A arqueologia é a ciência responsável por estudar culturas e civilizações do passado. E através das descobertas arqueológicas, vestígios de antigas sociedades e culturas são descobertos. E assim, podem compreender melhor como viveu determinado povo, quais eram seus hábitos e costumes. E, até mesmo, o que levou ao seu fim.

Geralmente, quando pensamos em descobertas arqueológicas nós as associamos à terra e escavações. Mas como o ser humano explorou menos de 5% dos oceanos, vários tesouros perdidos, barcos naufragados, cidades inteiras de séculos atrás e coisas nem mesmo imaginadas podem ser descobertas nas profundezas do oceano.

Como foi o caso dos mergulhadores da Finlândia. Eles fizeram uma descoberta inesperada quando estavam explorando as profundezas do mar Báltico. Os mergulhadores encontraram um naufrágio surpreendentemente bem preservado datado de quase 400 anos.

Descoberta

Publicidade
continue a leitura

Os mergulhadores voluntários da Badewanne, equipe sem fins lucrativos, encontram normalmente relíquias do século XX. Elas foram naufragadas durante as batalhas marítimas da Primeira e da Segunda Guerra Mundial. Por isso que descobrir o que parece ser um navio marcante holandês praticamente intacto do século XVII foi uma surpresa muito grande.

O navio é um exemplo do chamado fluit holandês. Ele foi encontrado perto da foz do Golfo da Finlândia, nas águas mais orientais do mar Báltico. O navio estava  a uma profundidade de cerca de 85 metros. E é como uma cápsula do tempo no fundo do mar já que está completamente preservado e intacto.

Ele tem alguns danos pequenos que foram feitos por conta da pesca de arrasto pelágica com redes de pesca. Mas fora isso, a embarcação está congelada no século XVII graças às propriedades da água nessa parte do mar, como explica a equipe. Nela existe uma combinação de níveis baixos de salinidade, temperatura e luz que permitem que os naufrágios sobrevivam praticamente inalterados por centenas de anos.

Nas águas mais quentes isso não é possível porque os organismos que destroem a madeira florescem e podem fazer danos incalculáveis à relíquias como esse barco.

Navio

Publicidade
continue a leitura

Até mesmo os porões desse navio encontrado estão cheios. Eles carregavam seu estoque de provisões e mercadorias de quando os navios de carga holandeses dominavam, em grande parte, o comércio marítimo naquela parte do mundo.

Esse tipo de navio surgiu no século XVI e sacrificaram tudo pela sua carga importante. Ao contrário de outros barcos da época que foram projetados para serem usados tanto como navio de carga como de guerra.

O fluit de três mastros tinha um design econômico e amplo. Isso para que maximizasse a capacidade de carga. Por conta disso ele podia transportar até o dobro de carga de navios rivais. Além disso, os seus sistemas avançados de amarração garantiam uma capacidade de navegação hábil e que podia ser controlada por uma tripulação pequena. Tudo isso fazia com que o fluit fosse mais lucrativo.

Publicidade
continue a leitura

Possibilidades

Por mais que esse tipo de embarcação tenha sido muito popular entre os séculos XVI e XVIII, poucos deles sobreviveram até os dias atuais. E uma investigação mais profunda dessa descoberta pode mostrar alguns fatos interessantes sobre os tesouros históricos encontrados.

"O naufrágio revela muitas das características do fluit, mas também algumas características únicas, como a construção da popa. Pode ser que este seja um dos primeiros exemplos do projeto. O naufrágio oferece uma oportunidade única de investigar o desenvolvimento de um tipo de navio que navegou por todo o mundo e se tornou a ferramenta que lançou as bases para a globalização moderna inicial", disse o arqueólogo marítimo Niklas Eriksson, da Universidade de Estocolmo, na Suécia, que trabalhará com autoridades finlandesas e outros para estudar o descoberta.

Publicado em: 16/09/20 15h21