Curiosidades

Anvisa aprova produto medicinal novo à base de cannabis no Brasil

0

Há muito tempo, o mundo todo discute se a cannabis, ou maconha, como é mais conhecida, deve ou não ser legalizada. Este é um assunto que sempre divide opiniões. Por mais que a maconha tenha sido usada durante muito tempo como uma erva medicinal, principalmente com função de analgésico, ela tem seu uso proibido em alguns países, já que também é utilizada como instrumento de fumo por muitas pessoas, fato que é considerado algo nocivo para a saúde humana.

Contudo, em alguns países, a cannabis já foi descriminalizada e remédios à base da planta ou de seu extrato são comercializados. O canabidiol, por exemplo, é uma substância que é extraída da planta de maconha. Essa substância é usada no tratamento de doenças psiquiátricas ou neurodegenerativas, como por exemplo a esclerose múltipla, esquizofrenia, mal de Parkinson, epilepsia ou ansiedade.

Os componentes presentes na maconha também ajudam no tratamento da dor, alívio de náuseas e vômitos causados por quimioterapia, e estimulam o apetite em pacientes com AIDS ou câncer. Eles também podem auxiliar no tratamento da obesidade, ansiedade e depressão, além de diminuir a pressão intraocular, algo muito útil nos casos de glaucoma.

Aprovação

Agita Brasília

No Brasil, o uso da cannabis ainda é ilegal. Entretanto, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou na segunda-feira dessa semana mais um produto medicinal à base de cannabis no Brasil, o Canabidiol Active Pharmaceutical. Sendo assim, ele é o 15° produto à base de cannabis aprovado no nosso país.

Para que ele seja comercializado, o produto tem que atender algumas especificações, como por exemplo, ter 20 mg/ml de canabidiol (CBD) e até 0,2% de tetrahidrocanabinol (THC). No caso do Canabidiol Active Pharmaceutical, ele será produzido no Canadá e comercializado no Brasil.

Quando chegar ao Brasil, o Canabidiol Active Pharmaceutical será comercializado em farmácias e drogarias do país, mas quem poderá comprar serão apenas as pessoas que tiverem prescrição médica com receitas do tipo B, com a cor azul.

Cannabis

Go outside

O caminho para a aprovação de medicamentos à base de cannabis, felizmente, parece estar sendo percorrido de forma “rápida” e constante. Isso porque, em 2020, a Anvisa aprovou o registro e autorizou a comercialização de um fármaco à base do canabidiol.

Na época, o gerente de medicamentos específicos da Anvisa, João Paulo Silvério Perfeito, disse em entrevista que ele tinha sido o primeiro medicamento à base de canabidiol aprovado pela agência, e também que seria o primeiro a ser comercializado em farmácias e drogarias “exclusivamente sob a dispensação de um farmacêutico”, ressaltou.

O produto em questão era um fitofármaco, que tem uma concentração de THC (Tetra-hidrocanabinol) de até 0,2%. O remédio só pode ser comprado se a pessoa tiver uma receita médica de controle especial. De acordo com a Anvisa, “o canabidiol poderá ser prescrito quando estiverem esgotadas outras opções terapêuticas disponíveis no mercado brasileiro”.

A agência também disse, na época, que os pacientes devem ser informados quando os médicos lhes prescreverem esse produto em específico.

“As informações fornecidas devem contemplar: os riscos à saúde envolvidos; a condição regulatória do produto quanto à comprovação de segurança e eficácia, informando que o produto de Cannabis não é medicamento; os possíveis efeitos adversos, como sedação e comprometimento cognitivo e os cuidados na utilização”, disse a Anvisa.

Produção

Portal Veg

Além disso, desde o dia 10 de março de 2020, existe uma resolução que criou uma categoria nova para os produtos derivados de cannabis. Desde então, as empresas que produzem o remédio já puderam solicitar o pedido de autorização para a Anvisa.

Essa autorização é feita pela Anvisa e exclusivamente para medicamentos. Ou seja, ainda é proibido o plantio. O regulamento trata o uso dos medicamentos especificamente para tratamentos humanos. Isso quer dizer que não poderão ser usados em animais.

Fonte: UOL, G1

Imagens: Agita Brasília, Go outside, Portal Veg

Johnny Depp afirma que Disney o expulsou de “Piratas do Caribe”

Artigo anterior

Essa mulher faliu duas vezes antes de criar franquia de beleza que fatura R$ 8 milhões

Próximo artigo