Atualmente, pesquisadores de todo o mundo estão trabalhando no desenvolvimento de uma vacina que seja eficaz contra a Covid-19, doença causada pelo vírus SARS-CoV-2. Dito isso, pelo menos por enquanto, a Rússia parece estar à frente da busca por uma vacina contra a doença. Isso porque, a fórmula criada na Rússia é a primeira do mundo que já concluiu os testes clínicos. Dessa forma, caso a vacina siga o cronograma proposto pelo estudo, ela pode ficar pronta em agosto.

Essa vacina é desenvolvida pela Universidade Sechenov, na Rússia, e pelo Centro Nacional de Pesquisa para Epidemiologia e Microbiologia Gamalei. Com isso, ela já concluiu parte dos testes clínicos necessários para que a eficácia da imunização seja comprovada. Desse modo, a vacina segue todas as recomendações propostas pelo governo russo. "A pesquisa foi concluída e provou que a vacina é segura", afirmou Yelena Smolyarchuk, chefe do centro de pesquisas clínicas da Universidade Sechenov, à agência de notícias estatal (TASS).

A vacina deve começar a ser distribuída entre 12 e 24 de agosto

Publicidade
continue a leitura

Com estudos estimando que as vacinas não ficariam prontas em menos de um ano, a vacina desenvolvida pela Rússia surpreende e traz esperança. Segundo Alexander Gintsburg, diretor do Centro Nacional de Pesquisa para Epidemiologia e Microbiologia Gamalei, já podemos estimar uma data para a distribuição da vacina. Desse modo, a "circulação civil" deve se iniciar entre os dias 12 e 24 de agosto.

Como efeito de comparação, essa distribuição será equivalente a um teste de fase 3. Ou seja, quando a eficácia da vacina é testada em um grupo maior de voluntários. Os testes da fase 1 e fase 2 normalmente funcionam para verificar a segurança da vacina. Isso acontece para evitar possíveis erros na fase 3 de testagem.

Segundo o Ministério da Saúde russo, esse período até agosto servirá para a realização dos últimos testes bioquímicos da vacina. Dito isso, é esperado que até setembro, a vacina já esteja completamente pronta para ser distribuída. Isso porque, após a fase 3 de testes, a fórmula já seguirá para a produção em massa por laboratórios privado.

Publicidade
continue a leitura

Essa será a primeira vacina contra a Covid-19 do mundo?

Hoje, existem 19 estudos de vacinas experimentais contra a Covid-19. No entanto, apenas duas dessas vacinas já se encontram em testes finais de fase 3. Elas são: uma vacina desenvolvida pela empresa chinesa 'Sinopharm' e outra da 'AstraZeneca' e Universidade de Oxford, que tem parte da testagem sendo realizada no Brasil. Além dessas duas vacinas, também há uma terceira, desenvolvida pela empresa chinesa 'Sinovac Biotech', que deve entrar na fase 3 de testes ainda nesse mês.

Publicidade
continue a leitura

No caso da vacina russa, os testes clínicos começaram em junho. Assim, a Universidade de Sechenov estudou 38 voluntários remunerados para o estudo. Parte desses voluntários serão liberados já nessa quarta-feira (15/07). Isso porque, eles já completaram 28 dias em isolamento. Nesse sentido, a intenção era protegê-los de outras possíveis infecções que pudessem interferir no estudo. Nos testes, os voluntários possuem entre 18 e 65 anos e, mesmo fora do isolamento, continuarão sendo monitorados por mais seis meses.

Na Rússia, já são mais de 730 mil pessoas infectadas com a Covid-19 e mais de 11 mil mortes. Dessa forma, o país se torno o quarto do mundo com o maior número de infectados com o novo coronavírus.

Publicado em: 15/07/20 15h10