Curiosidades

Louva-a-deus que passou por cirurgia não resistiu e morreu

0

Recentemente, o veterinário Luiz Fernando Guaraná viralizou nas redes sociais quando mostrou o atendimento que fez a Karla, um louva-a-deus que rompeu o abdômen quando caiu de um armário. O médico trabalha na Exotic Pets, uma clínica veterinária de São Paulo, que é especializada em atendimento a animais de estimação não convencionais.

A louva-a-deus passou por uma pequena cirurgia de sutura na região do abdômen depois de ter caído de um armário, mas infelizmente Karla morreu depois de ter feito o procedimento. Quem informou a morte do animal foi  próprio veterinário através da sua conta no Instagram.

“Infelizmente, a Karla acabou falecendo. Ela se recuperou da anestesia e da cirurgia, a gente até pode colocar os vídeos aqui para vocês em outra publicação. A gente fica bem triste, bem chateado. Esse não era o desfecho que a gente queria. Fique a lição para a gente de valorização da vida, com qualquer indivíduo que seja. Fica uma gratidão muito grande”, disse o veterinário.

Caso

G1

Para quem não se lembra do caso, o veterinário da Exotic Pets atendeu a louva-a-deus recentemente. E mesmo que ele trabalhe em um clínica de pets não convencionais, Karla, com certeza, foi a mais exótica que ele atendeu até o momento.

“Agora, quando me perguntarem que animal mais estranho que eu já atendi na clínica, a minha resposta, certamente, vai ser louva-a-deus. Hoje, foi dia de fazer um atendimento inusitado, único, uma experiência completamente diferente de todas as outras. Com o desfecho, até o momento, muito bacana”, disse o veterinário em um vídeo.

Além do animal de estimação ser incomum, uma das coisas que chamou atenção de Luiz Fernando foi a relação entre Karla e a família dona do pet. “Os proprietários possuem outro louva-a-deus em casa, ambos criados como pets, com nomes e características próprias. Hoje me tocou muito ver o apego da família e o quão preocupados estavam com o animal, isso é valorizar cada vida independente da espécie que estamos lidando”, comentou o veterinário.

Louva-a-deus

G1

Ter um louva-a-deus como pet é bastante incomum. Mas esses animais têm comportamentos que chamam a atenção e muita gente não sabe. Por exemplo, as fêmeas de louva-a-deus comem os seus companheiros. Claro que esse comportamento tem uma razão de existir.

De acordo com um estudo de 2016, publicado nos Proceedings da Royal Society B., o motivo para isso acontecer poderia ser porque quando o macho é comido, ele aumenta a chance de transmitir seus genes.

Cerca de 25% dos encontros sexuais de um louva-a-deus incluem canibalismo, em que a fêmea literalmente arranca a cabeça do companheiro fora. Com isso, ele está, em essência, oferecendo seu corpo como um presente. Esta dádiva sexual não é incomum em insetos.

De uma perspectiva evolutiva, essa prática faz muito sentido. Até porque, as fêmeas de louva-a-deus podem compartilhar o aumento de nutrientes com seus ovos fertilizados, o que dá aos filhotes uma melhor chance de sobreviver.

“O canibalismo sexual aumenta o investimento do macho nos descendentes”, disse Wiliam Brown, co-autor do estudo e cientista da Universidade do Estado de Nova York.

Para ter certeza desse benefício do canibalismo dos louva-a-deus, os pesquisadores incorporaram aminoácidos radioativos rastreáveis em grilos, que então serviam de alimento para uma população de louva-a-deus machos. Depois, cada um desses machos foi colocado em par com uma fêmea.

Seguindo o fluxo dessas proteínas radioativas através dos corpos das fêmeas, os cientistas conseguiram rastrear a contribuição feita pelos machos recém-devorados. Os machos que foram comidos passaram adiante cerca de 90% dos aminoácidos observados, enquanto os que sobreviveram transmitiram 25% deles. Todos foram entregues via ejaculação.

Uma parte significativa dos aminoácidos foi passada para os bebês, o que indica que não foi totalmente metabolizada pelas fêmeas. Isso significa que, além da ejaculação do macho, seu tecido corporal também estava sendo usado na produção de ovos. O macho, através da sua morte, fornece alimentos para a sua prole.

Além disso, as fêmeas de louva-a-deus que comeram seus parceiros produziram mais ovos do que as que não comeram. Em média, as fêmeas canibais produziam cerca de 88 ovos, enquanto as outras produziam cerca de 37.

Fonte: G1, Gizmodo

Imagens: G1

Australiano luta contra canguru para defender cachorros

Matéria anterior

Felicidade do brasileiro caiu 18 pontos percentuais em 9 anos, diz estudo

Próxima matéria

Comentários

Comentários não são permitidos