Natureza

Moradores deste local serão privilegiados com formação de novo oceano

0

Imagine um mapa do mundo, não como o conhecemos, mas com um novo oceano surgindo ao horizonte. Esse cenário pode estar mais próximo do que pensamos.

Isso porque o contínuo movimento das placas tectônicas sob a superfície da Terra está mudando o mapa mundi.

Com isso, esses grandes pedaços de crosta terrestre estão lentamente moldando o futuro geográfico do nosso planeta.

Um fenômeno atual sugere a possível formação de um vasto oceano entre a Califórnia e o restante da América do Norte, um evento que alterará significativamente a configuração do continente.

Nosso planeta sempre foi palco de mudanças constantes, embora muitas vezes imperceptíveis na escala de tempo humana. O movimento das placas tectônicas pode provocar desde terremotos intensos até mudanças geográficas sutis, mas monumentais.

No entanto, um desses movimentos está acontecendo agora no Golfo do México, onde frequentes atividades sísmicas estão abrindo caminho para a separação da Califórnia do resto do continente.

Regiões mais afetadas

Via Pexels

Além do possível novo oceano entre a Califórnia e o continente norte-americano, outra região que pode sofrer grandes transformações é a área entre Uganda e Zâmbia.

Hoje, essas duas nações não têm acesso direto ao mar, mas podem acabar ganhando litoral com a formação de um novo corpo de água.

Essa mudança não só redefiniria suas fronteiras nacionais, como também abriria novas rotas de comércio marítimo, impactando diretamente a economia global.

Embora a maioria de nós não testemunhe essas mudanças em sua totalidade, compreender e monitorar esses fenômenos é crucial para a ciência geológica e para a preparação socioeconômica das regiões afetadas.

Cientistas de todas as partes investem em tecnologias avançadas para tentar encontrar mais dessas transformações e estudar seus possíveis impactos.

Esses estudos são essenciais para planejar e, quando necessário, adaptar as estruturas humanas à nova realidade geográfica que está se formando.

Formação dos oceanos

O novo oceano pode impressionar agora, mas esse processo já aconteceu há milhões e milhões de anos.

Os primeiros oceanos da Terra se formaram há bilhões de anos, durante os primórdios da história do nosso planeta.

Inicialmente, a Terra primitiva era extremamente quente e coberta por lava e gases. Com o tempo, a superfície esfriou, permitindo que a água se condensasse.

Acredita-se que a água tenha vindo de duas principais fontes: do interior da Terra, liberada por vulcões, e do impacto de cometas e meteoritos que continham gelo.

Enquanto isso, à medida que a Terra esfriava, o vapor de água na atmosfera começou a se condensar e formar nuvens. A chuva caiu continuamente durante milhões de anos, preenchendo as depressões na crosta terrestre e formando os primeiros oceanos.

Simultaneamente, a crosta terrestre começou a se estabilizar e as bacias oceânicas se formaram devido aos movimentos das placas tectônicas.

A formação das primeiras placas tectônicas e o início de sua movimentação ajudaram a moldar os oceanos primitivos, criando bacias oceânicas onde a água se acumulou.

Novo oceano

Via Pexels

Agora, com toda a água assentada, um novo oceano só pode vir de um lugar: das placas tectônicas. Isso ocorre com sua movimentação de divergência, ou seja, se afastando uma das outras.

Assim, elas podem criar novas bacias oceânicas. Por exemplo, o Oceano Atlântico está se expandindo devido à divergência entre as placas tectônicas da América do Norte e da Eurásia, assim como a América do Sul e a África.

Também temos o conceito de rifte continental, que ocorre quando uma placa continental começa a se dividir, formando um vale profundo que pode se encher de água.

O Vale do Rift na África Oriental é uma área onde o continente africano está se dividindo. Se o processo continuar, pode eventualmente formar um novo oceano.

Em menor escala, temos a subducção e os cinturões de montanhas. A subducção ocorre quando uma placa oceânica é empurrada para baixo de uma placa continental ou outra placa oceânica, formando fossas oceânicas profundas.

Esse processo pode levar à criação de novos oceanos ao longo de milhões de anos, à medida que o material reciclado forma novas crostas oceânicas.

E as erupções vulcânicas submarinas podem criar novas ilhas e terras submersas, contribuindo para a formação de novos oceanos ou a expansão dos já existentes.

Mas todos os processos que geram um novo oceano são lentos e provavelmente nem veremos isso nessa vida. Mas ele existirá, e irá mudar as cidades como conhecemos.

 

Fonte: Benefícios Hoje, Mundo Educação

Imagens: Pexels, Pexels

As cidades com a pior qualidade de vida do Brasil

Artigo anterior

Filmaço de ficção científica e ação vai te deixar sem fôlego no 1° minuto

Próximo artigo