Ser mãe é o maior desejo de muitas mulheres. Algumas sonham com isso desde a infância, outras começam a despertar essa vontade só depois da vida adulta. E também têm aquelas que não querem isso para sua vida. Enfim, cada uma tem seu livre arbítrio, para fazer e ter o que quiser em seus projetos pessoais.

Uma coisa é fato, ser mãe é, certamente, uma das melhores sensações na vida de uma mulher. E quando o bebê nasce, a mulher experimenta um amor, que nunca sentiu antes, e consegue amar aquele ser de uma maneira que somente mães podem mesmo entender.

O preparo para se ter um filho começa bem antes dele sair da barriga. E quando ele vem para o mundo, é uma outra sensação totalmente diferente. Os pais começam a ver o mundo e experimentar as coisas de novo pelo olhar do seu filho.

O primeiro ano de vida de um bebê é uma das etapas mais importantes para o seu desenvolvimento. É durante esse período, que o bebê começará a atingir metas de aprendizado que são cruciais para o crescimento.

Depois disso, com certeza a maioria das pessoas já ouviu falar dos “terrible twos”, que seria “terríveis dois anos” em português. Essa fase acontece a partir dos 18 meses e pode durar até os três anos. Esse período é a famosa “adolescência da criança”.

Publicidade
continue a leitura

De acordo com o pediatra e neonatologista Jorge Huberman, esse é um período de intensas alterações fisiológicas. E por conta delas é que pode provocar os momentos de teimosia, mau humor e birras incontroláveis.

Fase

Quando o bebê está nessa idade seu cérebro está se desenvolvendo de forma que ele consiga se expressar sua vontade. E ele percebe que ela é diferente da de seus pais. Mas eles não conseguem entender que essas vontades não serão sempre atendidas.

Publicidade
continue a leitura

Por conta disso que as birras começam e também as irritações. O bebê pode se transformar em uma criança completamente diferente e até mesmo desrespeitar seus pais.

Basicamente, é nessa fase que eles começam a entender que são pessoas que tem suas vontades próprias. Entretanto, eles ainda não são maduros emocional e fisicamente para lidar com as respostas negativas. E também não conseguem compreender os sentimentos de raiva, frustração e tristeza.

Justamente por não conseguirem assimilar essas coisas e nem conseguir verbalizá-las, eles acabam chorando ou tendo crises de incompreensão que são chamadas de birras.

Sinais

Publicidade
continue a leitura

Em seu “terrible twos” a criança fica mais irritada, faz birras, tem crises de choro, sofre mudanças na qualidade do seu sono, tem agitação noturna, fica emburrada e agressiva, fala muito “não”, tem uma seletividade alimentar maior e não fica feliz quando é contrariada.

O primeiro passo é saber que essa fase vai passar. Mas é necessária muita paciência e preparação por parte dos pais. O que Huberman recomenda é que quando a criança der uma crise de choro ou birra, seus responsáveis não conversem ou deem bronca nela na hora. Ele diz para eles a acolherem com um abraço e explicar que entendem o que a criança está sentindo.

E depois que eles fizerem isso eles tem que explicar que aquele comportamento não é o certo e que existem limites. Tudo com calma e compreensão para que a criança, que ainda não sabe o que está sentindo e acontecendo, consiga entender e assimilar.

Publicado em: 25/09/20 14h39