CuriosidadesEntretenimento

Conheça o potente site de fofocas do mundo gospel

0

Já viu alguma pessoa pregando uma coisa e praticando outra? Pois é, isso se aplica em várias áreas de nossa vida. Porém, no mundo gospel, essa discrepância pode gerar ainda mais problemas. Por isso, um alagoano criou um site com o nome Fuxico Gospel, que busca revelar as hipocrisias cometidas por alguns pastores e cantores.

Nesse sentido, a página já tem 11 anos de existência e chega a bater 2,5 milhões de acessos mensais. Na maioria das vezes, são os fiéis que deduram seu próprios líderes espirituais, o que gera uma série de conteúdos que exigem respostas dos protagonistas.

Fonte: Fox

Modus Operandi das fofocas

A princípio, o jornalista Isael Nascimento já se voltava para o público das igrejas. Sendo assim, ele publicava diversas informações sobre o mundo religioso, como datas de grandes eventos e instalações de novas unidades. Porém, ele começou a perceber que seu público tinha uma simpatia pela fofocas de bastidores.

Conforme o mundo gospel começou a gerar cada vez mais estrelas, o engajamento do site aumentou ainda mais com esses conteúdos fuxiqueiros. Logo, coube a Isael direcionar todas as suas energias a este tipo de informação mais comprometedora.

De acordo com o jornalista, ele já recebeu cerca de 15 processos por conta das notícias que escreve. Afinal, ele lida com pessoas que vendem uma moralidade inabalável. “Quem entra com ação é líder religioso porque possui departamento jurídico para isso, mesmo que ele esteja errado, só para dar trabalho e pressionar os sites. Os cantores, geralmente, não têm tanto dinheiro para gastar com advogado”, explica o alagoano ao portal Tab Uol.

Fonte: Sora Shimazaki

Até o momento, ele só perdeu uma das causas, e segundo Isael, foi porque a notificação não chegou até ele, o que lhe fez perder a audiência. Todavia, no tribunal da internet, a tendência é que a parte perdedora seja sempre o líder religioso em exposição.

Conforme percebe o jornalista, o controle da crise que a fofoca gera possui passos parecidos. De início, pastores e cantores fecham os comentários de suas postagens, a fim de censurar as opiniões que colocam ainda mais pimenta no cancelamento.

Em seguida, entra uma nota negando os fatos relatados pelo Fuxico Gospel, no entanto, uma hora a casa cai. E quando isso ocorre, a figura pública chega com um vídeo confessando que errou e prometendo mudança.

Casos emblemáticos

Em suma, a página já esteve no pivô de grandes polêmicas do mundo gospel, a ponto da recém-convertida Maju Trindade publicar no Twitter: “crentaiada fofoqueira”. Um desses episódios foi na comunidade da Igreja Deus Que Sara, quando vazou uma gravação em que a pregadora Isa Reis revela que traiu o seu marido, após 20 anos de casamento.

Posteriormente, surgiu o clássico vídeo de pedido de perdão. “Eu pequei, eu falhei”, disse ela seguindo o roteiro com extrema precisão. Porém, no final ela diz que vai tomar as devidas providências quanto ao que ela chama de divulgação de “não verdades”.

De acordo com Isael, diversos comentários passam pano para as ações dizendo que os fatos são tentação do diabo. No entanto, o que move a página continua sendo a busca incansável por fofocas de personalidades do mundo gospel. Afinal, as pessoas ficam se perguntando como as pessoas que elas admiram podem agir de tal forma.

A propósito, aqui se instala um dilema quanto à “santidade” da fofoca. Em primeiro lugar, sabemos que essas informações são mal vistas pela bíblia, a qual agrega dois pecados a ela: maledicência e murmuração. Entretanto, o trabalho que Isael faz costuma usar do artifício da fofoca para revelar uma série de outras posturas não cristãs.

“Os membros ficam muito incomodados quando seu próprio pastor prega uma postura e vive outra. É o fiel que dedura, passa mensagens e áudios. Depois, a gente confirma a história com outros irmãos, entra em contato com a igreja para ver como vão se posicionar e publica. Menos de 10% das polêmicas surgem de uma igreja que denuncia a outra”, relata ele.

Fonte: Tab Uol.

Vitão é elogiado por indígenas depois de discurso no Domingão

Matéria anterior

Frentista revidou assédio e bateu em homem que lhe passou a mão

Próxima matéria

Comentários

Comentários não são permitidos