Vacina contra a malária pode estar disponível em breve
Tempo de leitura:2 Minutos, 51 Segundos

Vacina contra a malária pode estar disponível em breve

A CBS News revelou recentemente, por meio de uma reportagem, que uma nova vacina contra a malária pode estar disponível em breve. O novo imunizante, segundo a reportagem da CBS News, provou, por meio de testes, ser altamente eficaz. A notícia, obviamente, é considerada pela ciência como um sinal de esperança, afinal, a malária, hoje, é uma das doenças mais mortais do mundo – tão difícil de ser controlada como o novo coronavírus.

Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) mostram que a doença assola cerca de 230 milhões de pessoas anualmente e mata cerca de 400.000, a maioria crianças com menos de cinco anos. “Os novos testes mostraram resultados muito empolgantes. Percebemos níveis de eficácia sem precedentes em uma vacina que foi bem aceita em nosso programa de ensaio”, disse Halidou Tinto, diretor do Instituto de Pesquisa em Ciências da Saúde e investigador principal do ensaio, em um comunicado divulgado pela Universidade de Oxford, Inglaterra.

Vacina

Conforme expôs a reportagem da CBS News, a nova vacina, intitulada como R21 / Matrix-M, foi desenvolvida pelo Instituto Jenner, pertencente à Universidade de Oxford. Os cientistas que desenvolveram o imunizante são os mesmos que produziram a vacina contra o coronavírus, a qual, hoje, é distribuída pela empresa farmacêutica AstraZeneca. No recente ensaio, o imunizante contra a malária mostrou até 77% de eficácia em testes de Fase II.

Cerca de 450 crianças de Burkina Faso – país africano -, com idades entre cinco meses e dois anos, participaram dos testes. O processo durou, ao todo, 12 meses. Os participantes foram divididos em três grupos. O primeiro grupo recebeu uma dose alta da vacina, o segundo uma dose baixa e o terceiro grupo recebeu uma dose da vacina anti-rábica como placebo.

Os pesquisadores envolvidos na produção do imunizante relataram uma eficácia de 71% no grupo que recebeu a dose baixa e eficácia de 77% no grupo que foi contemplado com a dose alta – nesse ínterim, a R21 / Matrix-M torna-se a primeira vacina contra a malária a cumprir a meta da Organização Mundial de Saúde. Para o órgão, os imunizantes produzidos atualmente devem ser, no mínimo, 75% eficazes.

Próximas fases

Para produzir a R21 / Matrix-M, os pesquisadores do Instituto Jenner trabalharam em colaboração com os cientistas do Serum Institute of India e com o fabricante de vacinas Novavax, com sede em Maryland. Para garantir a eficiência do novo imunizante, os pesquisadores precisam realizar uma nova roda de testes. No momento, os cientistas estão recrutando voluntários para ensaios de Fase III.

De acordo com as informações que constam na reportagem divulgada pela CBS News, o objetivo dos pesquisadores é recrutar 4.800 crianças, com idades entre cinco meses e três anos, em quatro países africanos.

“Estamos ansiosos para promover o próximo ensaio, o de Fase III. Com ele, podemos demonstrar com segurança a eficácia de um imunizante que, no futuro, será utilizado em larga escala não só na África mas como também em diversos outros países”, explicou Tinto em entrevista a CBS News.

“A malária é uma das principais causas da mortalidade infantil na África. Estes dados mostram que o licenciamento de uma nova vacina contra a malária é mais do que útil. Felizmente, isso pode acontecer nos próximos anos”, disse Alkassoum Maiga, professor e ministro de Ensino Superior, Pesquisa Científica e Inovação em Burkina Faso. “Essa é a única ferramenta capaz de controlar a malária. É com ela que conseguiremos salvar vidas”.