Curiosidades

Quando deixaremos de lidar com o novo coronavírus?

0

Como todos sabemos, a pandemia ocasionada pelo novo coronavírus começou no dia 11 de março de 2020. Hoje, mais de um ano depois, o vírus já infectou 118 milhões de pessoas em todo o mundo. Segundo dados compilados pela Universidade Johns Hopkins, até agora, já perdemos cerca de 2,6 milhões de vidas.

Mesmo diante de dados tão alarmantes, conquistamos uma grande vitória: as vacinas, as quais impedem fortemente a transmissibilidade do vírus. Os imunizantes foram desenvolvidos em um ritmo sem precedentes – o que permitiu que quase 330 milhões de pessoas em todo o mundo fossem imunizadas em tempo recorde.

Diante de tal cenário, surge, então, a primordial questão: quando deixaremos de lidar com o novo coronavírus?

Fim do novo coronavírus

1 49 600x400, Fatos Desconhecidos

A resposta para tal pergunta, infelizmente, não é agradável, pois, mesmo com as campanhas de imunização em andamento, os especialistas acreditam que a marcante presença do novo coronavírus não deve se exaurir. Para diversos pesquisadores, não importa o que façamos, seguiremos lidando com a presença do vírus hoje, amanhã e depois.

“Dizem que o vírus vai desaparecer. Mas não vai”, revelou William Schaffner, professor da Escola de Medicina da Universidade de Vanderbilt e diretor da Fundação Nacional de Doenças Infecciosas, em entrevista à CBS News.

“Precisamos controlá-lo. Precisamos diminuir seu impacto. Mas ele estará por aí, nos incomodando. E com isso quero dizer – anos”.

Assim como não há histórico de doenças infecciosas sendo completamente erradicadas, com o novo coronavírus não será diferente.

“Controlar algo que é altamente infeccioso é difícil, é desgastante”, disse Tom Frieden, CEO da Resolve To Save Lives e ex-diretor do CDC, à CBS News. “O novo coronavírus é um adversário praticamente imbatível, principalmente com o surgimento das novas variantes. É como se estivéssemos brincando de gato e rato”.

Doenças

2 40 600x340, Fatos Desconhecidos

Antes de conhecermos o novo coronavírus, já estávamos acostumadas a conviver com doenças endêmicas. A gripe é um exemplo. O sarampo é outro.

A única doença infecciosa da história moderna a ser eliminada em todo o mundo foi a varíola, que foi erradicada em 1980. Mas isso foi quase 200 anos após a criação da primeira vacina contra a doença.

O novo coronavírus, por sua vez, é diferente. “É irreal pensar que podemos eliminar um vírus assim, tão facilmente”, explica Anita McElroy, da Escola de Medicina da Universidade de Pittsburgh.

Para a profissional, muitas pessoas não devem se vacinar. “Aqueles que optarem por não vacinar, permitirão, de uma forma ou de outra, que o vírus continue se propagando”, pontua McElroy.

Em contrapartida, atingindo a imunidade de rebanho, os especialistas acreditam que o vírus, no futuro, não será tão perturbador como já foi – e ainda segue sendo. Com as medidas de contenção e as campanhas de imunização, o novo coronavírus será facilmente controlado.

“A vacinação será um ritual. Acredito que todos os anos teremos que tomar vacina. As máscaras, além disso, devem permanecer para os idosos e pessoas com doenças subjacentes e as comemorações só serão possíveis para aqueles que já estiverem vacinados. Mas aqueles que não vacinarem, provavelmente, sofrerão. Afinal, o vírus seguirá entre nós. O que acontecerá é que aprenderemos a conviver com ele, assim como já fizemos com a gripe, por exemplo”, revela Schaffner.

 

“Trabalhar em casa está quebrando nossos corpos”, revela fisioterapeutas

Matéria anterior

Como essas 10 celebridades alimentam seus filhos

Próxima matéria

Você também pode gostar

Mais em Curiosidades

Comentários

Comentários não são permitidos