• MAIS LIDAS
  • QUIZ
  • VÍDEOS
  • ANUNCIE


Esse veterinário tratou a gatinha de pelúcia de uma menina com autismo

POR Bruno Dias    EM Compartilhando coisa boa      15/02/19 às 15h00

A afeição que nós somos capazes de desenvolver com os nossos animais de estimação, é algo quase que inexplicável. Fazemos tudo para protegê-los e tentamos dar sempre o melhor para eles. Desde caminhas, passando por brinquedos e até mesmo festas de aniversário. E com qualquer sinal de problemas de saúde, já corremos para um veterinário.

E a ida de um pet ao veterinário é uma coisa corriqueira que não faria muita notícia, mas o caso que aconteceu na pequena cidade de Moses Lake, no distrito de Washington, foi diferente. Uma menina com autismo foi até a Pioneer Veterinary Clinic, onde o veterinário Dick Maier fez uma consulta especial.

Segundo o que foi divulgado na página da clínica: "tivemos a visita de uma linda menina. Jazmine, 6 anos, que tem necessidades especiais, estava extremamente preocupada com sua gata de estimação".

O que fez com que Jazmine fosse ao consultório de Maier, foram os arranhões que a gatinha de chamada Donnie tinha em sua pata dianteira. O boletim médico foi feito, informando os ferimentos do animal. Acontece que a gata não era uma gata de verdade, e sim de pelúcia.

A mão de Jazmine, Susie Efigenio, contou que a filha está dentro do Transtorno do Espectro Autista (TEA), que é o nome dado ao conjunto de transtornos que afetam o desenvolvimento, comunicação e interação social de uma pessoa.

Segundo Susie, quando a proposta de levar a gatinha de pelúcia até o veterinário foi dada, a menina se encheu de felicidade. Então Susie ajudou a fazer com que a consulta fosse possível e levou sua filha até Maier.

Consulta

Por mais que a gatinha fosse de pelúcia, o veterinário não deixou passar nada e fez a consulta como se o animal fosse de verdade. E a equipe da clínica também fez questão de que a preocupação da dona do animal fosse respeitada.

Com a preocupação da menina, a equipe pegou os dados sobre a história de vida de Donnie, seu peso, e ainda fez exames físicos como avaliação da atividade cardíaca e respiratória, e também examinou os arranhões que eram a preocupação da dona.

Depois que a avaliação do animal foi feita e a dimensão dos ferimentos foi averiguada, o veterinário e a menina foram conversar sobre o que poderia ser feito para tratá-la. A conclusão foi que, para os arranhões, apenas curativos eram suficiente e eles foram colocados nos machucados da gatinha. E Maier ainda recomendou à Jazmine que deixasse os curativos por alguns dias para que o tratamento fosse bem sucedido.

Outra recomendação do veterinário foi que Jazmine desse para a gata muito amor e carinho para que tudo fique bem. Quando a menina saiu da clínica, ela agradeceu o médico. Essa consulta poderia facilmente ter sido ignorada pelo médico, mas foi a paciência e o tato dele para com a garotinha com autismo e sua gata de pelúcia, que fizeram com que a menina voltasse para casa com a certeza de que sua gata de pelúcia ficaria bem e que ela tinha feito tudo que podia para que ela melhorasse.

Próxima Matéria
Via   Vix  
Imagens Facebook
Bruno Dias
EQUIPE FATOS DESCONHECIDOS, BRASIL
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.


Matérias selecionadas especialmente para você

Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+