Compartilhando coisa boa

Mulher encontra 170 mil reais dentro de poltrona que ganhou

0

Sabe aquele ditado “Achado não é roubado”? Pois é, em alguns momentos, precisamos deixar ele de lado e nos guiarmos pela sensatez e honestidade. Foi o que fez a estadunidense Vicky Umodu, ao receber uma poltrona com 36 mil dólares (170 mil reais) guardados dentro do assento.

Em seguida, a moradora de Colton, cidade da Califórnia, procurou a pessoa que lhe fez a doação do móvel e devolveu cada centavo que achou. Como resultado disso, o doador deixou uma ótima recompensa em dinheiro para Vicky, em retribuição ao honesto ato que ela teve.

Fonte: Reprodução / ABC News

Achado e devolvido!

A princípio, a sala da casa da californiana tinha acabado de receber um novo item: uma poltrona que passou pelo uso de outra família. Este móvel veio por meio do Craiglist – um site que permite que cidadãos estadunidenses façam anúncios de vendas e doações sem precisarem pagar pelo serviço.

Enquanto usava o objeto de descanso, a mulher notou que havia uma espécie de caroço no assento. De início, ela pensou que aquele volume se devia a um tipo de assento que aquece a fim de ajudar pessoas que possuem problemas nas costas.

No entanto, Vicky resolveu olhar com mais cuidado, abrindo o zíper da capa da enorme almofada. Então, ela se deparou com doze envelopes, que juntos, guardavam 36 mil dólares (170 mil reais) em dinheiro vivo.

Imediatamente, a mulher pediu ao seu filho que a colocasse em contato com a pessoa que doou a poltrona. “Temos que ligar para o cara”, disse ela após a surpresa.

Fonte; Vicky Umodu

Em seguida, ela devolveu toda a quantia sem ficar com nenhum centavo. O retorno veio por meio do doador do móvel, que deu 2.200 dólares (10 mil reais) para a moradora da Califórnia.

De acordo com o rapaz, a poltrona fazia parte dos pertences de um ente querido que faleceu. Agora, os membros desse núcleo familiar desconfiam de outros lugares em que o misterioso poupador pode ter deixado valores. Dessa forma, todos se colocaram em uma espécie de caça ao tesouro pelos pertences do ente.

Com 2200 dólares na conta, Vicky já tem ideia do que fará com o dinheiro que achou na poltrona: comprar uma geladeira. “Deus tem sido gentil comigo e com meus filhos. Eles estão todos vivos e bem, eu tenho três lindos netos, então o que posso pedir a Deus?”, questiona ela durante a entrevista à ABC News.

Agora um final infeliz

Em linhas gerais, essa história se parece com a de um outro estadunidense, o qual comprou um cofre que, dentro dele, havia 24 mil dólares (126 mil reais). No entanto, diferente do que fez Vicky, este comprador não devolveu a quantia a quem lhe vendeu o objeto.

A princípio, James Labrecque queria dar um fim em um cofre velho que estava ocupando espaço em sua casa. Além disso, ele não tinha a combinação para abrir o recipiente, logo, na cabeça dele, não faria sentido ficar com a bugiganga.

Fonte: Nathan Cowley

Sendo assim, ele colocou o objeto à venda no eBay por 97 dólares (500 reais). Logo, apareceu um comprador do outro lado do país, mais especificamente do estado do Tennessee. Após realizar a aquisição virtual, o novo dono do cofre fez o que James não pensou, e levou o objeto até um soldador.

Em seguida, tanto ele quanto o profissional que abriu o recipiente ficaram espantados com a quantidade de dinheiro que estava guardada. Tratava-se de nada mais nada menos que 24 mil dólares (126 mil reais), o que representa 257 vezes o preço pago pelo produto usado.

Depois de perceber a besteira que fez, James ficou em puro desespero. Dessa forma, ele se humilhou para o novo dono do cofre para que devolvesse o objeto com a quantia dentro.

Obviamente, a resposta do comprador foi “não!”. Ainda assim, o californiano pediu pelo menos uma parte do dinheiro para compensar a lástima que sentia. Porém, o sortudo do Tennessee disse que era ele o detentor de tal descoberta, logo, não era justo que ele dividisse o valor.

Fonte: Só Notícia Boa.

Laurinha, a pequena diva carioca, surpreende a todos

Matéria anterior

Como fazer uma poção do amor segundo a ciência

Próxima matéria

Comentários

Comentários não são permitidos