Curiosidades

Por que os carros antigos eram mais resistente a uma batida?

0

Carros são veículos motorizados com rodas, que são usados para o transporte. Eles se popularizaram em um nível global no século XX, e as economias foram desenvolvidas com bastante dependência deles. Foi em 1886 que o nascimento do carro moderno aconteceu. Nesse mesmo ano que Karl Benz patenteou seu Benz Patent-Motorwagen.

Um dos primeiros carros, que foram acessíveis às massas, foi o 1908 Model T, que foi um carro americano, fabricado pela Ford Motor Company. Desde a sua criação até os dias de hoje, os carros sofreram grandes mudanças. Mas algumas, a princípio, não parecem tão boas.

Por exemplo, os carros atuais saem bem mais amassados de uma batida em um poste ou de uma colisão com outro carro do que os carros antigos. A princípio, isso parece ser uma coisa ruim, mas a realidade é totalmente o contrário. Isso, na verdade, é um sinal da evolução tecnológica da segurança veicular. Isso porque, hoje em dia, se prioriza a integridade das pessoas que estão dentro do carro e não o automóvel.

Motivo

Auto esporte

Por isso que os veículos hoje em dia são construídos para absorver a energia de um impacto e conseguir impedir que ela seja transferida para o motorista e para os passageiros que estão dentro dele.

Um ótimo exemplo disso é o capô do veículo. Antigamente, essa peça era tão rígida que, em uma batida, muitas das vezes ela era arremessada inteira, como se fosse uma guilhotina. O pior de tudo é que, em alguns casos, ele ia para dentro do carro e realmente decapitava os passageiros. Atualmente, o capô tem zonas de deformação programadas.

Em outras palavras, ele realmente é feito para virar uma sanfona em colisões mais fortes. Com isso, ele segura o tranco e ajuda a minimizar os riscos de quem realmente importa, ou seja, as pessoas dentro do veículo.

Carros

The city fix

Por mais que os carros sejam dispendiosos, isso não quer dizer que eles deixaram de ser objeto de desejo de muitas pessoas. Contudo, conforme o tempo vai passando, e as pessoas tomam mais consciência sobre o futuro, e o impacto que eles têm no meio ambiente, o uso deles começa a ser um pouco restrito.

Por exemplo, de acordo com um estudo feito pela Universidade de Oxford, cerca de 10 mil pessoas morrem de forma prematura, na Europa, em decorrência da poluição causada por carros a diesel.

Então, algumas cidades realmente grandes estão buscando alternativas para por fim nos altos índices de poluição. Entre as medidas tomadas está a diminuição da frota de carros. As cidades têm proibido a circulação dos carros em algumas vias em específico, outras têm proibido a circulação em alguns dias da semana.

Como resultado, além de melhorar os níveis de poluição, a proibição dos veículos ajuda também a melhorar o fluxo do trânsito nas cidades. Mas não é que todos os carros estão impedidos de circular. As proibições são voltadas principalmente para os veículos antigos e movidos a diesel, já que eles são os mais poluentes.

Madri, por exemplo, proibiu a veiculação de carros a gás fabricados antes de 2000, e os veículos a diesel produzidos antes de 2006. Em Paris, o primeiro domingo de cada mês é livre de carros nas principais vias. O objetivo é melhorar os níveis de poluição da cidade.

No entanto, não são apenas as cidades europeias que estão criando medidas quanto aos carros. A cidade de Nova York, por exemplo, já proibiu o trânsito de carros em suas áreas populares. Dentre elas, a região do Central Park. Até mesmo São Paulo começou a deixar os domingos livres de automóveis na Avenida Paulista para que as pessoas aproveitem o dia e todo o espaço sem os veículos para atrapalharem.

Fonte: Superinteressante, Consumidor moderno

Imagens: Auto esporte, The city fix

Expressões capacitistas, como ‘fingir demência’, para banir do vocabulário

Matéria anterior

Conheça os consultores de ciência de Hollywood

Próxima matéria

Comentários

Comentários não são permitidos