Ciência e Tecnologia

O que é o hidrogênio “verde”?

0

Muito se fala em energias limpas e como elas podem ser obtidas. Tudo isso por conta do avanço do aquecimento global e as consequências que ele gera. Agora, a atenção está toda voltada para uma possível solução para o problema: o hidrogênio verde. 

Esse combustível é produzido com eletricidade oriunda de fontes de energia limpas e renováveis, como as de matriz hidrelétrica, eólica, solar e provenientes de biomassa e biogás. Ou seja, ele é obtido sem emissão de CO2. O termo “verde” atribuído a ele é justamente por conta da ausência de CO2.

As expectativas para esse combustível são boas. Cientistas acreditam que até 2030 o hidrogênio verde fornecerá uma abundância de energia, visto que ele tem três vezes mais energia do que a gasolina. Esse combustível será usado para abastecer veículos de carga de longo curso e aviões, além de servir como energia na produção de aço e aquecimento doméstico.

Shutterstock

A produção do hidrogênio verde

É possível que se pense em um combustível criado a partir do hidrogênio porque esse é o elemento mais abundante do Universo. As estrelas, a exemplo do Sol, são formadas principalmente por esse gás, que também pode assumir o estado líquido. Atualmente, o hidrogênio já é usado como combustível, mas cerca de 99% desse produto é produzido por fontes de energia não-renováveis, ou seja, que poluem o meio ambiente.

Menos de 0,1% do combustível é produzido por meio da eletrólise da água, de acordo com a Agência Internacional de Energia. Mas essa realidade está prestes a mudar. Até julho de 2021, cerca de 359 projetos estavam em andamento para a produção do hidrogênio verde em grande escala. Nesse período, US$ 150 bilhões em investimentos já haviam sido direcionados às pesquisas.

Mesmo em abundância, o hidrogênio só existe na Terra em combinação com outros elementos. Assim, utiliza-se nesse processo um método criado há quase 200 anos pelo químico e físico britânico Michael Faraday. Trata-se da eletrólise da água, que separa o hidrogênio do oxigênio por meio de uma corrente elétrica.

hidrogênio verde

iStock

Ao ser separado da água, o hidrogênio se torna altamente inflamável e é armazenado em botijões. No entanto, um dos maiores pontos de dificuldade que se tem hoje na produção desse combustível é o alto custo. O preço do quilo do hidrogênio verde está entre US$ 5 e US$ 8. O objetivo é que, até 2040, esse valor esteja abaixo de US$ 1.

Até o momento, esse é considerado o combustível mais limpo do mundo, já que não gera gases poluentes durante a combustão ou durante a produção. Um dos objetivos com o uso desse produto em larga escala é diminuir e, a longo prazo, até erradicar o uso do petróleo. 

Países empenhados no projeto

A expectativa com o hidrogênio verde é tão alta que já foi criado o Conselho do Hidrogênio (Hydrogen Council, em inglês). Em 2021, o conselho já era formado por 109 empresas globais, com capital somado de US$ 6,8 trilhões.

Seis países são os principais comprometidos com a produção do combustível. A Austrália lidera o ranking em projetos para o hidrogênio verde. O país pretende construir 5 megaprojetos em seu território. O primeiro deles, que prevê a construção de uma série de eletrolisadores, requer o investimento de US$ 36 bilhões e deve estar pronto entre 2027 e 2028. 

Holanda, Alemanha, China (que atualmente é o maior produtor mundial de hidrogênio), Arábia Saudita e Chile são os outros pioneiros no desenvolvimento de hidrogênio verde. Cada um desses países pretende produzir o combustível em massa dentro de suas barreiras. Com investimentos pesados, é possível que na próxima década boa parte da energia dessas nações já seja obtida através de forma limpa.

Casa do BBB 22 terá somente um banheiro com chuveiro

Matéria anterior

Ar puro: como é “feito” o oxigênio hospitalar?

Próxima matéria

Comentários

Comentários não são permitidos