Notícias

Submarino desaparecido que visitaria o naufrágio do Titanic tem capacidade de 96 horas de oxigênio

0

De acordo com o jornal britânico “Daily Star”, os cinco passageiros a bordo do submarino desaparecido no Oceano Atlântico na segunda-feira (19/6) possuíam capacidade de 96 horas de oxigênio.

A embarcação levava turistas para explorar os destroços do Titanic, que naufragou em 1912.

A família do bilionário Hamish Harding confirmou que ele está entre os passageiros desaparecidos. Brian Szasz, enteado do empresário, pediu orações por seu padrasto em uma publicação no Facebook.

Segundo o jornal “New York Post”, ele disse que pede pensamentos e orações para Hamish Harding, pois o submarino desaparecido possui apenas algumas horas de oxigenação. As equipes de busca estão em atividade. Posteriormente, o garoto removeu a publicação, a pedido da mãe.

Os ingressos para participar da viagem aos destroços do submarino da OceanGate chegavam a ultrapassar US$ 250.000.

Antes da viagem, Hamish Harding compartilhou uma mensagem em suas redes sociais, expressando orgulho por participar da expedição ao fundo do mar.

Ele escreveu que estava orgulhoso dessa participação com OceanGate Expeditions, promovendo a Missão RMS TITANIC como revolucionária. Além disso, também estava ansioso pela oportunidade de sair da rotina e descobrir algo extraordinário nos mares.

Via Globo

O que se sabe sobre o submarino desaparecido?

O submarino chamado Titan possui dimensões de 6,5 metros de comprimento por 3 metros de largura e tem capacidade para transportar até cinco pessoas.

Diferente de submarinos de grande porte, ele não é autônomo, então precisou ser transportado por 643 km na superfície do mar até a área de mergulho. A expedição ao Titanic teve início na sexta-feira passada, partindo da região de Newfoundland, no Canadá.

Uma característica surpreendente do Titan é que ele é controlado por um joystick semelhante a um controle de videogame.

Dentro da cápsula principal do Titan, os cinco ocupantes têm uma visão quase completa de 180° para o ambiente externo, enquanto três monitores mantêm o controle dos equipamentos e da tripulação.

Com um peso superior a 10 toneladas e construído com fibra de carbono e titânio, o veículo se move a uma velocidade de 3 nós (5,5 km/h) e é impulsionado por quatro propulsores Innerspace 1002.

No domingo (18), o submarino iniciou a descida ao fundo do mar, mas desapareceu pouco depois. O trajeto até o fundo do mar deveria durar duas horas, mas a comunicação com a embarcação se interrompeu após uma hora e 45 minutos de descida.

A Expedição Titanic é da empresa OceanGate. O passeio para visitar os destroços do Titanic tem o custo de R$ 1,19 milhão por pessoa.

O que deu errado?

Via Globo

Ainda não há clareza sobre o que ocorreu com o submarino que desapareceu no domingo (18) enquanto se dirigia aos destroços do Titanic, perdendo contato com as equipes na superfície.

No entanto, diante da ausência de qualquer pista sobre a embarcação após um dia e meio de buscas, especialistas afirmam que as chances não parecem favoráveis e que algumas possibilidades de falhas podem ter ocorrido.

Corte de energia

Um grande risco é a ocorrência de um corte de energia, o qual poderia ter causado a perda de comunicação, conforme apontado por Eric Fusil, especialista em submarinos e professor associado da Universidade de Adelaide.

Alguns submersíveis contam com uma segunda fonte de energia, como um sistema de backup, em caso de falha do sistema elétrico principal. Contudo, não está claro se o Titan possuía mecanismos de energia alternativos no momento de seu desaparecimento.

Curto-circuito

Um curto-circuito pode ocasionar incêndios a bordo, o que comprometeria não apenas os sistemas da embarcação, mas também geraria fumaça tóxica em um ambiente confinado, representando um grande perigo para as pessoas a bordo, explica Fusil.

Inundação

A possibilidade de inundação sempre existe, e nas profundezas onde se encontram os destroços do Titanic, a imensa pressão faria com que a maioria das embarcações implodisse, alerta Fusil.

O Titan, submarino desaparecido, possui equipamentos modernos de segurança, que monitora a pressão dentro da embarcação.

Dessa forma, alerta o piloto em caso de detecção de algum problema, de acordo com informações fornecidas pelo operador do submarino.

Emaranhamento

Devido às fortes correntes subaquáticas e à presença de detritos provenientes do Titanic no fundo do oceano, há o risco de o submersível ficar preso ou ter sua rota bloqueada, adverte Fusil.

A Marinha norte-americana e outros órgãos procuram pelo submarino desaparecido, e atualizam o caso periodicamente.

 

Fonte: Globo, G1, CNN

Imagens: Globo, Globo

Qual a relação entre Celso Portiolli e os atentados do 11 de setembro?

Artigo anterior

Ex-atleta de vôlei Sandra Mathias é indiciada por lesão corporal, injúria e perseguição

Próximo artigo

Comentários

Comentários não permitido