Curiosidades

Antiuniverso elimina necessidade de energia escura e matéria escura

0

Os mistérios da expansão do cosmos têm desafiado nossa compreensão do Universo há muito tempo, assim como o antiuniverso.

O modelo padrão, conhecido como Lambda-CDM (Λ-CDM), que significa “matéria escura fria” em inglês, baseia-se na existência de matéria escura e energia escura, conceitos teóricos que nunca foram observados diretamente.

E se a chave para desvendar esses enigmas estivesse em uma ideia ainda mais ousada?

O professor Naman Kumar, pesquisador do Instituto Indiano de Tecnologia, está propondo um modelo revolucionário que pode resolver esse problema de proporções cosmológicas, já que todos os esforços para detectar energia e matéria escuras falharam até agora.

Para eliminar a necessidade desses conceitos, ele sugere que nosso Universo poderia ser parte de um par, conectado a um antiuniverso, um gêmeo cósmico onde o tempo flui na direção oposta à nossa.

Embora seja atualmente a melhor hipótese para explicar a expansão e aceleração do Universo, o modelo Λ-CDM enfrenta muitas questões sem resposta. Sua dependência de conceitos como matéria e energia escura, que nunca foram diretamente observados, o torna vulnerável a críticas e dúvidas.

Essas lacunas em nossa compreensão levaram os pesquisadores a buscar explicações alternativas, teorias que não exigem a existência de entidades “obscuras” para explicar os fenômenos cósmicos observados, como a gravidade excessiva nas galáxias e a expansão do Universo.

Via Wikimedia

A hipótese antiuniverso

A hipótese de Kumar é, no mínimo, audaciosa. De acordo com o pesquisador, nosso Universo poderia ser parte de um par emaranhado com um antiuniverso, um gêmeo cósmico onde o tempo flui na direção oposta.

Embora ousada, esta ideia não é inteiramente nova: em 2018, cientistas do Instituto Perimeter de Física Teórica propuseram um conceito semelhante, sugerindo que nosso Universo era uma imagem espelhada de um universo onde o tempo corre para trás.

Então, o que o professor Kumar traz de novo?

Em seu trabalho, Kumar utiliza conceitos da teoria quântica (entropia relativa) e da relatividade geral (condição de energia zero) para mostrar como o Universo aceleraria naturalmente na presença de um antiuniverso.

A entropia relativa, que requer dois estados, corresponderia ao Universo e ao seu antiuniverso “gêmeo”. A aceleração da expansão seria, portanto, inevitável em universos criados em pares, respeitando a condição de energia zero.

O desafio agora é encontrar uma maneira de confirmar a existência do antiuniverso.

O que é a anti-matéria?

Via GoodFon

A antimatéria é uma forma de matéria composta por partículas que têm cargas elétricas opostas às das partículas de matéria comum.

Por exemplo, enquanto um elétron tem carga negativa, seu equivalente de antimatéria, o pósitron, tem carga positiva. De maneira similar, os antiprótons são equivalentes aos prótons, mas com carga negativa, e os antinêutrons são equivalentes aos nêutrons, mas com cargas internas opostas.

A teoria da antimatéria surgiu no início do século 20, quando o físico Paul Dirac previu a existência de partículas com carga positiva que seriam idênticas aos elétrons, com base em suas equações.

Em 1932, Carl Anderson descobriu o pósitron, confirmando a teoria de Dirac e marcando o início do estudo da antimatéria.

Quando a antimatéria encontra a matéria, ambas se aniquilam em um processo chamado aniquilação, liberando uma grande quantidade de energia na forma de raios gama. Este fenômeno é descrito pela famosa equação de Einstein, E=mc², onde a massa das partículas é convertida em energia.

Tem aplicação?

A antimatéria tem aplicações práticas e teóricas significativas. Em medicina, os pósitrons são usados na tomografia por emissão de pósitrons (PET scans) para diagnósticos detalhados.

No campo da física, a criação e estudo de antimatéria ajudam a entender as simetrias e assimetrias no universo, especialmente no contexto da grande questão de por que o universo é predominantemente composto de matéria e não de antimatéria.

No entanto, a produção e armazenamento de antimatéria são desafiadores devido à sua propensão a se aniquilar ao contato com matéria comum.

Experimentos em aceleradores de partículas, como o CERN, produzem pequenas quantidades de antiprótons para estudo, mas criar e armazenar quantidades significativas de antimatéria permanece um grande desafio tecnológico.

 

Fonte: Inovação Tecnológica, Wikipedia

Imagens: GoodFon, Wikimedia

Usina de Três Gargantas: a maior hidrelétrica do planeta

Artigo anterior

Ucrânia reconhece ‘calmaria’ após ataque contra bases de mísseis da Rússia

Próximo artigo