Curiosidades

7 maneiras incomuns de morrer ao longo dos anos

0

Se há uma certeza na vida é a de que, um dia, todos nós morreremos. No entanto, dentro dessa certeza, há infinitas possibilidades do que ainda é incerto. Afinal, como morreremos? Com isso, ao longo da história, essa pergunta foi respondida de muitas maneiras, havendo desde as morte mais estranhas, até as que chegam a ser cômicas além de trágicas. Por isso, resolvemos listar 7 maneiras incomuns de morrer, ao longo dos anos.

Quem sabe, em um futuro próximo, a morte poderá deixar de ser um tabu. Mas, até lá, esse continua sendo um dos maiores medos humanos. Por isso, continuamos a falar tanto desse tema, e mesmo depois de tanta discussão, ainda há bastante assunto.

1 – Começou o dia com o pé esquerdo

Athur Aston foi um soldado que serviu junto ao Rei Carlos I, na guerra civil inglesa. Sendo assim, com o tempo que passou na guerra, o homem chegou a perder uma perna. No entanto, anos depois, esse também seria o motivo de sua morte. Uma vez que ladrões roubaram sua prótese de madeira e espancaram Arthur, até sua morte.

2 – O fogo que consumiu mais do que devia

Henry Hall era um faroleiro do farol de Eddystone, na Cornualha. Contudo, em 1975, um incêndio explodiu a torre de madeira de Rudyerd. Mas, mesmo com o fogo, Henry e outros dois companheiros conseguiram escapar, antes de ver o farol ser destruído. Com isso, dias depois, Henry morreu subitamente. E a causa da morte só viria a ser revelada depois, em uma autópsia. Enquanto Henry olhava para o farol incendiado, um pedaço de chumbo derretido caiu em sua boca, abrindo caminho pelo esôfago e terminando em seu estômago.

3 – Lutando contra uma ave

Ainda adolescentes, Philip McClean e seu irmão entraram em um jardim, para brincar com um casuar. Contudo, por mais essa parecesse uma ave inofensiva, se tratava de uma das espécies mais perigosas entre as aves de grande porte. E ao entrar na briga com o animal, Philip recebeu um chute certeiro. Com isso, pouco tempo depois, o jovem morreu devido a perda de sangue. E pelo menos, para os moradores da Austrália, é de conhecimento geral que essas aves são perigosas. Mas, dos 221 ataques registrados, essa é a única morte de que se tem conhecimento.

4 – A maior batida de um rebatedor de beisebol

Durante uma temporada de beisebol, Len Koenecke foi cortado de seu equipe, por conta de um problema com bebidas. No entanto, na volta para casa, seu consumo de álcool aumentou e o jogador se tornou agressivo. Então, ele decidiu brigar com o piloto no meio do voo. E no meio da confusão, acabou recebendo uma pancada de um extintor de incêndio na cabeça. Depois disso, Len morreu com um crânio fraturado e uma severa hemorragia no cérebro.

5 – Nocauteado por um pássaro

Alan Stacey era um piloto de Fórmula 1 para a Lotus. No entanto, durante o Grande Prêmio da Bélgica de 1960, um pássaro voou, em seu rosto. Assim, estando a mais de 190 km/h, o pássaro fez com que Alan perdesse o controle e morresse. No entanto, mesmo anos depois do ocorrido, não se sabe o que, de fato, matou Alan. Com isso, a teoria mais aceita é a de que a força do pássaro teria quebrado seu pescoço.

6 – O pior jogo de um time

Em outubro de 1998, durante uma partida entre os times africanos, Bena Tshadi e Basanga, um raio atingiu o campo e matou 11 jogadores. Contudo, o mais estranho da situação foi o fato do raio ter acertado apenas jogadores do time Bena Tshadi. Enquanto o time adversário ficou ileso. Além das mortes, outras 30 pessoas sofreram queimaduras. E depois disso, boatos de bruxaria e maldições circularam junto com a notícia.

7 – Sete palmos abaixo da terra

Em 2011, um jovem australiano morreu por conta de uma fotografia. Isso mesmo que você acabou de ler! Ao se equilibrar sobre uma varanda, Acton Beale tentava seguir uma moda, conhecida como “planking”. No entanto, tudo que ele conseguiu foi a queda de uma altura de sete andares.

Por que PewDiePie, o youtuber mais assistido do mundo, quer deixar a plataforma?

Matéria anterior

O que são essas bolas de pedra misteriosas da Costa Rica?

Próxima matéria

Comentários

Comentários não são permitidos