Compartilhando coisa boa

Com apenas 9 anos, garota ensina vendedor de picolé a ler e escrever

0

Se você ainda não está convencido de que o mundo pode ser um lugar melhor, talvez essa história o convença. Há mais ou menos 44 anos, Francisco Santana Filho, de 68 anos, vende picolés em frente ao Colégio Diocesano, no estado de Ceará. Ele passou a maior parte do tempo como uma pessoa analfabeta por inúmeras circunstâncias externas ao idoso. Só agora, o “Zezinho” vem ganhando mais intimidade com as letras e a responsável por isso é uma jovem de 9 anos de idade. Bárbara Matos Costa, aluna do Diocesano, ensina o senhor a ler e a escrever após suas aulas. É isso mesmo que você leu: com apenas 9 anos de idade, uma inspiradora garota ensina vendedor de picolé a ler e escrever. E isso já vem acontecendo há 2 anos. 

Segundo dados do IBGE, o Brasil ainda tem cerca de 11,8 milhões de analfabetos. A taxa indica que o Brasil não conseguiu alcançar uma das metas expressas pelo Plano Nacional de Educação (PNE) em relação à alfabetização da população com 15 anos ou mais. A meta do PNE determinava a redução do analfabetismo a 6,5% até 2015, o que não aconteceu.

No Ceará, 15,2% da população é analfabeta, mais que o dobro da taxa do país (7,2%). O estado também fica abaixo da média do Nordeste, região em que 14,8% da população é analfabeta. Os números são referentes a 2016 e considera apenas pessoas com 15 anos de idade ou mais.

O poder do conhecimento

Zezinho 2 600x338, Fatos Desconhecidos

Nascido e criado em Crato (CE), Zezinho é vendedor de picolé desde os 12 anos. A sensibilidade da pequena Bárbara pode ter fornecido a ele uma chance real de estudar, já que não teve acesso à educação. Aos incríveis 9 anos de idade, garota ensina vendedor de picolé a ler e escrever. “Por conta da repercussão dessa história, estamos montando para ele um material de alfabetização. A professora Risélia também está se dispondo a ensiná-lo. Francisco diz que o tempo dele é corrido por conta dos picolés, mas a Risélia está bem disponível. É só ele querer”, diz a coordenadora pedagógica Nágela Maia.

A cena, flagrada pela pela psicopedagoga Risélia Maria, viralizou no Facebook. Sentados no chão, em frente à escola, Bárbara e seu aluno estudam fundamentos básicos da Língua Portuguesa, em completo estado de concentração. Rosélia publicou a foto no Facebook na quinta (13) e desde então tem emocionado milhares de pessoas na rede social.

Gestos que inspiram

Zezinho 3 600x461, Fatos Desconhecidos

“O Zezinho merece um dez!”, elogia a garota, que não faz segredo sobre as suas maneiras de “lecionar”. “Às vezes, eu escrevo uma palavra com tracinhos para ele cobrir, como ‘picolé’ e ‘amor’. Também coloco as letrinhas para ele juntar”, conta a estudante.

Segundo a agência “Miséria”, o gesto de solidariedade se espalhou pelo Colégio. Entre os colegas, pais e professores, as felicitações não param de chegar. Nas redes sociais, ex-alunos escrevem mensagens para Zezinho e parabenizam Bárbara.

“A atitude veio dela mesma, do seu coração amoroso. Ninguém mandou ou sugeriu, por isso achamos tão bonito e importante”, explica a professora Risélia Maria. “Foi ela como criança que sentiu a necessidade de ajudá-lo. Ela é uma menina valorosa”. Para a coordenadora pedagógica Nágela Maia, a atitude de Bárbara é “tudo o que mais queremos ensinar: gentileza, amor e solidariedade”.

Resultados

Zezinho 1 600x338, Fatos Desconhecidos

Francisco comemora seu progresso desde que se dedicou aos estudos junto à garota. “Já sei assinar meu nome e juntar algumas letras. Ela me ensina aos pouquinhos e eu vou aprendendo devagar”, relata o senhor, que acreditava já “não ter cabeça” para aprender mais nada.

É inimaginável pensar que, com apenas 9 anos, garota ensina vendedor de picolé a ler e escrever. São histórias assim que nos surpreendem de um modo positivo, fazendo-nos acreditar que é na educação que reside a esperança.

E aí, ficou convencido sobre o poder do conhecimento e das crianças em mudar o mundo? Conhece alguma outra história que te inspira? Compartilhe coisa boa com a gente!

A história (com final feliz) por trás da foto de um deficiente trabalhando como entregador

Matéria anterior

Como realmente seria um verdadeiro apocalipse robô?

Próxima matéria

Você também pode gostar

Comentários

Comentários não são permitidos