Fatos Nerd

Por que a Disney tem investido tanto em remakes live-action?

0

Por vezes, já apresentamos, criticamos e até noticiamos o sucesso de alguns remakes da Disney. No entanto, nunca chegamos a nos aprofundar na real questão: o porquê da Casa do Rato ter decidido investir na adaptação live-action de seus clássicos animados. Pois bem, segundo Sandy Schaefer, do Screen Rant, nostalgia sempre foi uma grande parte dessa marca. Já comentamos algumas vezes sobre a monetização da nostalgia e como ela se tornou uma das fórmulas de sucesso hollywoodianas. Contudo, é importante ressaltar que a mesma vem sendo fortemente difundida pela Disney desde os anos 1990. Afinal, foi exatamente nessa época que a companhia decidiu investir em remakes de live-actions anteriores. Só para ilustrar, podemos citar A Incrível Jornada, Operação Cupido e Flubber.

Embora esses remakes tenham sido um importante passo para que a Disney descobrisse o potencial do relançamento de suas obras, o real divisor de águas para a empresa foi 101 Dálmatas. Através da reimaginação live-action de sua animação dos anos 60, a Casa do Rato descobriu o que era um real sucesso de bilheteria. Apesar de ter sido considerado pela crítica “um remake desnecessário”, a performance de Glenn Close como Cruella de Vil foi aclamada crítica e publicamente. Além disso, o roteiro de John Hughes teve um importante peso nessa conquista, basta lembrar que o cineasta foi responsável por sucessos atemporais como Clube dos Cinco, Curtindo a Vida Adoidado e Esqueceram de Mim. Logo, independente da avaliação da crítica especializada, a Disney viu ali uma grande oportunidade lucrativa. Não podemos culpar a companhia, já que o filme custou apenas 75 milhões de dólares e arrecadou quatro vezes mais.

Em suma, a experiência da companhia com 101 Dálmatas foi responsável por abrir portas para que, catorze anos depois, a Disney iniciasse uma nova era cinematográfica.

A nova era de remakes da Disney

É comum O Rei Leão, Aladdin e Mulan serem vistos como os principais exemplos de remakes da Disney atualmente. Entretanto, é necessário lembrar de Alice no País das Maravilhas, lançado 2010. O filme dirigido por Tim Burtin foi responsável por reforçar que a reimaginação das clássicas animações era uma fórmula de sucesso entre o público. Se os 300 milhões de dólares arrecadados por 101 Dálmatas em 1996 chamaram a atenção da empresa, imagine o êxtase da mesma com a bilheteria bilionária de Alice. Contudo, uma variável importantíssima nessa equação foi Alan Horn, nome que assumiu os estúdios da Disney em 2012.

Antes de migrar para a Casa do Rato, Horn atuou como presidente da Warner Bros. Surpreendentemente, após sua demissão em 2011, Bob Iger, CEO da Disney, resolveu trazê-lo à bordo. Como resultado dessa contratação, surgiu Malévola. Nem é preciso dizer que a reimaginação live-action de Bela Adormecida contada sob a perspectiva da antagonista foi um estouro. Depois disso, investir nos remakes passou a ser uma prioridade da Disney. Certamente você já se perguntou o porquê da empresa não explorar seu potencial no desenvolvimento de filmes originais. Bom, basta lembrar que Tomorrowland e Uma Dobra no Tempo passaram longe de alcançar o mesmo hype e retorno que os remakes já citados.

Quanto mais lucro, melhor

Portanto, a resposta para a pergunta do título é a mais óbvia possível, dinheiro. De qualquer forma, era importante explicar como a Casa do Rato chegou à essa estratégia. Ademais, apesar dos riscos envolvendo uma constante repetição de histórias já contadas, a Disney possui a vantagem do constante surgimento de novas gerações. Assim, sempre haverá uma história clássica a ser atualizada e a companhia sabe que lucrará com isso. Por último, mas não menos importante, vale lembrar que a aquisição da Fox trouxe para a Disney novas possibilidades. Filmes como Esqueceram de Mim, Doze é Demais e Diário de um Banana serão regravados no futuro. E então, o que você acha disso?

Coreia do Norte registra ‘primeiro caso suspeito’ de infecção por novo coronavírus

Matéria anterior

Esses são os vídeos femininos com mais visualização no Youtube

Próxima matéria

Comentários

Comentários não são permitidos

Você também pode gostar