Curiosidades

Brasileiro explora a África de transporte público

0

África é conhecida como o continente do safari, dos leões, tigres, girafas enormes e uma cultura muito bonita. Ela é o segundo continente mais populoso do planeta, com mais de um bilhão de pessoas, e o terceiro maior continente do mundo. Sua extensão chega a cobrir 20% das terras do planeta. Por tudo isso, não é de se espantar que as pessoas tenham vontade de conhecê-la, como por exemplo, esse brasileiro.

Geralmente, os turistas do mundo todo têm atravessado a África em veículos particulares, como motorhomes, carros e até mesmo motocicletas. No entanto, o brasileiro Davi Montenegro resolveu cruzar o continente de uma forma diferente. Ele decidiu se aventurar como as pessoas locais e fazer sua viagem em ônibus públicos.

“Eu tinha muita curiosidade de conhecer o continente, mas estava sem dinheiro suficiente para comprar passagem de avião ou conseguir um carro. Então, fui de ônibus mesmo, de pouquinho em pouquinho. Foram oito meses de viagem e, neste tempo, peguei um total de 47 ônibus ou vans. E nenhum deles era turístico. Todos eram meios de transporte para a população local. Raramente havia outro estrangeiro comigo”, contou o brasileiro.

Viagem

UOL

Durante sua viagem, o brasileiro passou pelo Egito, Sudão, Etiópia, Quênia, Tanzânia, Malawi, Zâmbia, Namíbia e África do Sul. De acordo com ele, as viagens de ônibus foram bem especiais porque através delas ele conseguiu chegar em lugares que estão fora da rota do turismo, o que deu a ele uma possibilidade de ver mais a realidade dos países.

O que não faltaram foram cenários na estrada dele. “No Quênia, por exemplo, passei por uma região selvagem e consegui admirar, através da janela, girafas, zebras e outros animais. Foi como fazer um safári quase de graça”, lembrou.

Além de animais, sendo passageiro dos ônibus, o brasileiro também pôde observar as áreas desérticas planas do Sudão, os horizontes montanhosos ao redor das rodovias da Etiópia, as paisagens marítimas de Zanzibar e o interior cheio de natureza do Malawi.

O melhor de tudo é que Davi conseguiu chegar em destinos turísticos africanos bem famosos gastando pouco, como por exemplo, na Reserva Nacional Masai Mara no Quênia, e na região das cataratas Victoria Falls na Zâmbia.

Oportunidades

UOL

Essa viagem através dos transportes coletivos também deu ao brasileiro a oportunidade de ter contato com os moradores de vários países africanos que ele visitou.

“Conquistei muitas amizades durante as viagens. As pessoas viam que eu era estrangeiro e vinham falar comigo. E a gente conversava via Google Translate”, ressaltou.

Quando ele estava no Quênia, indo para uma cidade chamada Nakuru, Davi perguntou a um dos passageiros se ele tinha alguma dica de hospedagem barata. “E ele me disse que era responsável por um orfanato na cidade e que eu podia dormir lá, que as crianças iam gostar da minha presença. Aceitei na hora. Passei o fim de semana lá. As crianças brincaram comigo e me ensinaram um pouco da língua swahili, muito falada no Quênia”, contou.

Perrengues

UOL

Claro que nos países com uma infraestrutura ainda bem precária era normal os ônibus serem velhos, apertados, super lotados e que raramente saiam na hora prevista.

Um exemplo disso foi o ônibus que o brasileiro pegou na fronteira do Egito com o Sudão. Os assentos dele estavam tomados por máquinas de lavar em caixas que tomavam mais espaço do que as pessoas. Além dessa vez, Davi também viajou com galinhas e bagagens amontoadas nos corredores dos ônibus.

“Não eram viagens confortáveis, mas eram interessantes à sua maneira”, pontuou ele.

Quando ele estava em território etíope, um homem quis pegar a mochila do brasileiro para colocá-la no bagageiro, mas ele queria cobrar dinheiro para fazer isso.

“Eu me recusei a entregar a mochila e a pagar, disse que eu mesmo colocaria a bagagem e começamos a discutir. De repente, fui cercado por ele e seus amigos, que começaram a gritar comigo. Tive que pegar minhas coisas e sair dali. Acabei perdendo o ônibus”, contou.

Experiência

UOL

Mesmo passando por algumas situações desagradáveis, Davi amou sua viagem pelo continente africano. Ele disse que também houve ônibus bons na viagem, principalmente em países como Zâmbia, Namíbia e África do Sul.

Fonte: UOL

Imagens: UOL

Baracitinibe, remédio usado contra artrite, Covid e dermatite é indicado para tratar queda de cabelo

Matéria anterior

Ela tinha 5% de chance de ser mãe e ficou grávida duas vezes em 7 dias

Próxima matéria

Comentários

Comentários não são permitidos