Curiosidades

Os genes da pessoa determinam quanto tempo ela vai viver? A ciência respondeu

0

O que entendemos por expectativa de vida é o número de anos que um grupo de pessoas nascidas na mesma época vai conseguir viver. Essa expectativa é feita com um cálculo, uma média aritmética das idades que as pessoas de determinado grupo analisado morreram.

A relação dessa expectativa de vida com a qualidade de vida de um país é grande porque é possível ver os investimentos em saúde. As pessoas hoje em dia estão cada vez mais preocupadas com a qualidade de vida,  aumentando, consequentemente, suas expectativas de vida.

Em vários países desenvolvidos, a expectativa de vida média é de cerca de 80 anos. Sendo que alguns conseguem viver por mais tempo. A pessoa mais velha que já viveu tinha 122 anos.

Longevidade

Por mais que a morte seja inevitável, a longevidade varia de indivíduo para indivíduo. E vários são os lugares que mostram o que fazer para ter uma vida mais longa e saudável. Mas será que esses “truques” e dicas realmente funcionam? Ou será que a longevidade de alguém já está codificada no seu DNA?

A pergunta “a longevidade é determinada principalmente pela genética?” foi feita a 11 especialistas em envelhecimento, biologia celular e genética. Eles tiveram duas interpretações diferentes a respeito dessa pergunta.

Primeiro, fizeram uma comparação da longevidade com alguma coisa pra responder. Por isso se perguntaram “a longevidade dos humanos em comparação com outras espécies é determinada principalmente pela genética?” e se “a longevidade de alguns humanos individuais em comparação a outros humanos é determinada principalmente pela genética?”

Relação

Os animais diferentes têm tempos de vida diferentes. E a razão disso é genética. Segundo David Gems, professor especialista em envelhecimento da University College London, “a questão pode significar: os limites superiores da longevidade em humanos como espécie são determinados principalmente pela genética, caso em que a resposta é ‘quase certa’. Por exemplo, a expectativa de vida máxima dos seres humanos é aproximadamente o dobro da de nossos parentes mais próximos entre os primatas superiores, como chimpanzés e gorilas”.

Já com relação ao estilo de vida ser mais importante do que os genes nos humanos, a maioria dos especialistas concordou com Gems. Por mais que a genética desempenhe um papel na longevidade, ela não é o principal fator.

A  especialista em anti-envelhecimento e biologia celular e ex-diretora do Instituto Europeu de Bioinformática, Dame Janet Thornton, disse que “a genética é responsável por menos de 30% do efeito, mas é verdade que a longevidade tende a ocorrer nas famílias, ou seja, algumas famílias têm muitos idosos”.

E pode ser difícil determinar se a existência de famílias com vários idosos tem a ver com a genética ou com o ambiente em que eles vivem. Já que várias vezes, os membros da família adotam dietas e estilos de vida parecidos. E estudar o DNA dessas pessoas pode dar mais informações aos pesquisadores.

Observações

De acordo com Ken Parkinson, especialista em antienvelhecimento e oncologia da Queen Mary University London,  “muitos grupos estão tentando entender isso sequenciando o DNA de centenários e supercentenários e realizando análises de todo o genoma”.

O efeito que o estilo de vida teve na longevidade é visto de forma clara quando se observa como a expectativa de vida média aumentou ao longo das centenas de anos.

A longevidade humana individual é afetada pela genética, mas ela não é o principal fator. A professora Lorna Harries, especialista em genética e biologia celular da Universidade de Exeter, resume que “a genética pode te preparar para uma vida longa, mas você precisa fazer as coisas certas para perceber isso”.

Jeff Bezos diz que vai para o espaço em aproximadamente um mês

Matéria anterior

Quantos planetas parecidos com o nosso tem no universo?

Próxima matéria

Mais em Curiosidades

Você pode gostar

Comentários

Comentários não permitidos.