista para a BBC Mundo sobre o tema. Transcrevemos algumas partes aqui.

O que é o tempo? Ele realmente existe?

Sim, claro que o tempo existe. Do contrário, o que é que sempre nos falta? Mas a ideia comum que temos sobre o que é o tempo e como ele funciona não serve para entendermos átomos e galáxias. Nossa concepção usual de tempo funciona apenas em nossa escala e quando vamos medir as coisas com muita precisão.

Se quisermos aprender mais sobre o universo, temos que mudar a nossa visão do tempo. Porque o que costumamos chamar de “tempo”, sem pensar muito sobre o que isso significa, é realmente um emaranhado de fenômenos diferentes. O tempo pode parecer simples, mas é realmente complexo: ele é feito de muitas camadas, algumas das quais são relevantes apenas para certos fenômenos, e não para outros.

O que o senhor descobriu quando se perguntou: por que só podemos conhecer o passado e não o futuro?

A razão de termos informações sobre o passado e não sobre o futuro é estatística. Tem a ver com o fato de não vermos os detalhes das coisas. Não vemos, por exemplo, as moléculas individuais que compõem o ar da sala em que estamos. Mas, no mundo microscópico, não há essa distinção entre o passado e o futuro.

O senhor falou sobre a elasticidade do tempo e sobre um dia em que “vivenciamos coisas diretamente, como encontrar nossos filhos mais velhos que nós mesmos no caminho de volta para casa”. Como isso pode acontecer?

A pergunta correta é a oposta: por que quando nos separamos e nos encontramos novamente, o seu e o meu relógio medem o mesmo intervalo de tempo?

Não há razão para que devam medir esse mesmo tempo. A experiência nos diz isso apenas porque nossas medições não são precisas o suficiente. Se fossem, veríamos que o tempo corre em velocidades diferentes para pessoas diferentes, dependendo de onde estão e como se movem. Portanto, eu poderia me separar de meus filhos e reencontrá-los em um tempo que significa apenas um ano para mim, mas 50 anos para eles. Nesse cenário, eu ainda sou jovem e eles envelheceram. Isso certamente é possível. O motivo pelo qual normalmente não vivenciamos esse tipo de experiência é apenas que nossa vida na Terra se move numa velocidade lenta entre nós e, nesse caso, as diferenças de tempo são pequenas.

O que o senhor quer dizer quando afirma que existem muitas versões diferentes da realidade, embora todas pareçam iguais em grande escala?

As propriedades de todas as coisas são relativas a outras coisas. As propriedades do mundo em relação a você não são necessariamente as mesmas em relação a mim. Normalmente, não vemos essas diferenças nas propriedades físicas porque os efeitos quânticos são muito pequenos. Mas, em princípio, podemos ver mundos ligeiramente diferentes.

O senhor disse que temos que reorganizar a forma como pensamos a realidade. Como podemos fazer isso? O que estamos perdendo se não tentarmos seguir por esse caminho?

Podemos continuar vivendo nossas vidas ignorando a física quântica, mas se estamos curiosos sobre como a realidade funciona, temos que encarar que as coisas são realmente estranhas.

A metáfora que o senhor faz sobre a mecânica quântica e sua interseção com a filosofia, como se essas duas áreas do conhecimento fossem um casal se reunindo, se separando, depois voltando e se separando novamente, é fascinante. A mecânica quântica e a filosofia precisam uma da outra?

Creio que sim. No passado, a física fundamental também avançou graças à inspiração da filosofia.

Todos os grandes cientistas do passado eram leitores ávidos de filosofia. Não há razão para que as coisas sejam diferentes hoje.

Na minha opinião, o inverso também é verdadeiro: os filósofos que ignoram o que aprendemos sobre o mundo com a ciência acabam sendo superficiais.

Para o senhor, o livro “A Ordem do Tempo” é muito especial porque “finge ser sobre física, mas secretamente é o meu livro sobre o significado e a finitude da vida”. Qual é o sentido da vida para Carlo Rovelli?

O sentido da vida para Carlo Rovelli é o que penso ser o sentido da vida para todos nós: a rica combinação de necessidades, desejos, aspirações, ambições, ideais, paixões, amor e entusiasmo, que surgem em várias medidas e em diferentes versões naturalmente de dentro de nós. A vida é uma explosão de significado.

Alguns projetaram o significado da vida fora de si mesmos e ficam desapontados ao perceber que havia algo ilusório em esperar que o significado viesse de fora.

Uma das minhas respostas favoritas a essa pergunta foi atribuída a um antigo sioux [etnia indígena norte-americana]: o propósito da vida é abordar com uma canção qualquer coisa que encontrarmos pela frente.

Fonte: BBC

Imagens: BBC

Cientistas desenvolvem tatuagem temporária que monitora pressão sanguínea

Matéria anterior

Ler romances pode alterar seu cérebro

Próxima matéria

Comentários

Comentários não são permitidos