• MAIS LIDAS
  • QUIZ
  • VÍDEOS
  • ANUNCIE


Por que existe tanto petróleo no Ártico?

POR Bruno Destéfano    EM Curiosidades      05/08/19 às 21h29

Por que existe tanto petróleo no Ártico? "A primeira coisa que você percebe [se você olhar para um mapa] é que o Ártico - ao contrário da Antártida - é um oceano cercado por continentes", disse Alastair Fraser. O que o geocientista do Imperial College London quis dizer com isso? Que há uma enorme quantidade de material orgânico disponível, como plâncton e algas. Eles formam a base do que acabará por se transformar em petróleo e gás. E, em segundo lugar, o anel circundante de continentes significa que a Bacia Ártica contém uma alta proporção de crosta continental, que representa cerca de 50% de sua área oceânica. Alastair Fraser ressalta que isso é significativo porque a crosta continental, em oposição à crosta oceânica, normalmente contém depressões profundas chamadas bacias. Nelas, a matéria orgânica afunda.

Esta, por sua vez, fica incrustada no xisto e preservada em águas 'anóxicas'. Ou seja, contêm pouco oxigênio. "Normalmente, em um mar raso com muito oxigênio, não seria preservado. Mas se o mar for profundo o suficiente, o oceano será estratificado. As águas oxigenadas no topo serão separadas das condições anóxicas na base", Fraser explicou. Por que existe tanto petróleo no Ártico?

O processo

Conservada dentro dessas bacias privadas de oxigênio, a matéria orgânica mantém compostos que futuramente a tornará útil como fonte de energia. Conforme as montanhas erodem ao longo de milênios, os continentes também fornecem uma grande quantidade de sedimentos. Todos transportados através de enormes rios para o mar.

Esse sedimento flui para as bacias e cobre o material orgânico. Com o tempo, forma um material duro e poroso ao mesmo tempo (rocha de reservatório). Avançando milhões de anos, temos um processo de camadas repetidas que colocou o material orgânico sob uma imensa pressão.

"A temperatura dos sedimentos nas bacias aumenta aproximadamente 30 graus centígrados a cada 1 quilômetro de sepultamento", disse Fraser. Sob esta pressão intensificadora e calor, o material orgânico transforma-se gradualmente em óleo. As temperaturas mais altas, subsequentemente, formam gás.

E essas substâncias são flutuantes. Elas começam a se mover dentro da rocha sedimentar, que se torna uma espécie de recipiente de armazenamento (o reservatório ). Neste, o petróleo e o gás são extraídos.

Enormes quantidades de matéria orgânica, sedimentos abundantes para bloquear o petróleo e o gás, a geologia subjacente ideal e a grande escala em que ocorrem. Essa é a combinação que torna o Oceano Ártico tão extraordinariamente rico em energia. Por que existe tanto petróleo no Ártico? Bom, aparentemente já temos a resposta.

Uma coisa não leva a outra

Não é só porque o petróleo está lá que significa que deva ser extraído. O afastamento do Ártico, seu gelo marítimo denso e em movimento... icebergs à deriva... farão com que seja um enorme desafio logístico extrair petróleo e gás com segurança.

"Eu realmente não apoio, porque a indústria não tem a tecnologia para fazê-lo com segurança e de forma ecologicamente correta", disse Fraser. "Algumas pessoas vão argumentar que você nunca pode fazer isso no Ártico de uma maneira ambientalmente amigável".

Mesmo em terra, os planos para expandir o desenvolvimento de petróleo e gás no Ártico são tratados com preocupação. O governo dos Estados Unidos pretende começar a alugar terras no Refúgio Nacional de Vida Selvagem do Ártico, no Alasca. Para quem? Empresas privadas de energia.

O refúgio contém uma vasta planície costeira de 607.000 hectares e é rica em petróleo. No entanto, também é uma paisagem diversa que abriga grandes rebanhos migratórios de renas, centenas de espécies de aves e ursos polares. "Tem sido chamado de último grande deserto da América. É uma das paisagens ecologicamente mais ricas dos EUA", disse Garett Rose. Ele é um advogado do Projeto Alaska no Conselho de Defesa dos Recursos Naturais.

Os conservacionistas também se preocupam com a exploração sísmica. Além disso, a construção de estradas e dutos instigará a ascensão de pessoas no local, o que intensificará a pressão sobre a vida selvagem.

Próxima Matéria
Bruno Destéfano
Escritor, fotógrafo e jornalista // Deixe que o conhecimento te revolucione de dentro para fora.
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.


Matérias selecionadas especialmente para você

Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+