Recentemente, uma equipe de pesquisadores da Universidade de Columbia, nos Estados Unidos, passou a monitorar a quantidade de recursos que os governos de 168 países estão gastando para enfrentar a pandemia do novo coronavírus. Com isso, separamos uma lista com 7 países que mais gastaram para enfrentar a Covid-19.

Pelo que sabemos, será a pior desde a Grande Recessão da década de 1930. Assim, enormes pacotes fiscais de emergência estão injetando dinheiro na economia para mitigar os efeitos de uma crise econômica global. Portanto, nessas circunstâncias inéditas, o dogma de manter o equilíbrio fiscal e de não incorrer em despesas fora do orçamento permaneceu no passado, pois infecções e mortes se espalharam rapidamente em todo o mundo. De fato, é um nível extraordinário de gastos, mas que certamente surtiram efeito num futuro próximo.

1 - Estados Unidos (13% de seu PIB)

Enquanto muitas pessoas no país protestam para serem "livres" novamente, o país cresce cada vez mais no número de mortes por Covid-19. Contudo, mesmo que com medidas consideradas tardias, o país tomou ciência da pandemia e passou a investigar uma quantidade significativa para solucionar o problema.

2 - Irã (13% de seu PIB)

Publicidade
continue a leitura

Dentro do Oriente Médio, o Irã é o país mais afetado pela pandemia do novo coronavírus. Porém, mesmo que o país tenha saído de seu pior momento, um processo de reabertura de atividades de "baixo risco" não foi visto com bons olhos pela comunidade internacional.

3 - Áustria (15% de seu PIB)

Podemos citar a Áustria como um ótimo exemplo de uso da quarentena. Assim, no país, uma quarentena efetiva fez com que a taxa de contágio fosse reduzida em 80%. Portanto, somente depois de números tão animadores, o país passou a relaxar o isolamento social com a reabertura de lojas e outros estabelecimentos.

4 - Eslovênia (17% de seu PIB)

Publicidade
continue a leitura

Com 103 mortes e 1.500 casos de contaminação, a Eslovênia foi o primeiro país da Europa a declarar o fim da epidemia do coronavírus. Desse modo, em um período de duas semanas, o país registrou um número mínimo de sete infecções por dia.

5 - Bélgica (19% de seu PIB)

No início do mês, o país possuía a maior taxa de mortalidade por Covid-19 do mundo. No entanto, o país te menos da metade das mortes dos países afetados pela doença. Isso aconteceu porque a Bélgica contabiliza não apenas mortes confirmadas, mas também de casos suspeitos e que ocorreram fora de hospitais. Portanto, maiores investimentos vieram para remediar a situação.

6 - Luxemburgo (20% de seu PIB)

Publicidade
continue a leitura

Sendo um país pequeno, com pouco mais de 600.000 habitantes, grande parte parte dos trabalhadores do país atravessava a fronteira para ir até a Bélgica, França ou Alemanha. No entanto, isso não era possível por conta de medidas tomadas pelo governo alemão. Assim, com a fronteira fechada para o país e em meio a outros problemas, Luxemburgo passou a investir mais para sair da pandemia.

7 - Japão (21% de seu PIB)

Recentemente, o país finalmente instaurou o fim das medidas mais restritivas. No entanto, juntamente com isso veio um lembrete de que será necessário não baixar a guarda nesse momento delicado. Afinal, é possível que os causos aumentem e uma segunda onda tome conta do país.

Para se ter uma ideia, o montante total de gastos fiscais globalmente é de 7,2 trilhões de dólares. Segundo o Elgin, isso equivale a uma renda de 1.152 dólares por pessoa no mundo. No Brasil, por exemplo, os gastos equivalem a 8% de seu PIB.

Publicado em: 27/05/20 03h49