Entretenimento

Uma escola resolveu colocar uma máquina de livros na biblioteca e foi um sucesso

0

A ideia é basicamente colocar um monte de livros em uma máquina e cobrar pelo acesso à eles. Algo que apesar de não parecer uma boa ideia, tornou-se a mais adequada para estimular a leitura e promover a alfabetização. Foi exatamente o que uma escola da cidade de Buffalo, em Nova York, nos Estados Unidos, fez. E parece que isso tem gerado bons resultados.

A máquina funciona com uma moeda especial e com ela, os alunos terão acesso a alguns dos livros disponíveis no equipamento. A cada mês, uma seleção aleatória de crianças do jardim até a quarta série levará os escolhidos até a biblioteca da escola, onde a máquina de livros está situada. Lá, elas receberão uma moeda que garantirá um exemplar dos livros dispostos.

A máquina e os sonhos

Unseld Robinson, diretor assistente do colégio, foi quem implementou a ideia. Robinson, inspirado em uma escola que havia visitado e que fazia algo semelhante, decidiu fazer algo para estimular os alunos de sua escola, no intuito de cultivar o hábito da leitura. Cerca de mil dólares em livros foram investidos para preencher o interior da máquina. Além disso, ações complementares onde as pessoas poderão fazer doações à escola, darão o suporte ao estoque de livros.

De contos de horror, passando por ficções científicas chegando a livros biográficos. Há uma grande variedade no catálogo disposto na máquina e que deve agradar a todos os interesses e que se adeque aos diferentes níveis de idades. Todos os livros serão catalogados segundo a classificação etária, para evitar possíveis transtornos.

Para o diretor, as crianças em Buffalo não estão lendo o quanto deveriam e para ele, a máquina pode ser de total ajuda para solucionar o problema. “Isso deve incentivar a leitura dentro e fora da escola, bem como aumentar a empolgação das crianças pela leitura”, completou.

“Um dos maiores problemas que temos neste distrito é a alfabetização. Se nossos filhos puderem ler, eles podem sobreviver”, opinou Sharon Belton-Cottman, membro do Conselho Escolar de Buffalo.

Então pessoal, o que acharam da matéria? Deixem nos comentários a sua opinião e não esqueçam de compartilhar com os amigos.

Imagens que mostram como era o Afeganistão antes do Talibã

Matéria anterior

Durante passeio da escola, professora leva garota paralítica nas costas

Próxima matéria

Você pode gostar