• MAIS LIDAS
  • QUIZ
  • VÍDEOS
  • ANUNCIE

E se um super vulcão entrasse em erupção hoje?

POR Toni Nascimento    EM Natureza      25/01/19 às 14h30

A vida na Terra está sendo constantemente ameaçada, pelos mais variados motivos. Às vezes, a mira vem de algum meteoro que está caminhando na direção da Terra ou então buracos negros que podem vir a nos sugar. Outra hora, nós seres humanos que matamos - e matamos outros seres vivos - em conflitos e guerras sem fim. E as catástrofes naturais? Terremotos, furacões, eras glaciais e vulcões. Todos ameaçando a nossa existência.

Como se tudo isso já não fosse suficiente, você já ouviu falar do supervulcão? Esse é um tipo de vulcão muito mais poderoso que o normal, que teria capacidade de gerar maiores e mais volumosos tipos de erupções na Terra. O Supervulcão poderia ter efeitos globais, com condições para gerar uma extinção em massa poderosíssima.

Supervulcão em erupção

Hoje, o planeta Terra possui 20 supervulcões de nosso conhecimento. O mais famosos deles é o que fica no Parque Nacional de Yellowstone, nos Estados Unidos. Hoje, ele é uma das principais atrações turísticas naturais do país. O supervulcão, conhecido como Yellowstonne, é uma grande gerador de calor. Até 70% de toda essa quentura entra pelo solo. Está claro para os cientistas que é só uma questão de tempo, pois quando o calor atingir certo ponto, uma erupção será inevitável.

Em média, um supervulcão entra em erupção no planeta Terra a cada 100 mil anos. O último que "explodiu" foi na região que hoje conhecemos como Sibéria, há cerca de 70 mil anos atrás.

A maior ameaça que um supervulcão pode causar à Terra não é matar todo mundo queimado, uma vez que sua lava não consegue cobrir toda a Terra. O problema é que ele mataria as pessoas de fome. Isso mesmo que você leu. Uma queda prolongada na temperatura seria causada por cinzas bloqueando a luz do sol, evento chamado de inverno vulcânico, que pode privar a humanidade de comida. A ONU estimou, em 2012, que temos reservas de comida apenas para 74 dias.

Qual seria a solução?

Brian Cox, do Laboratório de Propulsão a Jato (LPJ), do Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech), já foi membro da Nasa, e afirmou que "durante os trabalhos, cheguei à conclusão de que o supervulcão é uma ameaça substancialmente maior do que qualquer asteroide ou cometa".

Ele, como a maioria dos cientistas, sabem que a única solução é resfriar esses supervulcões para que eles nunca entrem em erupção. Para a Nasa, a única solução viável é perfurar 10 km de profundidade no supervulcão e bombear água sob alta pressão. Isso diminuiria lentamente a temperatura, dia a dia. "Através da perfuração desta maneira, ele poderia ser usado para criar uma usina geotérmica, que gera energia elétrica a preços competitivos em torno de US$ 0,10 por kWh", afirmou a agência especial norte americana.

E aí, o que você achou dessa matéria? Comenta aqui com a gente e compartilha nas suas redes sociais. Para você que já desistiu de ser otimista e já encarou que vai viver o apocalipse, aquele abraço.

Próxima Matéria


Matérias selecionadas especialmente para você

Via   Wikipédia     BBC     Galileu  
Toni Nascimento
Nerd, mas principalmente amante do cinema. Mais em @nascimento_toni
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.
Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+