Os guardas de segurança carregam, desde sempre, uma reputação um tanto quanto específica e até perturbadora. Não vamos generalizar é claro, mas uma boa parte deles carrega uma imagem de serem viciados em poder e controle. Dois vícios, encontrados também em assassinos em série, por acaso ou não. De tempos em tempos, aparecem casos de guardas investigados por seus comportamentos abusivos durante o trabalho. Alguns mais extremos, chegam até a ser acusados de estupros, assassinatos e massacres, dentro e fora do trabalho. E pelo visto, existem mais do que alguns seguranças com más intenções por aí.

Pessoas que deveriam proteger e zelar do patrimônio e da população, acabam sendo, muitas vezes, o próprio mal a qual deveriam proteger. Novamente, não são todos que apresentam esse comportamento, mas também não podemos ignorar os diversos casos terríveis envolvendo profissionais de segurança. Confira a seguir, 7 guardas de segurança mais cruéis de todos os tempos.

1 – Joey Sanza

Em 1982, Theresa Hak Kyung Cha, com 31 anos, estava vivenciando a melhor fase de sua vida. Recém-casada e já uma respeitada autora, poeta e pintora. Mas a sua carreira promissora teve um fim, quando ela teve o infortúnio de entrar, em uma certa noite, no mesmo prédio em que o segurança Joey Sanza trabalhava. Era 5 de novembro daquele ano, e Theresa estava indo ao encontro do seu marido, mas, antes disso, ela encontrou o segurança. Sanza então estuprou e estrangulou a jovem artista até a morte. A essa altura, Sanza já era o principal suspeito de vários casos de agressão sexual, na Flórida. Ele já estava preso quando os investigadores de Nova York o entrevistaram, sobre o assassinato de Theresa, em 1983. Ele acabou sendo condenado a 50 anos de prisão, pelo estupro e assassinato da artista.

2 – Joseph Ferguson

Publicidade
continue a leitura

Foram 24 horas de terror, entre o domingo 9 de setembro e a segunda 10 de setembro de 2001. O causador do pânico era um segurança suspenso, chamado Joseph Ferguson, que fez um atentando contra a cidade de Sacramento, na Califórnia. O segurança, manteve cinco pessoas em cativeiro por um dia inteiro, e o terror só acabou depois que ele matou todos os prisioneiros e se suicidou. Antes disso, Ferguson, fez um vídeo de si mesmo jurando fazer um “show infernal” antes de se matar. O segurança já havia feito ameaças do tipo antes, tanto que os funcionários da Burns International já haviam enviado ao FBI, mas o mesmo não investigou o caso até depois do atentado. Na gravação, o homem também prometeu fazer uma carnificina ainda maior do que a provocada por Nikolay Solltys, que matou sete pessoas no mês anterior.

3 – John Arthur Getreu       

John Arthur Getreu, com 74 anos, foi o mais recente caso de segurança assassino a encontrar justiça. Em maio de 2019, Getreu, um ex-guarda de segurança da Califórnia, foi condenado pelo assassinato, por estrangulamento, de Janet Ann Taylor, de 21 anos, ocorrido em 1974. A condenação aconteceu depois de os investigadores do caso compararem o DNA de Getreu, com o DNA encontrado nas roupas da vítima. Essa foi a segunda vez que o homem foi acusado de homicídio, na década de 1970. No final de 2018, ele já havia sido preso pelo assassinato de outra estudante de 21 anos, Leslie Marie Perlov.

Publicidade
continue a leitura

4 – Steven Hobbs       

     

Steven Hobbs não aparentava, nem de longe, ser um assassino em série. Casado, pai de dois filhos, o guarda de segurança não parecia ser uma ameaça para ninguém. Mas o que ninguém sabia era que o homem, de 40 anos, assassinava prostitutas há quase uma década. Em setembro de 2011, Hobbs foi parado pela polícia por excesso de velocidade. O policial que conduziu a parada encontrou o corpo em decomposição de Wanda Trombley, de 57 anos. A mulher estava desaparecida desde julho. Acredita-se que os assassinatos de Hobbs tenham se estendido desde 2002. No final das contas, é bem provável que o segurança tenha assassinado, pelo menos, 15 prostituas no leste do Texas, entre 2002 e 2011.

5 – Omar Mateen

Publicidade
continue a leitura

Omar Mateen começou a trabalhar como guarda de segurança, em 2007. Na época, ele foi submetido à verificações de antecedentes criminais, mas não passou por uma avaliação psicológica. Por muito tempo, ele trabalhou como guarda desarmado, em uma casa de repouso. Mas em 2013, ele passou a trabalhar como segurança armado em um tribunal. Em 12 de junho de 2016, o segurança, armado com uma pistola semiautomática Glock 17 e 9 mm e um rifle semiautomático, entrou na boate Pulse, em Orlado, e matou 49 pessoas e feriu mais 53. Esse foi o pior tiroteio em massa dos Estados Unidos até 2017, quando em um atentando, em Las Vegas, matou 59 pessoas.

6 – Thiago Henrique Gomes da Rocha

Esse é conhecido de quase todos os brasileiros, Thiago Henrique Gomes da Rocha, o serial killer de Goiânia. Thiago trabalhou grande parte da sua vida como segurança. Em outubro de 2014, ele admitiu que era o responsável pelo assassinato de 39 pessoas. Seus alvos, segundo ele, eram vagabundos, mulheres e homossexuais. Posteriormente, ficou comprovado que ele escolhia aleatoriamente suas vítimas, e que não conhecia nenhuma delas. O serial killer assassinou todas as vítimas usando um revólver calibre 38. O próprio Thiago atribuiu as suas ações a um sentimento de “fúria”, que o deixou com raiva de tudo.

Publicado em: 30/01/20 16h33