Curiosidades

Depois de 12 anos da inseminação, mulher conhece doador e se apaixona

0

Ter um filho pode ser um momento bastante esperado e imaginado para várias mulheres, mas é sempre preciso ter certeza de que este é o passo correto a se tomar. Mesmo que saibam que é o momento, nem toda mulher consegue achar um parceiro para dividir esse sonho. Felizmente, hoje em dia já existem algumas possibilidades para essas mulheres que querem ser mães, mas não têm um parceiro ao lado.

Esse foi o caso de Jessica Share. A mulher queria ser mãe, mas não tinha um parceiro. Então, ela foi até um banco de esperma para começar a sua família. Contudo, a mulher não poderia imaginar o que o futuro a reservava. Mais de uma década depois, Jessica se apaixonou pelo doador do esperma que gerou sua filha. Atualmente, os três vivem juntos em Seattle.

Segundo contou a mulher em uma entrevista à BBC, ela e sua ex-esposa queriam ter filhos juntas. “Desde que nos conhecemos, sonhávamos em ter filhos juntas. Decidimos que teríamos quatro e escolhemos os nomes”, contou.

Filha

Metrópoles

A primeira filha delas, Alice, nasceu em 2005. A filha veio depois de o ex-casal descobrir um banco de esperma em que os doadores anônimos assinavam um termo que os impedia de pedir a custódia das crianças que eles ajudaram a gerar.

Então, a mulher foi até o banco. Para escolher o doador, Jessica escolheu alguém parecido com sua companheira na época, ou seja, um escritor e taxista com estatura e peso medianos, cabelos castanhos ondulados e que havia estudado literatura.

Foi então que, seis meses depois, a mulher passou pela gravidez de sua primeira filha. A identidade do doador era anônima, e Jessica também pensava que nunca o conheceria.

O então casal ficou apaixonado por Alice quando ela nasceu. Por conta disso, elas encomendaram esperma do mesmo doador e repetiram o procedimento. Mas dessa vez, quem deu à luz a segunda filha do casal foi a ex-mulher de Jessica, quando Alice tinha 18 meses.

Procura

Metrópoles

Quando a primeira filha do casal completou três anos, as mães se separaram. Durante muitos anos as duas viveram bem, até que a ex-mulher de Jessica cortou totalmente o contato com ela e ficou com a filha mais nova do casal.

Nisso, Jessica e Alice estavam procurando intensamente quem tinha sido o doador do esperma que gerou a menina. Depois de uma pesquisa intensa, elas descobriram que o doador era um homem chamado Aaron Ling, morador de Seattle.

“Concordamos em nos tornar amigos em uma rede social, e Aaron me enviou uma história de 50 páginas contando sobre sua vida, que eu devorei”, lembrou a mulher.

Envolvimento

Metrópoles

Depois disso, o laço entre a mulher e o doador de esperma foi se estreitando e os dois acabaram se envolvendo.

“É difícil dizer se o DNA desempenhou um papel no nosso relacionamento. Eu sei que me sinto atraída por Aaron por todas as razões que me pareceram maravilhosas quando o escolhi em um catálogo de doadores de esperma anos atrás”, explicou Jessica.

Hoje em dia, a mãe, o pai e a filha moram juntos. E o curioso é que Aaron estima que pode ter até 67 filhos biológicos. “O prédio pode acabar ficando pequeno para acomodar todos eles, mas eu tenho sanduíches e as portas estão abertas”, brincou a mulher a respeito desse assunto.

Inseminação

Pais e filhos

Mesmo que uma mulher tenha o sonho de ser mãe, não são todas que conseguem ir até clínicas de fertilização pois elas são bem caras. Uma delas é Stephenie Taylor, de 33 anos, de Nunthorpe, em North Yorkshire, na Inglaterra.

Depois de ver o alto custo que esse caminho para a maternidade teria, Stephenie resolveu seguir outro. A mulher comprou um “kit de inseminação” online. Depois disso, ela entrou no aplicativo “Just a baby”, uma versão parecida do Tinder, mas onde se consegue encontrar doadores de esperma, os chamados “sócios de concepção”.

No app, a mulher buscou um sócio de concepção que atendesse aos requisitos que ela buscava. De acordo com Stephenie, o doador foi bem amável, carinhoso e simpático.

A inseminação foi feita pela própria mulher, em sua casa mesmo, com a ajuda do kit que ela tinha comprado. Stephenie foi assistindo tutoriais no YouTube para que conseguisse fazer sua própria inseminação, e felizmente ela conseguiu ter sua bebê.

Fonte: Metrópoles, Pais e filhos

Imagens: Metrópoles, Pais e filhos

Anitta é acusada de manipular algorítimo do Spotify com Envolver

Artigo anterior

Netflix tem queda no número de assinantes pela 1ª vez em 10 anos

Próximo artigo