Notícias

Marmiteira do Paraná oferece refeições gratuitas para quem não tem condições de pagar

0

Não ter a próxima refeição garantida é uma das piores situações que uma pessoa pode passar. Infelizmente, essa é a realidade de milhões de pessoas. Porém, as pessoas em situação de rua e de vulnerabilidade social em Maringá, no Paraná, podem contar com apoio para aliviar a fome.

Isso porque uma empreendedora decidiu causar um impacto em sua comunidade e convidou essas pessoas para buscar refeições gratuitas em sua marmitaria. Todos os dias, Marilys Chagas doa entre 15 e 20 marmitas para quem não tem as condições de pagar por uma. Para sinalizar isso à população vulnerável, ela fincou uma placa em frente ao seu estabelecimento. “Não fique com fome. Se você não pode comprar sua refeição, retire aqui. Gratuito. Deus ama a todos”, diz.

Assim, a marmitaria Divino Sabor Maringá está aberta há quatro anos. Com o tempo, a proprietária percebeu que sempre havia uma sobra de comida, que não poderia ser reaproveitada. Então, Marilys lembra que avaliou que não poderia aceitar que a comida fosse desperdiçada quando existem diversas pessoas que passam fome nas ruas.

“Desde criança, quando chegavam pessoas batendo na nossa porta pedindo, eu pegava alimentos das latas de mantimento da mamãe e doava escondido do papai. Era escondido porque a nossa situação também era difícil. Com a marmitaria, vi que poderia ajudar muitos”, contou em entrevista ao UOL.

Dessa forma, a placa foi para a frente da loja há cerca de um ano e meio. Então, com a pandemia do Covid-19, ela recebeu bem menos clientes e as sobras aumentaram. Por esse motivo, a marmiteira bolou a estratégia para ajudar ainda mais pessoas a conseguirem refeições.

Marmiteira oferece refeições gratuitas para pessoas vulneráveis

Arquivo Pessoal

“Dessa forma, as pessoas não precisam ficar se explicando ou retratando as suas condições. Elas chegam e pedem as marmitas da doação. Geralmente, são os moradores de rua, catadores de reciclável etc. Eu não deixo sair sem o alimento porque acho tão constrangedor a pessoa pedir. Se a pessoa foi pegar a doação é porque precisa”, disse.

Além disso, Marilys explica que o cardápio da marmitaria é variado e muda todos os dias. Ela é responsável por todo o trabalho, desde a escolha e compra dos produtos até o cozimento e distribuição das refeições.

“Lavo louça, cozinho, faço a montagem das marmitas e ainda atendo telefone, envio o cardápio para os clientes, anoto os pedidos. Sou mil utilidades. Fora o marcado, que vou todos os dias às 6h”, ressaltou.

A dona do estabelecimento que distribui as refeições gratuitas diz que as doações saem do próprio negócio e que ainda não tem apoio externo. Contudo, ela ressalta que aceitaria doações de peito aberto, visto que permitiria ampliar seu alcance.

“Não deixo o barco afundar. Se vierem doações, serão muito bem-vindas. Mas até hoje foi somente eu e Deus. Esse trabalho é meu maior prazer. Não tem alegria maior para mim do que saber que a pessoa estava com fome e saiu de lá alimentada”, destacou.

Empatia

A venda das marmitas foi o plano de Marilys para conseguir alimentar sua própria família após ficar viúva e responsável por quatro filhos. Logo, ela lembra que, na necessidade, ela arregaçou as mangas e trabalhou duro, fazendo comida para vender. Sua infância também foi difícil, fase em que ela aprendeu a exercer a empatia, uma recordação que ainda é motivo de emoção.

“Preciso vender porque tiro meu sustento daqui, mas não me esqueço da minha fase difícil. Eu me coloco no lugar dessas pessoas. Por isso, faço de tudo para continuar oferecendo essas refeições”, disse Marilys.

Como ajudar

Para ajudar Marilys a distribuir refeições gratuitas para quem não tem as condições de pagar, basta entrar em contato com ela pelos telefones: (44) 99910-6287 e (44) 3023-4107. Se quiser ajudar com doações em dinheiro, use o código PIX: 02433295980 (chave-CPF).

Fonte: UOL

Piloto dorme durante voo e autoridades da França acionam caças aéreos

Matéria anterior

Anitta se torna sócia da Fazenda Futuro

Próxima matéria

Comentários

Comentários não são permitidos